LGBT
07/12/2019 07:00 -03 | Atualizado 21/01/2020 15:11 -03

'O que deveria escandalizar a igreja não é duas mulheres se beijando, mas sendo agredidas'

Em entrevista ao HuffPost, pastor Henrique Vieira fala sobre como foi resgatar o sentido mais generoso de textos do Evangelho e escrever o livro "O amor como revolução".

Divulgação
Henrique Vieira, de 32 anos, além de ser pastor da Igreja Batista do Caminho, é ator, poeta e professor.

O amor não é piegas. Tampouco é algo que se resume a um casal ou que é romântico. Muito menos poderia ser restrito a relações heterossexuais. É um ato político quando faz que inimigos sejam vistos como humanos. É uma postura ética e revolucionária quando está em escolhas para o bem de todos ― sem exceção. Esta é a postura de Henrique Vieira, 32, que além de ser pastor da Igreja Batista do Caminho, fundada em Niterói (RJ), é ator, poeta, professor e ex-vereador pelo PSol.

“O amor não é destino, sorte e não pode ser uma idealização; ele é acima de tudo um caminho que se percorre, uma decisão e uma forma de se viver”, escreve Vieira em O amor como revolução, livro lançado em junho deste ano pela editora Objetiva, do Grupo Companhia das Letras. A obra parte de sua história pessoal para falar sobre a relação potente entre religião e compaixão ― que, segundo ele, se distancia do pensamento conservador e fundamentalista.

Vieira é uma das personalidades que representa um grupo de evangélicos progressistas. Em um dos vídeos com ele que circulam no Youtube, Vieira diz que “nem todo evangélico é fundamentalista” e que este segmento não deve ser reduzido ”às pregações cheias de ódio em programas de TV e muito menos à lamentável Frente Parlamentar Evangélica”. 

O pecado não é a livre manifestação do afeto, o pecado é o preconceito, é a intolerância.Pastor Henrique Vieira, em entrevista ao HuffPost Brasil.

A motivação para Vieira lançar um livro não foi só a vontade de compartilhar com outras pessoas a sua prática pastoral, as lembranças da infância, ou seu envolvimento com a arte da palhaçaria e sua aproximação com a política enquanto vereador na cidade de Niterói. Mas, sim, como passar pela experiência de ficar sem enxergar por um período de tempo, aos 16 anos, alterou radicalmente suas perspectivas de futuro e também trouxe esperança.

“O que me deu força para seguir em frente e não cair no desespero foi justamente o afeto, o amor que eu recebi da família, dos amigos (...). Em um tempo de tamanha intolerância, eu lembrei da importância de se conectar com o próximo e resolvi falar sobre isso hoje, quando temos tamanha banalização da vida e da comunhão humana”, disse em conversa com o HuffPost.

Tanto no livro, quanto em seus posicionamentos e pregações na igreja, o discurso de defesa dos direitos humanos está presente ― e ele os defende com base no que diz a própria Bíblia e, novamente, no amor e na comunhão.

“O que deveria escandalizar a igreja não é o fato de duas mulheres se beijarem. É o fato delas serem violentadas, agredidas, humilhadas, estupradas, expulsas de casa por isso. O pecado não é a livre manifestação do afeto, o pecado é o preconceito, é a intolerância. (...) Um olhar bíblico mais profundo consegue perceber que o pecado é a falta de amor, não a manifestação livre dele.”

Além de ter participado de uma faixa do novo álbum do Emicida, AmarElo, a Principia e fazer uma ponta em Marighella, filme dirigido por Wagner Moura, sua história pessoal também ganhou os palcos. Até o dia 1º de dezembro a peça O amor como revolução esteve em cartaz com no Rio de Janeiro. Dirigida pelo sociólogo e ex-BBB, Rodrigo França, e coproduzida pelo ator Lázaro Ramos ― é possível que o espetáculo viaje para outras capitais.

“Eu tô (sic) gostando. É uma outra forma de tocar no coração das pessoas”, diz. 

Divulgação/Rafaela Lira
Pastor Henrique Vieira em cena de "O amor como revolução", que estreou em novembro.

Leia a entrevista completa:

HuffPost Brasil: Você começa o livro contando que soube, aos 16 anos, que sua vida não seria mais a mesma devido a uma neurite óptica bilateral que afetou grande parte da sua visão e sem motivo ― e que, por isso, poderia ficar cego. O que essa experiência provocou em você? Ela te motivou a escrever O amor como revolução?

Henrique Vieira: Muito repentinamente eu experimentei um sofrimento muito grande com essa perda da visão. E, diante desse sofrimento, o que me deu força para seguir em frente e não cair no desespero foi justamente o afeto, o carinho, o amor que eu recebi da família, dos amigos. Foi algo muito importante no contexto da igreja, da escola, são muitos os exemplos de como esse amor se manifesta em atitude e ele foi fundamental para fortalecer o meu coração diante de uma situação de fragilidade ― fragilidade, na verdade, que é própria da experiência humana. Então, foi uma lição importante que eu aprendi na minha vida: de que a comunhão e a solidariedade são coisas que confortam e fortalecem o coração. 

