OPINIÃO
10/04/2014 16:36 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:51 -02

A responsabilidade de criar filhos

Getty Images

Todo pai e toda mãe desejam que seus filhos desfrutem de condições de vida melhores do que eles próprios tiveram. É um desejo natural, não apenas pelo amor aos filhos, mas até mesmo por uma questão de orgulho próprio, pela sensação de ter vencido na vida.

Um pai que começou a trabalhar muito cedo e conseguiu se tornar uma pessoa esclarecida tende a considerar que o melhor para o seu filho é se concentrar nos estudos e só chegar ao mercado de trabalho mais tarde, preparado e pronto para assumir funções valorizadas na sociedade.

Há também pais que, tendo vivido uma infância e adolescência difíceis, consideram que os filhos devem trilhar um caminho semelhante para valorizar tudo o que têm e tudo o que conquistarem pelos próprios méritos. Esses pais não dão presentes caros ou mesadas fartas.

É difícil afirmar se uma ou outra mentalidade é a correta, ou se uma criança criada de um jeito ou de outro vai ser mais feliz ou se tornar um profissional mais bem sucedido. Educar filhos é uma equação muito delicada, é preciso ir encontrando a dose certa entre ser exigente e liberal, entre ser duro e condescendente, na medida em que as coisas acontecem e avaliando a própria reação e amadurecimento dos filhos.

O que se tem visto muitas vezes, contudo, são pais e mães que tentam proteger os filhos excessivamente, com a sensação de que talvez possam evitar que eles entrem em contato com as dificuldades e as tristezas da vida. Muitos pais e mães fazem isso por terem sofrido um bocado; outros justamente pela razão inversa: tiveram uma vida tranquila e não gostariam de submeter os filhos a turbulências.

A verdade é que é impossível viver pelos filhos. Fazer descobertas, cometer erros, dar cabeçadas, trilhar caminhos errados, sofrer por amor, ter dificuldade para entrar no mercado de trabalho... Tudo isso faz parte dos desafios da juventude. É assim que se cresce, é assim que nos tornamos adultos.

Não tenho dúvidas de que o futuro profissional de uma criança depende em grande parte dos ensinamentos e dos exemplos recebidos em casa.

Pais que criam filhos dando atenção e interagindo na linguagem deles, nunca terão adolescentes complicados. Estarão formando cidadãos do futuro!