OPINIÃO
25/11/2019 23:35 -03 | Atualizado 25/11/2019 23:35 -03

'Amor de Mãe' estreia com avalanche de dramas usando fórmula da série 'Justiça'

Nova novela das 9 se apega ao drama carregado de realismo sem, entretanto, apelar ao melodrama fácil.

O primeiro capítulo de Amor de Mãe — nova novela da Globo que estreou nesta segunda-feira (25) — não poupou o público de dramas e tragédias pessoais dos personagens, apresentados de forma direta, quase didática. Uma avalanche de acontecimentos repleta de realismo cênico. Algo totalmente diferente ao que público do horário acostumou-se nos últimos meses, com a novela anterior.

Foi praticamente impossível não relacionar o que se viu com a série Justiça, da mesma autora, Manuela Dias, e mesmo diretor, José Luiz Villamarim. Se, na série, as agruras de cada protagonista eram apresentadas a cada dia, em Amor de Mãe, a autora intercalou blocos para introduzir as histórias das três personagens principais, Lurdes (Regina Casé), Vitória (Taís Araújo) e Thelma (Adriana Esteves), com direito a flashbacks explicando seus antecedentes. 

Ficou clara a intenção de usar na novela a técnica de narrativa que fez todo o diferencial em Justiça: a intercalação das protagonistas, em que uma é coadjuvante na trama da outra.

A cena, em plano-sequência, em que Juliano Cazarré passeia pela rua movimentada em meio ao trânsito, deixa isso bem claro. É um deleite identificar os personagens, que ainda não se conhecem, se cruzando. 

A direção é outro diferencial: fotografia quente — calorosa, cheia de vida —, e planos nada óbvios — como na primeira sequência, em que Regina Casé é entrevistada por Taís Araújo, que, por sua vez, não aparece (só se ouve a voz) até que a história de Lurdes (Regina) seja contada para dar lugar à história de Vitória (Taís).

Destaque também para a trilha sonora, com clássicos da música bem pontuados nas cenas, para a abertura, simples e bonita, e para o elenco. Regina Casé e Adriana Esteves tiveram as melhores cenas. Taís apareceu menos, mas tem muito a render. 

Reprodução/TV Globo
Lurdes de Regina Casé foi um dos destaques do 1º capítulo de "Amor de Mãe".

Também como em Justiça, as histórias soam cativantes, com grande potencial de envolvimento do público. Se a intenção é emocionar, os atrativos foram bem expostos.

Amor de Mãe se apega ao drama carregado de realismo, que nada lembra o melodrama fácil da maioria dos folhetins. É uma aposta que parece vir para arejar o gênero.

Nilson Xavier assina esta coluna no HuffPost. Siga nosso colunista no Twitter e acompanhe seus melhores conteúdos no site dele. Também assine nossa newsletter aqui com os melhores conteúdos do HuffPost.