OPINIÃO
05/03/2014 12:14 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:12 -02

4 filmes argentinos SEM Ricardo Darín

Às vezes eu sinto que sou a única que não achou grande coisa o filme argentino Medianeras. O filme me pareceu divertido, com uma boa edição, boa construção de personagens e gostei que mostra uma Buenos Aires bem menos turística. Mas ainda não consigo lidar com aquele final. O diretor conseguiu costurar tão bem as histórias paralelas dos personagens para depois ficar com preguiça e fazer um final feliz bobo -- com direito ao protagonista aparecer vestido de Wally. Eu não entendo a fascinação com esse filme. E sinto que aborreço as pessoas quando vou contra essa maré.

Mas alguma coisa Medianeras tem, porque conseguiu ter três textos falando dele neste Trilhos Urbanos. Aliás, foi o texto do Frederico Franz que me motivou a escrever este post. Concordo com a maioria dos pontos do Fred, como neste aqui: "Medianeras consegue a árdua missão, especialmente para uma comédia romântica, de pertencer a esse gênero sem ser óbvio, de ter bom gosto sem ser pedante e de ser delicado sem ser meloso."

Mas acho que estou mais perto da visão do João Varella, que escreveu: "Acho que Medianeiras ganharia muito se simplesmente os dois não ficassem juntos no final. São dois personagens incompletos, cuja distância física é mínima. Porém, o fluxo intenso da cidade os priva de se conhecer e ter uma relação maravilhosa que o filme empurra por meio da edição e de efeitos o tempo todo. Isso estaria de acordo com a tese do filme. Mas não, uma maldita cena final faz os protagonistas se encontrarem de maneira para lá de forçada. Não sou contra surpresas mágicas em um filme. Ficar avançando um roteiro só por silogismos e lógica é coisa de robô. Agora, o filme ia durar mais na memória com um final mais aberto, sem o "e então viveram felizes para sempre"."

Mas enfim, falei mais do que queria do filme. Era só meu gancho para trazer filmes argentinos sem o Ricardo Darín no elenco. Não vamos desmerecê-lo. Darín é um ator excelente que a cada filme nos mostra por que ele chegou onde chegou. Mas existe cinema além dele. Listei aqui quatro filmes argentinos incríveis sem o moço dos olhos azuis.

Bombon: El Perro

reprodução

Simples, verdadeiro e profundo. Quis cortar meus pulsos quando assisti ao filme -- mas veria de novo várias vezes.

Histórias Mínimas

É do mesmo diretor que o Bombon: El Perro. Apresenta três histórias de personagens que saem em diferentes jornadas na Patagonia argentina. Emociona com maestria.

Elsa & Fred

Uma história de amor na terceira idade que conta com a talentosa uruguaia China Zorrilla.

El hombre al lado

Foi filmado na Casa Curutchet, única residência de Le Corbusier em América Latina. Arquitetos do mundo todo peregrinam até a cidade de La Plata para conhecer a casa, que normalmente está vazia. Então só por isso o filme já vale a pena. Mas a trama também é ótima -- e conforme avança vai chegando num absurdo engraçado.

(Texto publicado originalmente no Trilhos Urbanos)