NOTÍCIAS
28/06/2020 13:10 -03 | Atualizado 28/06/2020 17:29 -03

Apoio à democracia cresce e chega a 75% no Brasil, diz Datafolha

Conforme levantamento, percentual aumentou desde dezembro, quando 62% apoiavam democracia e 12%, a ditadura.

SERGIO LIMA via Getty Images
Protesto em Brasília no último fim de semana em defesa da democracia e contra o racismo. 

O apoio da população brasileira à democracia aumentou, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada na noite de sábado (27), atingindo o maior índice da série histórica.

Em meio à crise política no governo Jair Bolsonaro, 75% dos entrevistados avaliaram o regime democrático como o mais adequado, enquanto 10% disseram que a ditadura é aceitável em algumas ocasiões.

Em dezembro, quando Datafolha fez a mesma pergunta, 62% apoiavam a democracia e 12%, a ditadura.

O Datafolha ouviu 2.016 pessoas nos dias 23 e 24 de junho, e a margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou para menos.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi ao Twitter comentar o levantamento Datafolha e afirmou que se vê “feliz e triste ao mesmo tempo”. Destacou o fato de ter nascido no Chile por conta do que chamou de “abuso da força da ditadura”. “Dia feliz para os que prezam os direitos humanos, as minorias, o respeito e a diversidade”, destacou, lembrando o dia internacional do orgulho LGBT. 

 

O levantamento ocorre num momento em que há protestos praticamente todos os finais de semana pelo País, em que grupos opostos saem às ruas. 

Neste domingo (28), apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, fizeram uma manifestação em frente ao QG do Exército em Brasília pedindo o retorno da ditadura com o mandatário no poder. Havia ainda faixas de ataque ao Supremo Tribunal Federal. Em frente à Corte, um outro grupo também protestou e pediu aos senadores que atuassem ao que chamaram de abusos dos ministros. 

Bolsonaristas têm considerado decisões do STF em desfavor de apoiadores e aliados do presidente nos inquéritos dos atos antidemocráticos e das fake news como abuso de autoridade. A ativista Sara Winter, do grupo extremista 300 pelo Brasil chegou a ser presa semana passada, quando também foi determinada a quebra de sigilo de parlamentares da base de Bolsonaro. 

Andressa Anholete via Getty Images
Protesto em frente ao Congresso neste domingo (28).

Ainda neste domingo, em outro local da Esplanada dos Ministérios, ocorreu um protesto silencioso contra o governo e em homenagem às vítimas do coronavírus. Os manifestantes colocaram cruzes para representar as mais de 50 mil vidas perdidas e faixas com críticas a Jair Bolsonaro. 

Tem havido, em muitas cidades, confrontos entre os grupos e necessidade de atuação das polícias locais.

Na última semana, após a prisão do ex-política militar Fabrício Queiroz e implicações que isso pode ter para sua família, o Bolsonaro tem estado calado, o que, em consequência, arrefeceu os ânimos no País.