OPINIÃO
04/09/2015 15:46 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:34 -02

Saiba como ajudar os refugiados que tentam chegar à Europa

Rádio ONU

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados no Brasil, Acnur, anunciou que está recebendo doações em reais para apoiar refugiados sírios, através do seu site.

A agência revelou que a iniciativa conta com um endereço específico para a operação na Síria. Além disso, o Acnur em breve vai lançar um site para a ajuda a refugiados de todas as nacionalidades que cruzam o Mar Mediterrâneo.

O porta-voz do Acnur no Brasil, Luiz Fernando Godinho, disse à Rádio ONU que não há valor mínimo para as ofertas. A agência que coordena a resposta internacional a crises de refugiados revela que a Síria é a sua "maior operação humanitária".

Godinho explicou que os recursos doados são usados para assistência essencial aos refugiados, como abrigo, água potável, cuidados médicos entre outros itens.

A ONU calcula que mais de 250 mil pessoas morreram desde o início do conflito sírio, em março de 2011. Mais de 7,6 milhões sofreram deslocamento forçado e cerca de 4 milhões vivem nas nações vizinhas.

No entanto, a Organização Internacional para Migrações, OIM, revelou que é da Síria que saiu a maioria dos mais de 5 mil migrantes e refugiados diários que na última semana atravessaram o Mar Egeu em direção à Grécia.

A agência parceira da ONU disse que o Afeganistão é o segundo ponto de partida da maioria dos grupos, compostos por famílias com crianças que fogem da violência nos seus países de origem.

Milhares de refugiados estão nas ilhas gregas de Kos e Lesvos, onde autoridades locais e organizações da sociedade civil tentam oferecer serviços básicos, como comida e atendimento de saúde. As ações são marcadas pela falta de recursos necessários para abrigar todos os recém-chegados.

O alto comissário das Nações Unidas para Refugiados pediu que a Europa crie novos centros de processamento de pedidos de asilo. António Guterres disse que esses locais vão servir como parte da resposta à crise de refugiados no continente.

O Acnur calcula que 200 mil pessoas precisam imediatamente de abrigo na União Europeia. Guterres apelou aos países da região que "façam mais para ajudar os refugiados".

Para o chefe da agência, os refugiados devem ser admitidos como parte de "um programa de transferência em massa" com "participação obrigatória" de todos os países-membros do bloco.

O alto comissário disse que esta é "principalmente uma crise de refugiados e não apenas um fenômeno de migração".

Guterres cita o exemplo o menino sírio Aylan, de três anos, que morreu esta semana e cuja foto circula no mundo, alertando para os cerca de 2,6 mil mortos na viagem para a Europa este ano. Mais de 300 mil pessoas atravessaram o mar Mediterrâneo desde janeiro.

Refugiados pelo Mundo