COMPORTAMENTO
21/02/2019 00:00 -03

Ansiedade e ataque de pânico: Qual a diferença entre eles

“Quem sofre de ansiedade e de pânico pode melhorar muito a vida.”

cosmaa via Getty Images

Se você é uma pessoa que costuma sofrer de ansiedade, ler o noticiário atual pode ser suficiente para te deixar ainda mais ansioso por um tempinho (ou talvez o dia inteiro, sejamos sinceros).

Outras vezes, uma sensação esmagadora de ansiedade pode aparecer do nada, sem nenhum motivo aparente.

Algumas pessoas se referem casualmente a esses períodos de intensa ansiedade como “ataques de ansiedade”; outros podem dizer que estão tendo um ataque de pânico.

Mas são duas coisas completamente diferentes. Leia abaixo o que dizem os especialistas sobre a diferença entre um ataque de pânico e um ataque de ansiedade, e como lidar com eles.

A definição de ansiedade muda de pessoa para pessoa

“Ataque de pânico é um termo clínico, ao contrário de ataque de ansiedade”, diz Alice Boyes, autora de The Healthy Mind Toolkit (As ferramentas de uma mente saudável, em tradução livre). “Ter um ataque de ansiedade pode ter significados diferentes, dependendo da pessoa.”

Christina Boisseau, professora associada do departamento de psiquiatria e ciências comportamentais da Feinberg School of Medicine, da Universidade Northwestern, diz que o termo “ataque de ansiedade” tipicamente se refere a uma experiência mais específica, muitas vezes motivada por algo peculiar ao indivíduo.

“Quando alguém diz que está tendo um ataque de ansiedade, é um termo mais coloquial, mas normalmente elas se referem à ansiedade em relação a algo que está acontecendo, seja na escola, no trabalho ou nos relacionamentos”, diz Boisseau. “Existe algo identificável causando o estresse. E, quando as pessoas ficam realmente ansiosas ou preocupadas, podem sentir sintomas físicos como batimentos cardíacos acelerados ou aperto no peito.”

Ataques de pânico são inesperados

Embora a ansiedade seja algo que você sinta em expectativa ou reação a algo, Boisseau afirma que ataques de pânico costumam aparecer do nada.

“Ataques de pânico são ímpetos de medo ou desconforto intenso, acompanhados por sintomas assustadores – o coração dispara, você fica tonto ou começa a respirar ofegante de repente”, diz ela. “Os sintomas atingem o ápice em alguns minutos e não duram muito tempo.”

Boyes afirma que algumas pessoas têm ataques de pânico noturnos – acordam de um sono profundo com sensação de pânico, sem motivo aparente. Apesar de o ataque de pânico passar mais rápido do que a sensação geral de ansiedade, seu corpo demora se livrar dos químicos e da adrenalina que se acumularam no episódio.

“Você pode se sentir esquisito durante um tempo”, diz Boyes.

Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (também conhecido como DSM-5), da Associação Psiquiátrica Americana, é usado para diagnosticar doenças mentais nos Estados Unidos. De acordo com a versão mais recente do DSM-5, ataques de pânico são caracterizados por 4 ou mais dos sintomas abaixo:

Sintomas de ataque de pânico

  • Palpitação ou coração batendo forte
  • Suor
  • Tremores musculares
  • Falta de ar ou a sensação de estar sendo esmagado
  • Sensação de estrangulamento
  • Dor ou desconforto no peito
  • Náusea ou dores abdominais
  • Tontura e desmaios
  • Sensação de estar desconectado do ambiente ou de ser um observador externo do próprio corpo
  • Medo de perder o controle ou ficar louco (literalmente achar que vai enlouquecer)
  • Medo de morrer
  • Dormência ou formigamento
  • Ondas de frio ou de calor

Se você tem ataques de pânico regularmente, pode sofrer de síndrome do pânico

Boisseau diz que a maioria das pessoas vai ter um ataque de pânico em algum momento de suas vidas, mas só 2% ou 3% da população desenvolverá síndrome do pânico.

“Síndrome do pânico é basicamente medo do medo”, diz Boisseau. “Quem tem síndrome do pânico tem medo das sensações físicas do pânico. Elas acham que algo possa estar errado com elas, como se estivessem morrendo ou ‘ficando loucas’. Essencialmente, elas têm medo de passar por um ataque de pânico.”

Esse medo significa que as pessoas evitem certos lugares (como aviões, lugares pequenos ou muito cheios) ou situações (como dirigir) em que os ataques aconteceram no passado, para evitar recorrências.

“Elas pensam: vou ter um ataque de pânico porque já aconteceu aqui uma vez”, diz Boisseau. “Mas esse pensamento acaba gerando mais ansiedade no longo prazo.”

Como lidar com ataques de pânico e ansiedade

Você pode ter se consultado com um psicólogo e recebido um diagnóstico clínico de ataques de pânico (ou síndrome do pânico), ou então lidar com ansiedade e períodos de estresse intenso – mas os mecanismos de defesa são similares, diz Boyes.

“Do ponto de vista do tratamento, não é essencial estabelecer se você tem pânico ou ansiedade”, afirma ela.

Tanto Boisseau quanto Boyes afirmam que a terapia cognitivo-comportamental pode ser extremamente eficiente para lidar com o problema.

A terapia cognitivo-comportamental busca lidar com as questões que a pessoa evita por causa da ansiedade. O objetivo é diminuir essa sensação de ansiedade com o tempo. Boisseau afirma que, em alguns casos, inibidores seletivos de receptação de serotonina (antidepressivos como Zoloft e Prozac, por exemplo), podem ajudar no tratamento.

Hábitos cotidianos e técnicas que podem ser usadas no momento dos ataques também ajudam.

“A maneira mais fácil de lidar com sensações de ansiedade é respirar lentamente”, diz Boyes, enfatizando que é importante praticar isso antes de ter um ataque. Assim, você vai saber o que fazer na hora. “Concentre-se na expiração, como se estivesse enchendo uma bexiga, tirando todo o ar dos pulmões, e depois inspirando normalmente. Faça isso durante alguns minutos se passar por um ataque de ansiedade ou de pânico. Vai ajudar.”

O importante é saber que ataques de ansiedade e de pânico são tratáveis, afirma Boisseau. “Quem sofre de ataques de ansiedade e de pânico pode melhorar muito a vida.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.