OPINIÃO
26/12/2014 16:09 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:36 -02

As grandes mulheres de 2014

A revista Glamour US todo ano dedica uma de suas edições para eleger a mulher que mais se destacou naquele ano e que chamou (e vem chamando) a atenção dos holofotes por causas nobres. Neste ano a bela Lupita Nyong'o foi a grande eleita, estampando a capa da edição de Dezembro (linda por sinal, não acham?). Mas o que me surpreendeu mesmo foi o recheio, que também estava igualmente poderoso com a presença de outras nove mulheres incríveis, com histórias dignas de qualquer capa de revista. Li todas elas e resolvi eleger três que, para mim, são as mulheres do ano.

Reprodução/Glamour

A revista Glamour US todo ano dedica uma de suas edições para eleger a "Women of the Year", ou seja, a mulher que mais se destacou naquele ano e que chamou (e vem chamando) a atenção dos holofotes por causas nobres. Eu que sou fã incondicional da revista espero todos os anos para ler a tão famosa edição (já fazendo mil e uma apostas). Neste ano a bela Lupita Nyong'o foi a grande eleita, estampando a capa da edição de Dezembro (linda por sinal, não acham?). Mas o que me surpreendeu mesmo foi o recheio, que também estava igualmente poderoso com a presença de outras nove mulheres incríveis, com histórias dignas de qualquer capa de revista. Li todas elas e resolvi eleger três que, para mim, são as mulheres do ano.

Olhem só que histórias inspiradoras:

Lupita Nyong'o: O talento incontestável, a beleza, simpatia e simplicidade de Lupita já são conhecidos por todos, já que foi graças a esses atributos que a moça aí de cima ganhou os holofotes mundiais em 2014. Desde março, quando ganhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pela atuação no filme "12 anos de Escravidão", sua carreira deslanchou de um jeito tal que atraiu olhares de todos os cantos do globo. Prova disso são as diversas vitórias que a beleza negra e o poder feminino vêm ganhando. Em entrevista para a Glamour ela contou como o racismo afetou sua trajetória. Separei um trecho marcante: "Eu me lembro de ver um comercial no qual uma mulher vai para uma entrevista de emprego e não consegue a vaga. Aí ela coloca um creme que ilumina a pele e consegue o emprego. Essa é a mensagem: pele escura não é aceita". Mas sabe do que mais? Hoje Lupita é considerada a mulher mais bonita do mundo pela revista People e é embaixadora da Lâncome Paris (além de estampar centenas de capas de publicações ao redor do mundo). Acha pouco?

Robin Roberts: Robin, de 53 anos, é conhecida mundialmente por ser âncora de um programa de televisão americano, o "Good Morning America", exibido pela rede ABC desde 2005. Mas seu mandato a transformou em algo muito maior do que ela poderia imaginar. Após ter vencido o câncer de mama em 2007, a apresentadora descobriu em 2012 ser portadora de uma doença raríssima, chamada síndrome mielodisplásica, que afeta a produção de sangue. Neste ano Robin passou por um transplante de medula óssea e compartilhou seus momentos difíceis com o mundo - tornando-se uma figura inspiradora para muitas pessoas que sofrem de doenças parecidas. E tem mais! Além disso, todo esse contato com o público a encorajou a sair do armário. Em agradecimento no Facebook, ela falou pela primeira vez na namorada Amber, com quem mantém um relacionamento há mais de 10 anos. Li um trecho de entrevista em que ela diz: "Se você está deprimido, você está vivendo no passado. Se você está ansioso, você está vivendo no futuro. Se você está em paz, você está vivendo no presente". E ela garante que a paz anda reinando absoluta em sua vida, viu?

Samantha Power: A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Samantha Power, já foi descrita como "uma das maiores pensadoras sobre política externa no mundo", segundo o Presidente Barack Obama. E a americana enfrenta diariamente um trabalho árduo, principalmente por estar envolvida em um momento da história em que o mundo está explodindo em crises: a invasão da Rússia na Ucrânia, o sequestro de estudantes nigerianos, o conflito israelo-palestiniano, a guerra civil da Síria, a proliferação do grupo extremista ISIS, o surto de Ebola e por aí vai. Segundo o colunista do The New York Times, Nicholas Kristof, "Samantha sabe que o que está em jogo é a vida de pessoas nas partes mais remotas desse mundo. Ela realmente ama o que faz". Em 2014 ela foi eleita pela revista Forbes como uma das mulheres mais poderosas - e além disso Samantha é autora de diversos livros aclamados, incluindo o título "A Problem from Hell: America and the Age of Genocide", ganhador de um prêmio Pulitzer. Quer mais?

Mônica Salgado: Você deve estar se perguntando: "mas não eram apenas três?" Pois é. Assim que finalizei o texto me dei conta de que eu deveria eleger a minha "Women of the Year". E não precisei nem pensar duas vezes antes de escrever o nome da Mônica aqui. Para quem não sabe, ela é editora-chefe da Glamour Brasil e desde a primeira edição da revista em solos brasileiros vem desenvolvendo um trabalho de tanta maestria que não poderia deixar passar em branco. Prova disso é que hoje a Glamour é a revista feminina que mais vende em banca no Brasil. Além de sempre inovar em ações especiais nas redes sociais, que andam movimentando o mercado fashion. Certa vez lembro de entrevistá-la para o meu blog pessoal e perguntar sobre o diferencial da revista. Ela me respondeu o seguinte: "Se todas as capas têm carão, a gente sorri. Se todas as modelos têm cara de boneca de cera, a gente quer que elas sejam de verdade. O diferente me interessa. Mais do mesmo é chato, entediante." E essa resposta meio que se tornou um lema para mim, de sempre perseguir o impossível e não ter medo de pensar diferente. E é por isso que, como as três mulheres aí de cima (e outras tantas pelo mundo), quero homenageá-la com este título.

Afinal, o ano é delas, é nosso - é de todas as mulheres desse mundo.