13/02/2019 11:36 -02 | Atualizado 13/02/2019 19:21 -02

8 casas de carne para comer gastando pouco em Brasília

Casas como Pobre Juan, El Negro e Toro participam da Restaurant Week, na qual a conta fecha em, no máximo, R$ 68.

Sal, carne e fogo quente. Apenas três ingredientes são necessários para que nasça o prato mais consumido do País. Verdadeira paixão nacional, o churrasco subiu no salto. Segundo dados de relatório do Instituto de Recursos Mundiais (WRI), o Brasil é o maior consumidor de carnes do mundo. E ela ganha, diariamente, novas identidades. Deixou a grelha do clube e o almoço de domingo. Foi para a parrilla ou o char broiler (equipamento com grelha). Com nova alcunha e patamar “chique”, caiu nas graças de chefs e de restaurantes espalhados pelo país.

Na capital federal, é grande a oferta. Os preços, por vezes, são elevados. Um corte premium pode chegar a R$ 300, a depender da gramatura. A boa-nova é que são muitas as casas com este fim participando da Restaurant Week, quando a conta fecha em, no máximo R$ 68, valor do menu em três etapas.

Apesar de simples, a fórmula do churrasco perfeito exige uma série de passos para dar certo. Para começar, um bom churrasco jamais agradará paladares mais exigentes se não tiver como base um corte selecionado. De preferência com gado de DNA importado, como o japonês Wagyu ou o escocês Angus.

Ponto para espaços como o El Negro, onde atua o chef Thiago Chaves. “Trabalhamos com carnes de várias partes do mundo e fornecedores de excelência”, conta o profissional, que procurou traçar um meio termo entre a regionalidade argentina e brasileira para desenvolver o cardápio do evento. Além dos irmãos porteños, estados como o Rio Grande do Sul emprestam sua expertise para uma nova geração de churrasqueiros brasilienses.  

É importante destacar, todavia, a necessidade de um consumo equilibrado desse derivado animal. A mesma pesquisa do IRM que mostra o alto número de brasileiros que comem carne alerta que esse hábito deveria ser reduzido em 40% pelo bem do planeta Terra. O ideal seria degustar apenas uma vez por semana. Justamente por isso, é necessário escolher a dedo onde sentar-se à mesa e apreciar o queridinho nacional. Um bom almoço ou jantar por semana vale mais que vários bifes de qualidade mediana por mês.

O HuffPost Brasil selecionou oito endereços onde a carne na brasa é protagonista. Confira, abaixo.

Divulgação
Bife de chorizo é uma das alternativas do Barbacoa. Carne pode ser antecedida por buffet de saladas e antepastos à vontade.

Barbacoa

Na Restaurant Week apenas no horário do jantar e com o menu Plus (que sai a R$ 68), o restaurante situado no Espaço Gourmet do Park Shopping investe em um de seus carros-chefes: o buffet de saladas e antepastos à vontade. Ele é uma das opções de entrada, mas também há, para quem deseja comer menos, mix de folhas com peras e gorgonzola ou ceviche de peixe branco e camarão.

Entre os principais, destaque para o bife de chorizo e o t-bone de cordeiro, que figuram entre os mais vendidos do espaço. Eles podem ser guarnecidos por batata rústica assada com tomilho, arroz com alcachofra e amêndoa, ou farofa de banana. Para encerrar, vale provar a pavlova, clássica sobremesa de merengue decorada, no Barbacoa, com morangos por cima.

BSB Grill

Boa oportunidade para conhecer os sabores de uma das mais tradicionais casas de carnes de Brasília, presente há 20 anos no mercado. O BSB Grill da Asa Sul aderiu ao menu convencional da Restaurant Week (com custo máximo de R$ 54,90) e tem a brasileiríssima picanha entre as alternativas do cardápio. Com imponentes 200g, a estrela dos churrascos brasileiros é acompanhada de arroz com brócolis, farofa de ovos e batata grill.

Brace

Brace. Do italiano, brasa. É esse o principal instrumento de trabalho da casa de cortes especiais inaugurada em 2017. Da chapa para a mesa, cortes nobres recebem bom tratamento no espaço.  

Na RW para almoço e jantar, o empreendimento investiu em um menu clássico em locais desse tipo. A refeição tem pontapé com duas alternativas de salada: a juliana (composta por alface americana, cenoura ralada, palmito, tomate, cebola, molho de maionese e mostarda, batata palha e parmesão) ou de rúcula, que traz a folhagem mais alface americana, tomate cereja, muçarela de búfala e castanhas.

Entre os principais, boa pedida é o bife de chorizo, escoltado por purê de abóbora cabotiá e cogumelos shitake. Por fim, quem diz “não” à panqueca de doce de leite com sorvete? Após o banquete, uma dica é conhecer o empório que fica à frente do espaço, próximo ao caixa, e abastecer a geladeira de peças vendidas com preço mais em conta.

Caminito Parrilla

Nem é preciso muita explicação. Basta adentrar ao salão do Caminito Parrilla para entender que se trata de uma réplica da tradicional rua homônima do bairro La Boca, em  Buenos Aires. A inspiração na capital argentina, claro, não para no décor. Da enorme churrasqueira portenha saem delícias como o chorizo com papas rellenas (uma espécie de “croquete” muito comum na América Latina), queijo e farofa de ervas. O prato é uma das sugestões para o menu da Restaurant Week, no qual participam no jantar ao custo de R$ 68 (as três etapas). Não vá embora sem provar a fotogênica nuvem de maria mole com coco recheada com doce de leite argentino.