E diante de um tempo de tamanha intolerância, discursos de ódio, estímulo à violência, desprezo ao outro, falta de empatia, compaixão, sensibilidade e de certa banalização da vida, com pessoas comemorando a morte, eu lembrei da importância de se conectar com o próximo a partir do afeto, da compaixão e resolvi falar sobre isso dentro desse tempo de tamanha banalização da vida e da comunhão humana. Algo singelo, simples, mas muito importante. 

Há um costume de associar o amor a um sentimento, a algo piegas, individual e relacionado a um casal. Mas você aponta no livro que ele é mais do que isso, que é uma decisão, uma postura ético-política. Poderia explicar?

Sim. Acho que, em primeiro lugar, o amor quebra a indiferença e promove a empatia e a compaixão. Isso tem uma implicação social e política relacional. Está para muito além do universo romântico de um casal dentro de casa. O amor tem uma vocação pública. O amor tem uma vocação comunitária porque ele me vincula ao outro que sequer eu sei o nome. Mas basta saber que existe para que com ele eu me importe. Então, eu entendo que o amor é revolucionário porque ele sacraliza a humanidade. Então ele vincula tudo e a todos que existem. Ele vai muito além do aspecto das relações amorosas. E, em segundo lugar, eu acho que o amor carrega uma exigência ética. O amor pede que a vida seja plena para todas as pessoas do mundo.

O amor, à medida que ele vai me humanizando e ligando ao outro e a todo e qualquer outro, se transforma em um grito meu de consciência contra tudo aquilo que é injusto.Pastor Henrique Vieira, em entrevista ao HuffPost Brasil.
Chico Cerchiaro
Henrique Vieira é pastor da Igreja Batista do Caminho, fundada em Niterói (RJ), além de ser ator, poeta, professor e ex-vereador.  

O que isso significa?

Significa que o machismo impede que a vida seja plena para as mulheres. O racismo impede que a vida seja plena para os negros. Que a LGBTfobia impede que a vida seja plena para LGBTs. Que injustiça social, a concentração de renda, impedem que a vida seja plena para os trabalhadores, para os pobres. Que a lógica do latifúndio impede que seja plena para os camponeses e a especulação imobiliária impede que a vida seja plena para os moradores da cidade. O que eu quero dizer? O amor, na medida em que ele tem uma exigência ética de vida plena para todo mundo, se coloca como um grito contra tudo aquilo que maltrata e apequena a vida.

Então o amor ganha uma consistência política, um efeito político. E quando eu falo político, não é no sentido político-partidário, eleitoral, esquerda ou direita. É política por causa daquilo que se refere ao público, daquilo que se refere ao coletivo, à sociedade. O amor me conscientiza, ele me compromete com o outro. Ele me traz um sentimento de rebeldia e de indignação diante de tudo aquilo que é injusto. Então eu não posso ficar em silêncio diante do extermínio da juventude negra, eu não posso ficar em silêncio diante do feminicídio neste País. Eu não posso ficar em silêncio vendo que os trabalhadores não conseguem ter o pão de cada dia para sobreviver enquanto uma elite usufrui de bens materiais intermináveis.

O amor, à medida que ele vai me humanizando e ligando ao outro e a todo e qualquer outro, se transforma em um grito meu de consciência contra tudo aquilo que é injusto, que é violento e que impede que esse outro seja pleno e feliz. E por isso é que o amor é revolucionário.

O que exatamente a Bíblia diz sobre relações homoafetivas?

A pergunta “o que a Bíblia diz?” é uma pergunta muito perigosa. Porque a Bíblia contém mais de 60 livros, gêneros literários diferentes. Textos escritos em épocas e contextos culturais diferentes. Ou seja, “o que a Bíblia diz?”, eu posso pegar qualquer texto, isolar do seu contexto e torná-lo um pretexto para dizer o que eu quiser. Então eu acho que a pergunta é outra; é “como eu leio a Bíblia?”. Qual é o critério que eu assumo como cristão para ler a Bíblia como palavra de Deus e entender o que é circunstancial, uma particularidade daquela cultura, e o que é essencial, portanto é uma palavra eterna que se aplica para todas as pessoas. Se eu não tiver esse discernimento e com muita consciência, e escolher esse critério, eu posso usar a Bíblia para fazer o que eu quiser. E ao longo da História já se usou a Bíblia para legitimar a escravidão do povo negro, a submissão das mulheres, a colonização genocida da América e por ai vai.

