Opinião

Homens, vocês não são donos de mulheres e filhos

É preciso criar meninos que se tornem homens que saibam que esposas e filhos não são seus objetos, que eles não são donos dos seus corpos e de sua vida. É urgente que eles saibam, desde cedo, que podem expressar seus sentimentos de outras formas, que é permitido chorar, que pedir ajuda é essencial e que precisam aprender a lidar com os "nãos" da vida. Precisamos criar meninos que saibam perder e errar sem precisar agir com brutalidade. Precisamos desconstruir essa criação de meninos que se baseia em banalizar o bater, o lutar, as agressões. Brutalidade não é "coisa de menino". É coisa de agressor. Que aprendam os meninos de hoje para que não se tornem os futuros agressores e assassinos.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.
sad and lonely boy turn back and looking something
sad and lonely boy turn back and looking something

Todas essas notícias têm algo em comum: esses homens decidiram quem viveria, quem morreria e quem sofreria ou não por conta das mortes. Os três agiram como se fossem deuses soberanos que decidem sobre a vida alheia, sobretudo de suas mulheres e filhos. Homens sufocam, jogam do prédio, esfaqueiam e atiram em seus filhos e suas mulheres porque sentem-se donos deles. Mães e filhos são tratados como meros objetos comprados e mantidos financeiramente por eles e acham que podem, a qualquer momento, descartar as pecinhas do seu jogo.

Analisando as notícias, o homem é posto num local seguro que o torna vítima: "desempregado entra em desespero" e "ele teve um surto" são exemplos categóricos da naturalização de crimes contra mulheres e seus filhos. Homens que cometem crimes para punir mulheres são descriminalizados pela sociedade por conta do seu "desespero", da sua "loucura" e das suas "paixões". Por outro lado, a mulher - vítima - aparece no papel de vilã: "infiel", "rompeu o relacionamento", "brigava com ele".

Homens que cometem essas barbaridades não são dignos, bons pais de família, deprimidos ou preocupados com o futuro da família. Eles são apenas assassinos misóginos, objetificadores e machistas cuja dignidade é tão frágil quanto a vida. É importante entender que romantizar esses crimes é validar o machismo legitimar a violência contra mulheres.

É preciso criar meninos que se tornem homens que saibam que esposas e filhos não são seus objetos, que eles não são donos dos seus corpos e de sua vida. É urgente que eles saibam, desde cedo, que podem expressar seus sentimentos de outras formas, que é permitido chorar, que pedir ajuda é essencial e que precisam aprender a lidar com os "nãos" da vida.

Precisamos criar meninos que saibam perder e errar sem precisar agir com brutalidade. Precisamos desconstruir essa criação de meninos que se baseia em banalizar o bater, o lutar, as agressões. Brutalidade não é "coisa de menino". É coisa de agressor. Que aprendam os meninos de hoje para que não se tornem os futuros agressores e assassinos.

ATUALIZAÇÃO:

*A chacina em Campinas (SP), que chocou o País na madrugada de sábado (31), deixou 12 pessoas mortas, além do autor. Este é mais um caso como os citados no início do texto. A maioria das vítimas era mulher e, duas cartas reveladas pelo Estadão, mostram que Sidnei Ramis de Araújo tinha ódio de mulheres, a quem xingava de "vadias". Além da ex-mulher Isamara Filier e do filho, de 8 anos, Araújo matou amigas e parentes de Filier na noite de sábado (31). Leia mais aqui.

Também no HuffPost Brasil: