COMIDA
05/09/2019 12:28 -03 | Atualizado 05/09/2019 14:08 -03

Adolescentes que comem muito fast food têm maior risco de depressão, revela estudo

Pesquisadores americanos acompanharam adolescentes por um ano e meio e viram uma relação entre o alto consumo de sódio e sintomas de depressão.

Neste Setembro Amarelo, mês dedicado à prevenção do suicídio, um novo estudo sugere que uma dieta à base de fast food e poucas frutas e  vegetais, pode estar relacionado a sintomas de depressão em adolescentes

O estudo, publicada no jornal científico Physiological Reports, observou 76 estudantes do ensino médio no Alabama, nos Estados Unidos.

Os pesquisadores da Universidade do Alabama compararam os sintomas de depressão com níveis de consumo de sódio e de potássio, medidos por testes de urina por cerca de um ano e meio.

Eles descobriram que adolescentes que consumiam grande quantidades de sódio e pouco potássio tinham maiores chances de reportar frequentes sintomas de depressão, mesmo após ajustar outros fatores como idade, níveis de hormônios e Índice de Massa Corporal (IMC). 

SCIENCE PHOTO LIBRARY via Getty Images
Comidas pobres em potássio e ricas em sódio podem desencadear transtornos de humor, sugerem pesquisadores. 

“O resultado sugere que o consumo de comidas ricas em sódio e pobres em potássio contribui para o desenvolvimento de sintomas de depressão em adolescentes, e que seguir esta dieta é um fator de risco para adolescente já diagnosticados com depressão”, resumiu o estudo. “Intervenção na dieta pode melhorar a saúde mental de adolescentes urbanos.”

Os dados fazem parte de um estudo mais amplo sobre como os adolescentes de comunidades “desfavorecidas” respondiam à violência. Os pesquisadores coletaram amostras de urina para testar os hormônios de estresse, mas os exames também revelaram os níveis de sódio e potássio na dieta dos adolescentes, que vinham de famílias com renda anual entre US$ 5 mil e US$ 70 mil.

Os pesquisadores não encontraram nenhuma relação entre a renda familiar e a depressão ou a ingestão de sódio, sugerindo que adolescentes de diferentes origens poderiam enfrentar os mesmos riscos em suas dietas.

Má alimentação X saúde mental 

Florence Dugué / EyeEm via Getty Images

Dieta com baixos nutrientes, como vitaminais e minerais, está sendo cada vez mais associada ao risco de desenvolvimento de transtornos de humor, asseguraram os autores do estudo para o site Insider.

“Esse estudo confirma o que nós já sabíamos: alimentos processados são ruins para o nosso cérebro e para a saúde mental”, explicou Dr. Drew Ramsey, assistente clínico e professor de psiquiatria da Columbia University. 

As meninas mostraram ser mais vulneráveis ao impacto da dieta rica em sal do que os meninos. A ligação entre os níveis de sódio e o potássio foi mais forte entre as meninas do que os meninos. Além disso, outros estudos apontam que as adolescentes têm mais chances de depressão. 

“Isso faz sentido porque sabemos que entre 13 e 15 anos de idade é quando as meninas começam a sentir mais sintomas de depressão em comparação aos meninos”, disse Sylvie Mrug, líder do estudo e diretora do departamento de Psicologia da universidade. “Essa diferença nos sintomas continua até a idade adulta.”

Os resultados sugerem que uma dieta rica em sal e pobre em potássio pode ser prejudicial à saúde mental ao longo do tempo, porém, comer mais frutas, vegetais e outros alimentos integrais e saudáveis pode ajudar a atenuar os sintomas da depressão.

Apesar de a tese necessitar de mais estudos e dados para replicar os resultados, os pesquisadores sugerem que alimentos saudáveis podem melhorar a saúde mental, no geral. 

“Pesquisas como essa são animadoras porque nos mostra que podemos melhorar nossa saúde mental em nosso prato. Não é decisivo, mas pode fazer uma grande diferença”, conclui Ramsey.