NOTÍCIAS
22/02/2019 10:46 -03 | Atualizado 22/02/2019 11:03 -03

Ajuda humanitária a venezuelanos será entregue em Pacaraima, na fronteira brasileira

Missão brasileira vai respeitar ordem de Nicolás Maduro e não tentará atravessar a fronteira.

Ricardo Moraes / Reuters
Fronteira da Venezuela com o Brasil foi fechada na noite de quinta-feira (21).

A ajuda humanitária brasileira para a Venezuela deixou Brasília com destino à Boa Vista na manhã desta sexta-feira (22). Os alimentos e materiais de primeiros-socorros serão encaminhados para Pacaraima, cidade brasileira mais próxima à divisa com o país vizinho.

O Brasil vai respeitar a determinação do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que ordenou o fechamento da fronteira, e não vai ultrapassar os limites entre os dois países.

Maduro mandou fechar a fronteira justamente para não receber a ajuda, que foi comprada com dinheiro doado pelos Estados Unidos. 

Os medicamentos e alimentos serão transportados para a Venezuela por motoristas venezuelanos que entrarem em território brasileiro para buscar ajuda. Foram enviados 22,8 toneladas de leite em pó e 500 kits de primeiros-socorros. 

​Na noite de quinta-feira (22), o presidente autodeclarado do país, Juan Guaidó, líder da Assembleia Nacional da Venezuela, assinou um “decreto presidencial” com a determinação de reabertura da fronteira com o Brasil. 

Riscos

Segundo o governador de Roraima, Antonio Denarium, há alguns riscos com o fechamento da fronteira. Além de possível desabastecimento de combustível, pode ocorrer falta de energia elétrica, porque o sistema estadual está interligado ao venezuelano.

“Hoje Roraima é o único estado do Brasil que não está interligado ao sistema nacional de energia elétrica. 50% da nossa energia vem da Venezuela, outros 50% é movido por termoelétrica, à óleo diesel. Nós não temos energia suficiente para abastecer Roraima sem energia da Venezuela. Se houver um corte, vai ter racionamento de energia.”

Em Brasília para pedir ajuda, o governador argumentou que a gasolina venezuelana é muito mais barata e não há postos em Pacaraima.