NOTÍCIAS
07/11/2019 14:02 -03 | Atualizado 07/11/2019 14:57 -03

Augusto Nunes agride Glenn Greenwald durante programa 'Pânico'

Greenwald chamou Nunes de “covarde” durante uma discussão e o jornalista revidou a acusação com tapas.

Reprodução
Glenn Greenwald e Augusto Nunes

O jornalista Augusto Nunes agrediu fisicamente o fundador do site The Intercept Brasil, Glenn Greenwald, durante a gravação do programa Pânico, da rádio Jovem Pan, nesta quinta-feira (7).

Greenwald chamou Nunes de “covarde” durante uma discussão e o jornalista revidou a acusação com tapas. Após a ofensiva de Nunes, o editor do The Intercept também tentou dar um soco no jornalista. 

Ao chegar no programa, o editor do The Intercept não sabia que iria dividir a mesa com o jornalista Augusto Nunes. Greenwald afirmou que tinha divergências políticas com Nunes, mas que havia topado conversar com o jornalista, mas “com limites”.

A discussão começou quando ele relembrou o fato de que Nunes havia sugerido que um juiz de menores investigasse os filhos de Greenwald para analisar se as crianças deveriam voltar para um abrigo. De acordo com Glenn, esse teria sido o ato mais “nojento” de Nunes.

Em resposta, o jornalista disse que o comentário teria sido uma ironia.

“Ouça o que eu disse. Não sabe identificar um ataque bem-humorado. [...] Eu disse apenas que o companheiro dele passa o tempo em Brasília e ele passa o tempo lidando com material roubado. Quem vai cuidar dos filhos? Era isso”, respondeu Augusto Nunes, referindo-se ao marido de Glenn, o deputado federal David Miranda (PSol-RJ), e à Vaza Jato, como ficou conhecida a série de reportagens do The Intercept sobre áudios de conversas entre o então juiz Sérgio Moro e procuradores da Operação Lava Jato.

Nesse ponto, Glenn Greenwald começou a chamar Augusto Nunes repetidas vezes de covarde. Nunes responde com frases como “Eu te mostro o que é covarde” e começa a agressão.

Diante da briga, os produtores e apresentadores do programa tentaram acalmar os ânimos dos convidados e o programa foi interrompido por alguns momentos.

Alguns minutos depois, o Pânico retornou a transmissão apenas com a participação de Glenn e um dos apresentadores do programa, Emílio Surita, aproveitou o quadro para comentar o ocorrido.

“Nem mulher briga tão feio que nem vocês. Achei que ia sair porradaria. Só rolou alguns tapinhas”, diz Surita, logo após questionar se Glenn estava nervoso.

O editor do The Intercept responde que havia se acalmado e reiterou a sua posição: “Ele [Nunes] nunca diria para um juiz de menores avaliar se os filhos dos seus chefes deveriam ir para um abrigo. Ele não falou de ironia. Ele só fala isso de nós [Glenn e David Miranda], e isso é covardia.”

A entrevista com Glenn Greenwald prosseguiu no programa e a equipe do Pânico pediu que não fosse citado o caso com o jornalista Augusto Nunes, que não estava mais no estúdio.

Após a agressão, Nunes afirmou à Folha que foi “insultado moralmente” e que reagiu como “qualquer homem reagiria”.

No Twitter, os termos “Augusto Nunes” e “Glenn” eram os mais comentados do dia. Os comentários dos usuários se dividiram entre aqueles que prestaram solidariedade a Greenwald e outros que validaram a reação de Nunes.