OPINIÃO
22/12/2019 02:00 -03 | Atualizado 22/12/2019 02:00 -03

Aquário Urbano e a polêmica: Quem é o dono da paisagem?

Maior projeto de arte urbana do mundo transforma o centro de São Paulo num aquário em meio a prédios históricos.

Divulgação/A Vida no Centro
As pinturas de grafite revitalizam a paisagem urbana do centro de São Paulo.

O maior projeto de arte urbana do mundo está sendo realizado no centro de São Paulo, em meio a ícones da arquitetura modernista como o edifício Copan, o Edifício Itália e o prédio do antigo hotel Hilton, e aos novos expoentes da cena gastronômica de São Paulo – do megapremiado Casa do Porco e o tradicional Bar da Dona Onça aos descolados Sertó, Z Deli, Romeo Romeo e Bento 43.

O projeto, batizado de Aquário Urbano, está sendo realizado pelo artista plástico Felipe Yung Maciel, o Flip, e pelo produtor cultural Kléber Pagu. São 15 prédios no total, que vão somar mais de 10 mil metros quadrados pintados, qualificando o projeto a figurar no livro Guinnes dos recordes. Oito deles já foram pintados. E os demais devem ficar prontos até fevereiro.

De modo geral, a reação dos proprietários dos prédios que já receberam a intervenção artística é positiva. Alguns deles não recebiam tinta há anos, e a falta de manutenção de paredes que recebem sol e chuva aumenta o risco de infiltrações que podem chegar ao interior do edifício.

Acreditamos que essa forma de ocupação faz as pessoas interagirem com a cidade... Essa obra unifica todos os moradores.

Houve um prédio, no entanto, que não apenas se recusou a autorizar a intervenção. A Dias Fernandes – Administração e Participações Ltda., proprietária do edifício Renata Sampaio Ferreira, construído em 1956 pelo arquiteto Oswaldo Bratke, na Rua Araújo, foi além e entrou na Justiça pedindo pagamento de multa e prisão de Pagu. Uma liminar concedida pela juíza Lúcia Caninéo Campanhã determinou multa de R$ 50 mil por dia se a obra voltar a ser realizada e retorno da parede à cor original, com pagamento de R$ 5 mil por dia que ela permanecer pintada com o grafite.

O caso traz à tona a discussão sobre o direito de propriedade – garantido pela legislação brasileira e citado pela juíza – dos donos do edifício versus o direito à paisagem imposta ou sonegada ao conjunto de cidadãos que moram ou transitam pelo local. O que é melhor? Uma parede deteriorada na cor original ou uma parede colorida por uma obra de arte?

Na visão da Dias Fernandes – que não quis dar entrevista para explicar os motivos da discordância da obra –, é melhor manter a parede na cor original, já que o prédio é tombado, embora ela estivesse pichada no momento em que o artista plástico Flip começou a pintar os seus animais marinhos coloridos.

Pagu não questiona o direito à propriedade, mas analisa que a arte e o direito da população à cidade também devem ser assegurados. “Acreditamos que esta forma de ocupação é uma forma de fazer que as pessoas interajam com a cidade. E também uma forma de discutir a cidade, o espaço público, o que interage com o espaço público, o direito de propriedade no espaço público. É uma forma de a gente falar um pouco mais sobre cidades, sobre as pessoas, como a gente quer interagir com esses prédios”, afirmou ao A Vida no Centro. “É a primeira empena inteira pintada sem autorização”, diz Pagu.

Divulgação/A Vida no Centro
O Aquário Urbano, em gestação no centro de São Paulo, ressignifica espaços na cidade.

Projeto do Aquário Urbano continua

Apesar da polêmica sobre o Renata Sampaio Ferreira – que pode deixar um paredão bege no meio da paisagem colorida –, o projeto do Aquário Urbano vai seguir em frente. Pagu ainda vai tentar a intervenção do Conpresp, o órgão municipal que regula o uso de prédios históricos na cidade.

O produtor cultural vai continuar com a intervenção nas demais fachadas, algumas com autorização expressa, outras sem. “Essa obra unifica todos os moradores”, diz Pagu. “A única oposição direta foi a deste prédio e acho que mesmo essa oposição é pertinente para o diálogo”, afirma.

Nas próximas semanas, o cruzamento das ruas Bento Freitas e Major Sertório, bem no centro do aquário, será fechado aos domingos e começará a receber rodas de conversa entre moradores, frequentadores, ativistas, especialistas e público interessado em discutir os usos do espaço público.

E quem quiser ter uma ideia do que vem por aí não precisa esperar até fevereiro. Já existe um aplicativo que mostra como será a experiência do Aquário Urbano em realidade virtual.

Divulgação/A Vida no Centro
Pagu e Flip, os responsáveis pelo projeto do aquário, em frente à parede do prédio Renata Sampaio Ferreira, cuja administração foi contra o grafite.

Projetos em parceria

Apesar da escala grandiosa, o Aquário Urbano está sendo realizado praticamente sem dinheiro. O projeto conta com patrocínios de material e equipamento e o tempo dedicado pelo artista e pelo produtor. A Sherwin-Williams forneceu o equivalente a cerca de R$ 1 milhão em tinta e a Mills e a JLG estão oferecendo cerca de R$ 500 mil com o equipamento de guindaste que permite a elevação do artista na parede.

“No centro de uma cidade financeira, estamos fazendo um projeto praticamente sem dinheiro, só com parcerias”, diz Pagu. 

“Estamos mostrando que é possível resistir, ocupar uma cidade, viver numa cidade, fazer essa cidade virar boa pra gente. Não podemos ter medo da cidade.”

Este artigo é de autoria de articulista do HuffPost e não representa ideias ou opiniões do veículo. Assine nossa newsletter e acompanhe por e-mail os melhores conteúdos de nosso site.

 
Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost