OPINIÃO
21/01/2015 12:33 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:22 -02

O livro que mudou a minha vida foi...

Não existe algo mais extraordinário do que alguém que saiba exprimir ideias de uma forma tão majestosa que emociona. E é exatamente por isso, pela leitura ser algo tão íntimo, que quando conheço alguém pela primeira vez, não consigo deixar de perguntar qual o seu livro favorito. E a cada novo título, a lista aumenta. Afinal, mais prazeroso do que ler é poder entrar no mundo de outra pessoa e entendê-la melhor. Perguntei a diversos jornalistas qual é o tal livro que os faz estremecer. Eis as respostas.

Raul Lieberwirth/Creative Commons

Sinceramente não acredito que exista nada nesse mundo que me dê maior prazer do que ler. E acredito fielmente que um livro pode, de todas as formas que se é possível, mudar uma vida. Já dizia Fernando Pessoa, em um dos livros que sem sombra de dúvida mais me comove e encanta, "O Livro do Desassossego", que não há nada melhor do que se perder na leitura. "As palavras são para mim corpos tocáveis, sereias visíveis, sensualidades incorporadas (...) Estremeço se dizem bem". E eu estremeço a cada linha que ele escreve. "Gosto da delícia da perda de mim, em que o gozo da entrega se sofre inteiramente".

E realmente, não existe algo mais extraordinário do que alguém que saiba exprimir ideias de uma forma tão majestosa que emociona. E é exatamente por isso, pela leitura ser algo tão íntimo, que quando conheço alguém pela primeira vez, não consigo deixar de perguntar qual o seu livro favorito. E a cada novo título, a lista aumenta. Afinal, mais prazeroso do que ler é poder entrar no mundo de outra pessoa e entendê-la melhor. Perguntei a diversos jornalistas qual é o tal livro que os faz estremecer. Eis as respostas abaixo:

Marília Scalzo

Jornalista e consultora editorial

"Não posso falar apenas em um livro que tenha mudado a minha vida. Diria que os livros em geral foram uma das maiores influências que tive. Nasci e cresci em uma casa cheia de livros. Meu pai era jornalista e professor de literatura, amava os livros e me transmitiu esse amor (além de me dar muitas dicas e traçar um caminho para minhas leituras, quando comecei a me aproximar de sua biblioteca). Os livros me mostraram muitos mundos e também, entre eles, o mundo da escrita que sempre me encantou. Cito alguns, como: 'A Cidade e as Serras', de Eça de Queiroz; 'Grande Sertão: Veredas' de Guimarães Rosa; 'Conversas no Catedral', de Mario Vargas Llosa; 'Memorial do Convento' de José Saramago; e 'Educação Sentimental', de Gustave Flaubert. São apenas cinco exemplos - dentre diversos outros - que me ensinaram muitas coisas e me inspiram até hoje."

Sérgio Xavier

Diretor de redação da revista Playboy

"Não me lembro quando li 'No Ar Rarefeito' de Jon Krakauer. Só sei que gostei muito. Sempre apreciei as aventuras humanas. Mas em 2009 me lembrei desse livro. Eu tinha uma história incrível nas mãos e queria transformá-la em livro na época. No meu caso, eram corredores amadores de rua com histórias que se cruzavam. Tinha drama, superação, suspense, tinha tudo. Percebi que o enredo poderia atrair não só maratonistas e gente apaixonada por esporte. Mas como atrair leitores variados se o tema central era tão específico? Aí me lembrei do Krakauer. Ele vendeu um livro sobre alpinismo em um país tropical como o Brasil. Como? Enquanto escrevia o meu 'Operação Portuga' eu relia 'No Ar Rarefeito'. E nessa segunda leitura descobri o truque. Antes de contar a subida trágica no Everest ele esculpiu cada personagem. Primeiro fez o leitor se conectar com os montanhistas, se afeiçoar. Depois narrou. Pronto. Copiei a fórmula. E escrevi o livro da minha vida, que está na sua quinta edição. Mas o livro que mudou o jogo foi o de Krakauer. Ali entendi que mesmo as grandes aventuras humanas também precisam de técnica narrativa."

Leo Laps

Jornalista, fotógrafo e músico

"Sempre respondo essa pergunta com um livro que li aos 13 ou 14 anos: 'On the Road', do americano Jack Kerouac. Lembro até hoje da mágica que sentia ao ler pela primeira vez as aventuras vividas pelo autor e sua turma de poetas e rebeldes, das noites loucas em shows de jazz e das viagens pelos Estados Unidos e México, e de sonhar em fazer o mesmo (um desejo que de vez em quando me volta, mais de 20 anos depois, mesmo após já ter feito algumas viagens parecidas - um tanto mais seguras e planejadas). 'On the Road' definitivamente contribuiu para me tornar o que sou hoje, despertando minha paixão pela arte, pela aventura, pela experiência e, de certa forma, me encaminhando para o Jornalismo e para a Música."

Rafael Waltrick

Jornalista e editor assistente da Gazeta do Povo

"Um dos livros que definitivamente me mudou como pessoa foi 'Memórias, Sonhos, Reflexões', de Carl G. Jung. Os relatos autobiográficos de Jung, um dos grandes psiquiatras e pensadores da nossa história recente, e amigo íntimo de Freud (pelo menos por alguns anos), exigem atenção e entrega do leitor - este, sem dúvida, não é um livro pra saborear no ônibus. Mas logo aprendi que esta é uma daquelas obras para reler de tempos em tempos, a fim de encontrar a si mesmo nas páginas e trazer para a vida prática os ensinamentos prodigiosos de Jung. Foi sua trajetória - e principalmente esta obra - que me mostrou o potencial enorme que temos como seres humanos, mesmo que em boa parte da vida estejamos à mercê de sentimentos e propensões que não controlamos de forma consciente."

Tatiana Schibuola

Diretora de redação da revista Capricho

"Os livros que mais transformaram a minha vida foram os que li na infância. Na idade adulta, claro, li livros muito bons. Mas é quando somos crianças que os livros são mais poderosos, porque podem transformar nossa visão de mundo. Eu tinha uma fixação especial por 'Corda Bamba', da autora infanto-juvenil Lygia Bojunga Nunes. A história de uma garota, filha de artistas circenses, neta de uma ricaça, reúne fantasia, crítica social, a dor de crescer e perceber o mundo ao nosso redor, e as possibilidades que a vida nos apresenta. Aprendi com ele que histórias encantadoras podem ser despretensiosas e ter texto simples."

Pedro Só

Diretor de redação da revista Billboard Brasil

"O livro que mudou a minha vida é 'Histórias de Cronópios e Famas', de Julio Cortázar. Li quando estava na faculdade e, além de me divertir imensamente, virou obsessão e referência não só de escrever bem, mas de pensar e criar com originalidade. Em textos curtos e de concisão poética, ele demonstra sua maneira única de ver e compreender o mundo. Claro que o jornalismo não dá muito espaço para arroubos cortazarianos (ainda mais dessa vertente), mas ficaram um certo espírito e o desejo de originalidade, mesmo no cotidiano massacrante da profissão."

Bruno Garattoni

Editor da revista Superinteressante

"O livro que mudou minha vida foi 'Assim falava Zaratustra', do Nietzsche. Por dois motivos. Primeiro, me fez perceber que eu não estava sozinho no mundo. Outra pessoa já tinha pensado coisas parecidas com tudo aquilo que eu, aos 18 anos, estava sentindo. Segundo, o livro descreve a existência com uma clareza incrível, por meio de conceitos filosóficos que transformaram minha compreensão da vida. E nos quais penso quase todos os dias, até hoje."

