OPINIÃO
22/09/2014 18:47 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Dian Hanson, a czarina do fetiche

A regra número 34 da internet estabelece que se uma coisa existe, há uma versão pornográfica da coisa. Sem exceções. Dian Hanson, a mulher que fez as mais bem-sucedidas revistas de fetiche da história antes de se tornar a chefona dos sexy books da editora Taschen, sabia disso muito antes da internet existir. De certa forma, falar sobre sua carreira e a estarrecedora capacidade de entender a sexualidade masculina é narrar a trajetória da pornografia de nosso tempo. É também a história de uma musa cuja influência extrapola o submundo pornô.

dian hanson
Dian Hanson por Helmut Newton

A mente do fetichista é prodigiosa. Pernas e pés, por exemplo, bastante comum, embora eventualmente não apenas pés, mas a curva de dentro do pé, ou o pé dentro de um determinado sapato de salto alto, ou meias de uma determinada cor, ou pés pisando feijões ou aceleradores de um carro, não um automóvel qualquer, mas uma Corvette de pedais brancos, apenas Corvettes de pedais brancos. Dian Hanson conhece profundamente o tortuoso mecanismo mental que leva um homem a sentir-se sexualmente excitado à visão de uma parte do todo, de um objeto ou de uma situação.

Ela despertou para o sexo aos 14 anos lendo o clássico 'Psychopathia Sexualis', de Krafft-Ebing's, na biblioteca do bairro classe-média onde nasceu, no começo dos anos 50, naquela conservadora Seattle, filha de pais religiosos que professavam o veganismo como purificação espiritual. Um desastre na escola, alta e esquisita, alvo de bullying (falavam em gigantismo), não tardou para que embarcasse no movimento hippie e deixasse os estudos rumo a Nova York para trabalhar na revista de sexo Puritan, uma publicação que hoje faria corar a bancada dos moderninhos.

Dian era então uma das mulheres mais interessantes da cidade, dona de um par de pernas (ainda hoje sensacionais) capaz de se inscrever permanentemente no imaginário da cultura pop e pirar a cabeça de machos da contracultura como o pintor doidão Joe Coleman e o cartunista Robert Crumb, com os quais teve longos namoros. Crumb não só a retratou como transformou a moça em uma espécie de arquétipo para seus famosos desenhos de mulherões de pernas imensas e lindos traseiros proeminentes. É conhecida a cena da paixão arrasadora no primeiro encontro, Crumb saindo de um bar montado nas costas de uma muscular Dian Hanson.

dian hanson
Dian por Robert Crumb

Era um avião, em todos os sentidos. Nos 25 anos seguintes editou revistas como Partner, Outlaw Biker, Oui, Adult Cinema Review, Harvey, Hooker, Hawgs, Big Butt e Bust Out. Mas o sucesso veio com Juggs, Tight e Leg Show,revistas então consideradas softcore e dirigidas a um público mais sofisticado, mas com circulações expressivas acima dos 200 mil exemplares. Não exibiam closes ginecológicos nem penetração, enquanto na mesma época pornógrafos como Larry Flynt e Al Goldstein, de Hustler e Screw, queriam escandalizar desafiando as leis americanas. Dian Hanson podia não saber, mas seu projeto menos político e mais dedicado a entender os recônditos da perversão de seus leitores acabaria por indicar os rumos da indústria.

Não quero sugerir que Dian seja uma intuitiva, ao contrário, leu Freud, Wilhelm Stekel e, de tão estudiosa, casou-se com o escritor Geoff Nicholson, com quem hoje vive em Los Angeles, um satirista que abusa do humor negro e escreve romances repletos de personagens obsessivos, tarados em guitarras, Volkswagens, pés, sapatos femininos e sociedades secretas. Aos poucos, já na década de 90, era vista como uma autoridade em erotismo e entrou no radar do milionário editor alemão Benedikt Taschen, dono de editora Taschen, especializada em arte, antropologia, arquitetura, fotografia e sexo.

A essa altura a internet já tinha promovido seus irreversíveis estragos na indústria de filmes e publicações pornográficas. Dian, que viveu na pele a transformação, é peremptória quando toco no assunto. "No começo da internet produtores do pornô fizeram dinheiro com sites pagos, mas por volta de 1997 a guerrilha começou, as fotos das revistas eram digitalizadas e postas de graça nos sites, as circulações começaram a cair e hoje as pessoas não querem mais pagar pela pornografia". Quem está fazendo dinheiro hoje? "Quase ninguém. Private, na Espanha, sobrevive vendendo conteúdo para TV e aplicativos na Europa. Vivid, nos EUA, faz grandes produções em vídeo e versões softcore para quartos de hotéis, mas está caindo, porque todo mundo tem um laptop para assistir ao que quiser".