Então, o que eu quero dizer é: todo texto precisa ser contextualizado. Como cristão, o meu filtro de interpretação é a vida e os ensinamentos de Jesus. Jesus é o máximo da revelação de Deus para nós, cristãos. Então eu vou ler toda a Bíblia a partir da figura do Cristo e da testemunha do Cristo, entendeu? Então, quando eu contextualizo o texto e leio o texto a partir do critério Jesus, eu começo a entender o que é particularidade histórica ― e fica lá ― e o que é essencial e vem para o presente.

Atualmente um discurso sobre “cura gay” ganhou notoriedade e, em alguns casos, é amparado por grupos religiosos. Qual deveria ser o papel da religião no combate à violência contra a população LGBT? 

O que deveria escandalizar a igreja não é o fato de duas mulheres se beijarem. É o fato de elas serem violentadas, agredidas, humilhadas, estupradas, expulsas de casa por isso. O pecado não é a livre manifestação do afeto; o pecado é o preconceito, é a intolerância. É isso que mata, que leva ao suicídio tantas vezes, ódio em tudo quanto é canto. Eu acho que um olhar bíblico mais profundo consegue perceber que o pecado é a falta de amor, não a manifestação livre dele. 

O amor não significa ficar quieto diante da opressão; muito pelo contrário. É denunciar firme e fortemente toda e qualquer opressão.Pastor Henrique Vieira, em entrevista ao HuffPost Brasil.
Divulgação/Cia das Letras
Capa de "O amor como revolução", do pastor Henrique Vieira, publicado em junho deste ano pela Companhia das Letras.

Diante do cenário atual de polarização e casos recorrentes de violência, um jeito de combater esse discurso seria “amar os inimigos”? Como reconhecer humanidade em alguém que geralmente está negando a sua?

Sim, sim. Exatamente. Primeiro, isso não é fácil, nem automático. Isso não está no campo do sentimento, voluntário, mas da decisão ética. Terceiro, isso não significa gostar. Jesus não pediu que a gente gostasse dos nossos inimigos. Porque isso seria superficial, violento e hipócrita. Não tem como eu morrer de amores, de afeto, de carinho, por quem me maltrata, me humilha, me persegue, quer a minha própria eliminação. Então, quando eu falo “amar o opressor” não é gostar dele. Eu posso odiar ele. Porque o ódio é um sentimento humano. E eu posso ter muita raiva dele. E a raiva às vezes é legítima e absolutamente necessária.

E o amor entra quando, mesmo com ódio, mesmo com raiva, eu decido eticamente não torturar quem me tortura, não matar quem me mata, não desumanizar quem me desumaniza, não descartar a vida de quem descarta a minha. Eu realmente acredito nisso. Sei que isso não é fácil, mas sem esse critério, como produzir um mundo novo? Se eu admitir o ciclo do ódio e passar a eliminar quem quer me eliminar, onde isso para? Em que momento a gente vai saber? E é muito importante deixar isso em evidência; eu fiz um esforço muito grande para deixar isso didático no livro e óbvio na peça... Que o amor não significa ficar quieto diante da opressão; muito pelo contrário. É denunciar firme e fortemente toda e qualquer opressão. A questão é se eu tiver o opressor na minha frente e uma arma na minha mão eu não vou matá-lo porque está diante de mim alguém que eu vou denunciar a prática, mas não vou eliminar a vida. Isso é um exercício de amor. 

O livro agora se transformou em peça de teatro. Como foi esse processo?

Ah, foi um processo bem bonito. Eu sou ator também, né? Desde 2015 eu já comecei a minha caminhada no cinema. Foi um processo bonito. Primeiro, de adaptação do livro. Segundo, de escolher as histórias do livro e depois de criar um narrador que vai contando essas histórias. Então, foi um esforço bonito e depois veio a parte mais profunda que é descobrir isso no palco, a experiência do ator mesmo, de como contar essa história de uma forma lúdica, cênica e de como mergulhar nos próprios personagens que eu faço durante o monólogo; e em certa medida me distanciar da minha própria história para descobrir a melhor forma de contá-la. Porque às vezes você domina tanto a sua própria história que você acha que as pessoas vão entender de qualquer jeito. Foi preciso um distanciamento para o teatro fluir, para ficar bem construído artisticamente. E ficou bonito. Eu tô (sic) gostando. É uma outra forma de tocar no coração das pessoas. 

E as questões de racismo e violência foram junto para a peça?

Totalmente. Eu não chego lá no palco e começo a pregar ou gritar palavras de ordem. A peça é delicada, eu vou virando os personagens da minha própria história. Tem um trio de musicistas impressionante que dá um toque essencial à peça: em momentos exatos a música vem para compor com o cenário. Isso é bem potente. Não é uma peça de palavras de ordem, é uma peça que, através de uma história e de personagens, toda essa pauta profunda do amor vai sendo apresentada. Mas não como uma palestra ou como uma pregação, mas como teatro.