El Negro

Oswaldo Martiniano
Medalhão de filé-mignon com fettuccine, uma das opções da casa de carnes El Negro.

Produzidos a partir de cortes extraídos das raças britânicas Angus e Hereford,  os cortes servidos no El Negro seguem o mesmo padrão de excelência há sete anos, quando foi aberta a primeira unidade, na Asa Norte (hoje fechada permanentemente). Na bonita loja no Lago Sul, segue-se a mesma orientação. Na RW, uma das receitas sugeridas recai em um macio medalhão de filé-mignon acompanhado de fettuccine ao molho bechamel e brócolis  servido no almoço (R$ 55, o menu em três etapas). À noite, independente da escolha, deixe espaço para provar a chocotorta, tradicional torta argentina que intercala bolacha de chocolate com doce de leite.

Otro

Se a ideia é unir boa refeição a uma bela vista da Ponte JK, cartão-postal de Brasília, eis o endereço certo. O Otro participa da Restaurant Week no menu Plus e apenas à noite. O conselho é começar a refeição pelas empanadas, que vêm nos sabores carne, carne com passas, queijo, queijo com cebola, queijo com alho-poró ou abobrinha. Depois, embora naturalmente a predileção seja pelo que vem do pasto, convém provar o arroz de polvo, com o molusco cortado em cubos mais pimentão, cebola picada, ervilha torta, páprica doce e picante ao vinho tinto. Pouco criativo, porém pedida frequente, o petit gateau de chocolate é servido com sorvete de creme, e vale cada caloria!

Divulgação
Empanada de carne é alternativa de entrada no Pobre Juan.

Pobre Juan

Moradores do Lago Norte não estão desabastecidos na Restaurant Week. O Pobre Juan, no Iguatemi, também entrou no evento como uma opção a quem vive no bairro. Assim como o Otro, aderiu à RW no jantar e dentro da proposta Plus.

Empanada de carne assada na hora com o chimichurri antecede um bem-servido ojo del bife com risoto de tomate cereja assado, lascas de parmesão e folhas de rúcula. Saboroso, o corte é retirado do miolo do bife ancho. É daqueles que desmancham na boca. Para terminar a “orgia” gastronômica, uma alternativa é pudim de doce de leite (matéria-prima que, aliás, surge em quase todas as casas do mesmo tipo).

Toro

Divulgação
Baby beef servido no restaurante Toro.

Como grande parte dos estabelecimentos de perfil semelhante, o Toro entrou na Restaurant Week no período noturno e com menu em três etapas a R$ 68. A inspiração vem do Rio Grande do Sul, Argentina e Uruguai. Por trás da parrilla está Alexsandro Panta, que especializou-se em São Paulo para entender sobre esse tipo de preparo.

O menu é um dos mais atrativos e que melhor apresenta um recorte da cocção na brasa. A entrada, matambre, consiste em um corte comum nos pampas gaúcho. Por lá, é assado por oito horas em forno em baixa temperatura para depois ser finalizado na parrilla e servido com chimichurri e pão. Dê continuidade ao jantar com o baby beef, corte extraído do miolo da paleta e acompanhado por arroz do chef (um misto de arroz, bacon, ovo, batata palha, cebolinha e salsinha) e batatas à moda da casa.

Serviço  

Restaurant Week Brasília 2019
De 8 de fevereiro a 3 de março
Menu em três etapas a R$ 43,90 (almoço) e R$ 54,90 (jantar). No menu Plus, R$ 55 (almoço) e R$ 68 (jantar). Ao valor final da conta pode ser somada a doação de R$ 1, revertido à ONG Amigos da Vida
Confira cardápios e todas as casas participantes neste link.

Onde comer

Barbacoa (Espaço Gourmet, ParkShopping, Guará; 61 3028-1530), aberto de segunda a quinta, das 12h às 23h; sexta e sábado, das 12h às 24h; e domingos e feriados, das 12h às 18h.

BSB Grill (413 Sul, Bloco D, loja 36; 61 3346 0036), aberto de terça a quinta, das 12h às 0h; sexta e sábado, das 12h à 1h; e domingo, das 12h às 17h.

Brace (404 Sul, Bloco A, loja 33; 61 3223 7414), aberto de terça a sábado, das 12h às 16h, e das 19h às 23h; domingo e segunda, das 12 às 17h.

Caminito Parrilla (SIG, Quadra 8, Lote 2375, Sudoeste; 61 3028-1090), aberto de segunda a quinta, das 12h às 15h, e das 18h às 23h; sexta e sábado, das 12h à 0h; e domingo, das 12h às 22h.

El Negro (QI 17, Edifício Fashion Park, Lago Sul; 61 3365-1292), aberto de segunda a sábado, das 12h às 15h, e das 19h às 23h; e domingo, das 12 às 15h.

Otro (SCES, Trecho 2, Lote 40; 61 3345 1348), aberto de segunda a quinta, das 12h às 15h30, e das 19h à 0h; sexta e sábado, das 12h às 0h30; e domingo, das 12h às 18h.

Pobre Juan (SHIN CA 4, Lote A, Lago Norte, Piso Térreo, Loja 20, Shopping Iguatemi; 61 3577-5800), aberto de segunda a quinta, das 19h às 22h30, sexta e sábado, das 19h às 0h; e domingo, das 18h às 22h.

Toro (104 Sul,  Bloco C, loja 29; 61 3225 0494), aberto de segunda a quarta, das 12h às 15h, e das 19h às 22h30; quinta a sábado, das 12h às 16h, e das 19h à 0h; e domingo, das 12h às 17h.