ENTRETENIMENTO
12/02/2019 01:00 -02 | Atualizado 12/02/2019 17:44 -02

Atores de '500 Dias com Ela' defendem Summer: 'Ela foi honesta desde o começo'

"Esse filme teria uma recepção diferente se fosse lançado hoje, na era do #MeToo", diz Zooey Deschanel.

Divulgação
"É que o filme não deixa muito explícito o quanto ele [Tom] não escuta ela [Summer]. Ele não liga para o que ela fala", dispara Joseph Gordon-Levitt.

Muitos fãs de 500 Dias com Ela ficaram revoltados quando, depois de 10 anos de seu lançamento, o filme passou a ser questionado com relação a seu verdadeiro tema. Mas em uma recente entrevista à revista Entertainment Weekly, a dupla de protagonista, Zooey Deschanel (Summer) e Joseph Gordon-Levitt (Tom), põe os pingos nos is.

“Este é um filme com zero ironia dramática. Zero. É 100% do ponto de vista de Tom, mas é uma coisa que as pessoas não entendem muito bem sobre o filme. Eles acham que Summer é uma vilã”, reclama Deschanel.

Gordon-Levitt concorda e faz uma sugestão ao público: “Eu acho que uma coisa realmente legal é tentar assistir e se colocar no lugar de Summer o tempo todo. Summer é completamente honesta o filme todo”.

E essa não é a 1ª vez que o ator defende a personagem da colega.

Ano passado, ele respondeu o tuíte de um homem que se identificava como Emperor Justin. Ele dizia ainda não ter perdoado Deschanel pelo que ela fez com Gordon-Levitt no filme.

O ator respondeu:

“Veja novamente. É principalmente culpa do Tom. Ele está projetando. Ele não está escutando. Ele é egoísta. Felizmente ele cresce no final.”

Mas parece que não foram apenas os homens que não entenderam.

“Eu fico muito surpresa quando as mulheres ficam tipo: ‘Eu odiei seu personagem nesse filme’! E eu: ‘Sério? Ela deixa tudo claro desde o começo’”, diz Deschanel à Entertainment Weekly. Gordon-Levitt, de pronto, complementa: ”É que não fica muito explícito o quanto ele não escuta ela. Ele não liga para o que ela fala”. 

 

Uma cena icônica do filme é usada pelos atores para comprovar seu ponto de vista. A famosa “Expectativa x Realidade”. Nela, a música Hero, de Regina Spektor tem um papel fundamental.

“Eu gosto das coisas sutis, como quando você [Tom] se aproxima das expectativas e todo mundo sorri e acena para você, mas na realidade ninguém faz isso. Ninguém fica olhando para você quando você entra em uma festa, ainda mais quando ninguém te conhece. E a música é ótima”, comenta Deschanel.

Aí Gordon-Levitt dispara: ”‘Eu sou o herói dessa história’ diz a música. É exatamente disso que estamos falando! Todos nós fazemos as histórias de nossas vidas e somos o centro dela. Nós somos os heróis de nossas histórias”.

Veja a cena e entenda:

“Esse filme teria uma recepção diferente se fosse lançado hoje, na era do #MeToo”, conclui Deschanel.