OPINIÃO
04/06/2014 09:13 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Na França, trocas

Tive uma oportunidade de aprofundamento de discussão das nossas relações com a França nas questões da cultura no espaço público. A Ministra da Cultura da França, Aurélie Filipetti, trouxe o compromisso de ampliar o diálogo de modo eficaz e democrático.

Arquivo pessoal

A experiência de visitar Paris para uma série de encontros e debates no campo da cultura sempre traz oportunidades de muitas reflexões. Saindo fora das tentações de comparações fáceis de serem propostas mas nem sempre oportunas e adequadas, pode-se, sim, aproveitar a incrível oferta cultural da cidade e retirar um excelente proveito dos intercâmbios e mútuas cooperações nas diversas reuniões com os grupos e as pessoas encontradas. Ver Van Gogh e Artaud no Musée D'Orsay: momento de loucura sublime numa luz e num ambiente realmente especialíssimos. Estar naquele museu apinhado de gente numa terça chuvosa e mal humorada, sentindo como a cultura penetra na vida das pessoas, turistas ou não, é uma experiência inesquecível.

Passar com calma reverente a retrospectiva de Lucio Fontana no Musée D'Art Moderne de La Ville de Paris significa penetrar num mundo mágico deste artista múltiplo e irreverente. A generosidade do espaço oferecido revela a grandeza do artista. Mergulhar no universo musical da Great Black Music na Cité de la Musique, vendo e ouvindo os grandes nomes da expressão da música de origem africana em todo mundo, fortalece uma enorme admiração pelo DNA da Mama Africa em toda música popular ocidental. Forte presença brasileira lá, com nosso samba e derivados, além, é claro, dos nomes de nossa constelação gloriosa.

Mas, ao lado deste deleite insuperável para os olhos e para o espírito, tive também uma oportunidade de aprofundamento de discussão das nossas relações com a França nas questões da cultura no espaço público. Amplo debate com vários artistas, produtores e gestores incluindo a Ministra da Cultura da França, Aurélie Filipetti, que trouxe o compromisso de ampliar o diálogo de modo eficaz e democrático. Receber este convite para estas experiências foi para mim motivo de grande prazer e responsabilidade. Primeiro, porque reforça minhas convicções nas ações de mudança e transformação baseadas na cultura. Em segundo lugar, faz uma clara reafirmação dos princípios basilares da democracia francesa que iluminam todas as democracias do mundo. Igualdade e liberdade para todos... mas fundamentados na solidariedade.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para ver as atualizações mais rápido ainda, clique aqui.