Em 2001, Dian deixou as revistas e aceitou o convite de Taschen para comandar a divisão de livros eróticos da editora, que responde por apenas 5% do total das vendas mas confere verniz e visibilidade incalculáveis ao ousado publisher que produz, ao mesmo tempo, livros de dez dólares e algumas das edições mais sofisticadas do mercado editorial global. Um dos títulos mais caros da história - que contém muito erotismo e logo se transformou numa espécie de objeto de arte para colecionares - é a esgotada retrospectiva 'SUMO' do fotógrafo Helmut Newton, com exemplares inicialmente vendidos a 15 mil dólares, hoje disputados em leilões.

dian hanson
No lançamento do livro 'The Big Book of Butts'

Ela foi desde sempre uma colecionadora de imagens, bichos empalhados e mimosidades sexy, um verdadeiro depositório vivo de referências adquiridas ao longo de uma vida hedonista dedicada às perversões de seus leitores. Passou a exercer a plenitude de seu talento na Taschen como curadora e construiu uma rede mundial de colaboradores nos leilões do eBay, onde localizou gente que comercializa o que há de mais cool em termos de erotismo. Foi esta memorabilia trazida das catacumbas da internet que forjou alguns de seus maiores sucessos editoriais.

Por muito tempo, o livro da Taschen mais vendido foi '1000 Chairs', sobre design de cadeiras. O mais lucrativo foi o já mencionado 'SUMO', uma edição escandalosamente sofisticada e limitadíssima que pesa 35 quilos. Dos que Dian editou destacam-se 'The Big Penis Book', seguido por 'The Big Book of Breasts', títulos que apresentam fotos em close das partes do corpo. "Acho que as pessoas gostam de cadeiras, fotografia chique e protuberâncias, nessa ordem", brinca quando pergunto sobre seus maiores sucessos. Não toquei no assunto, mas sabe-se que o livro 'America Swings', que assina com outros dois editores, está entre os maiores fracassos de venda da editora.

Ela tem espaço para arriscar, errar e - o melhor dos mundos - um gosto muito parecido com o do chefe. Lançou coletâneas que contam a história das revistas masculinas e da fotografia erótica, fez tributos a ícones da indústria pornô (Vanessa Del Rio, Cicciolina) e abriu espaço a experimentalismos como em 'Days of Cougar', da fotógrafa Liz Earls, que aos 50 e poucos anos saiu pelo mundo registrando as próprias aventuras (algumas públicas) com homens mais jovens. Mas a cristalização de sua ideia de fetiche foi dedicar edições exclusivas às partes em detrimento do todo: bunda, pernas, vulva e peitos. "'The Big Butt Book' vende muito mais em países latinos", observa.

Um outro statement da internet, o qual chamarei aqui de regra Hanson, estabelece que a melhor pornografia online é aquela que mais se aproxima do real. O fato de que todo mundo passou a produzir e compartilhar imagens caseiras de suas relações privadas reformatou os apetites. "O amador é mais popular do que o profissional porque as pessoas preferem um vídeo tosco e espontâneo feito em um motel a uma produção de elenco bonitinho engessada por um roteiro improvável", explica Dian com sua panca de acadêmica.

dian hanson
Com o lendário Ron Jeremy

Talvez por isso tenha decidido, na primeira hora, editar fotógrafos como Terry Richardson e Richard Kern, dois os mais hypados entusiastas da estética amadora. O amador vai se tornar mainstream? "Não acho que vá se tornar 100% mainstream porque não há como encenar a realidade, por mais que tentem os reality shows na TV. Mas essa é a tendência".

Uma vez que a puta, a pornógrafa e a atriz pornô vivem de vender sexo, então qual será a maior diferença entre elas, pergunto, ao que Dian rebate de pronto: "A puta está se dando bem, as outras duas estão dando duro". Pornografia vicia? "Vício é dependência química, como nicotina e álcool, mas o que dá prazer pode se tornar um hábito porque a busca pelo orgasmo é instintiva, motor da perpetuação da espécie. É uma recompensa que todos buscamos, só que alguns de nós somos melhores do que outros no controle desse comportamento."

Quando está em casa na condição de consumidora de pornografia, joga palavras soltas no Google e vê o que retorna, mas quase sempre acaba na parte grátis de um prosaico site de câmeras ao vivo com aquelas mulheres deitadas em seus minúsculos apartamentos na Tailândia, na Rússia ou no Brasil, paredes sujas, ventiladores ligados, um tédio acachapante, caras e bocas à espera de que alguém pague por uma sessão privada. "Gente de todas as idades e raças, pessoas comuns, mexendo nos cabelos, escutando rádio, balançando os peitos ou massageando os pintos, gosto da ideia de que aquilo esteja acontecendo em tempo real e de que qualquer coisa possa acontecer, embora nunca aconteça nada".

Alguns livros eróticos da Taschen