Daniela Falcão

Diretora de redação da revista Vogue Brasil

"Tem dois livros que mudaram minha vida, em momentos diferentes, e não saberia eleger um. O primeiro foi 'Coiote', de Roberto Freire. Eu tinha uns 15 anos e foi a primeira vez em que li um livro que me fez ter vontade de ser outra pessoa, de viver aquela vida, de entrar na história. Marquei várias passagens inteiras, e também foi a primeira vez que fiz isso. Bem mais tarde, outro livro que provocou reação tão intensa, mas completamente diferente foi 'A Trilogia de Nova York', de Paul Auster. Neste caso, foi uma paixão mais pela forma que pelo conteúdo. A maneira como Auster envolve o leitor em sua trama meio nonsense, o ritmo de sua prosa, o estilo... Enfim, foi a primeira vez que me apaixonei não por um personagem, mas pela maneira pela qual a história era contada. Desde então, li todos os livros dele e, volta e meia, releio os meus prediletos."

Mariliz Pereira Jorge

Colunista da Folha de S. Paulo

"O livro que mudou a minha vida foi 'Um Dia', de David Nicholls. Está longe de ser um clássico e ganhou até versão cinematográfica no circuito comercial, mas foi um livro que me fez pensar em muitas das interrogações que eu tinha, nos caminhos que tinha escolhido e porque algumas coisas simplesmente não estavam ainda do jeito que eu havia planejado. A história dos personagens se confundiram com a minha própria e eu me vi neles em várias situações. Tanto na vida amorosa quanto na profissional eu estava vivendo uma vida diferente da que eu gostaria simplesmente porque estava ocupada vivendo uma vida qualquer. Aqui, um trecho do livro, que eu guardo sempre comigo: "Acho que você tem medo de ser feliz. Parece que pensa que o caminho natural das coisas na sua vida é ser triste, sombria e macambúzia, odiar seu emprego, odiar o lugar onde mora e não ter sucesso nem dinheiro. E Deus a livre de um namorado. Na verdade vou mais longe: acho que você gosta de se sentir frustrada e ter menos do que queria ter, porque isso é mais fácil, não é? O fracasso e a infelicidade são mais fáceis, porque você pode fazer piada com isso."

Marta Brod

Jornalista e Professora

"É tão difícil falar de apenas um livro. Lembro que o que me convidou a ser uma apaixonada por literatura foram os livros de Sidnei Sheldon. Depois de ter devorado o primeiro, não parei mais. Mas, alguns livros foram especiais justamente por fazerem parte de momentos únicos da minha vida. É o caso do 'Pequeno Príncipe', de Antoine de Saint-Exupéry, que me fez enxergar a vida através da inocência de uma criança. Outro livro que está na minha cabeceira é 'A Sangue Frio', de Truman Capote. Essa história envolvente faz com que eu me apaixone todos os dias pela profissão que eu escolhi. 'A revolução dos Bichos' de George Orwell e os quadrinhos do 'V de Vingança', de David Llyod e Alan Moore são minhas inspirações e me mostram que a luta pelos seus ideias e uma sociedade igual não deve acabar jamais."

Denis Russo Burgierman

Diretor de redação da revista Superinteressante

"O livro que mudou a minha vida foi 'Making Things Work', de Yaneer Bar-Yam. Neste livro, que detalha a lógica dos sistemas complexos, eu descobri que esse é o tema que me fascinou a vida inteira. Há anos escrevo sobre cérebros, evolução, cidades, trânsito, sustentabilidade, modelos de produção, políticas de drogas e outros assuntos aparentemente desconectados uns dos outros. Ao ler o livro do Bar-Yam, me dei conta de que há algo em comum entre temas tão díspares: todos eles são sistemas complexos. Mas claro que muitos outros livros mudaram minha vida - as obras completas de Fernando Pessoa, 'Grande Sertão: Veredas', a fantástica 'HQ Asterios Polyp', 'Cradle to Cradle', 'Morte e Vida das Grandes Cidades', 'Botânica do Desejo', para citar alguns. O livro do Bar-Yam é bem mais chato que esses todos. Mas provavelmente é o que terá o maior impacto na minha vida, porque me revelou o que quero fazer daqui para frente."

Siga a gente no Twitter

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

VEJA TAMBÉM: