OPINIÃO
14/10/2014 11:03 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:04 -02

Política e paixão: um erro cruel

Getty Images

Nunca uma eleição representou tão claramente o que é a sociedade. E não estou falando, apenas, dos eleitos. Tô falando da chuva de baixaria e falta de argumentos dos depoimentos dos últimos dias. Como esperar bom senso nos debates dos nossos candidatos quando nós mesmos somos incapazes de produzir comentários sem destilar ódio e rotular tudo o que é diferente de nós? Diante de tanta complexidade que é a política - a vida afinal -, não é possível que acreditemos que só há o branco e o preto, o bom e o mal. Tirem seus tapa-olhos de cavalos e parem de agir como crianças mimadas! Está na hora de termos menos discursos inflamados e mais discussões racionais sobre projetos e ideias para o país.

Não dá pra falar de política com tanta paixão. Faz mal pra mim, pra você e pro Brasil que, no fim das contas, é o que deveria interessar a todos. A paixão cega e, quando estamos cegos, é como se deixássemos de escutar também. É tão óbvio. Pedimos tolerância, mas não suportamos o diferente. Estamos todos gritando e ninguém escuta ninguém. Voto não é contagioso! Escutar os argumentos da oposição só vai te fazer ter um repertório maior para tomar suas próprias decisões. Política não é guerra santa. Pare de condenar à morte quem não vota como você. Parecemos todos mais preocupados em apontar o dedo do que encontrar soluções para a nação! Mas quem aponta um dedo para o outro, tem outros quatros apontados para si.

A democracia é isso aí. Será que esquecemos? Enquanto não agirmos com maturidade em relação à política, enquanto acharmos que tudo se resume a "petralhas" e "coxinhas", podem vir milhões de eleições que as coisas vão continuar iguais. Mudam-se os partidos, mas os discursos são os mesmos. E quem perde nessa guerra bang-bang de orgulho somos todos nós, brasileiros.

Não gostou de quem foi eleito? Eu também não. Mas, pelo bem de todos nós, torço para que faça um bom mandato. Porque os nossos partidos e convicções não devem ser maiores do que o desejo de ver um país melhor.

Este é mais um desabafo de alguém numa rede social. De alguém que não tem vergonha em dizer que ainda está construindo suas convicções e gosta de absorver realidades diferentes para poder entender o próprio lugar no mundo. Meu voto não foi em vão. Não importa quem ganhou.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.


Para saber mais rápido ainda, clique aqui.


VEJA TAMBÉM NO BRASIL POST:

Viradas históricas das eleições desde a redemocratização