OPINIÃO
30/03/2015 15:21 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Alergia alimentar: um problema de todos

Alimento é o assunto em voga dos nossos tempos e como reflexo (da má alimentação) cresce o numero de crianças alérgicas no Brasil. Segundo a ASBAI, Associação Brasileira de Alergias, 30% da população hoje é alérgica, sendo 20% dessa amostra crianças. As alergias acometem de 6% a 8% das crianças com menos de três anos de idade.

slightly everything/Flickr

Alimento é o assunto em voga dos nossos tempos e como reflexo (da má alimentação) cresce o numero de crianças alérgicas no Brasil. Segundo a ASBAI, Associação Brasileira de Alergias, 30% da população hoje é alérgica, sendo 20% dessa amostra crianças. As alergias acometem de 6% a 8% das crianças com menos de três anos de idade. Estas que podem ser não só por alimentos como por poluição, pó, pelos de animais, mofo... enfim, alergia pode vir de inúmeras coisas. Mas o fato é que temos uma população alérgica crescendo e é pra uma vida inteira. "Alergia é doença e pode matar", afirma a nutricionista Dra Adriana Kachani. O assunto é serio. Já deu pra perceber. E não poderia ser mais propício para o momento.

Alimentação, em todos os âmbitos, têm sido discutida e falada cada vez mais. Seja pela abordagem da educação a mesa, o que se põe a mesa, as quantidades e qualidades do que se come e quem come. Na Oca, no Ibirapuera, a exposição Alimentário nos conta a trajetória das nossas comidas, do que chega nas nossas mesas, a origem dos nomes e as sensações. A prefeitura acaba de sancionar a obrigatoriedade de alimentos orgânicos na mesa das crianças, garantindo mais saúde e menos industrializados e agrotóxicos.

Crianças são foco na discussão - óbvio. Porque espelham o que será (e como será) a saúde e a economia alimentar num futuro bem próximo. A forma de se alimentar precisa mudar. Porque é alarmante o numero de crianças alérgicas nos tempos atuais e isso não é nada bom! Sem falar na produção excessiva de comida no planeta que muitas vezes acaba no lixo. Mas na alergia, a predisposição genética define muito se uma criança será alérgica ou não, mas digamos que 40% é determinada pela qualidade dos alimentos que ela ingere. Ou seja, uma alimentação saudável garante uma criança saudável.

A resposta não precisa nem vir de médicos (apesar deles confirmarem o que estou falando) porque na prática um caso foi publicado recentemente no site Hypeness. Maya, de 9 anos, tinha uma doença crônica de pele chamada eczema e foi com a mudança radical na alimentação da menina que a mãe, a polonesa Ullenka Kaczmarek, conseguiu garantir a filha uma vida saudável e sem doenças de pele. Hoje, não só ela como toda a família, se alimentam basicamente de frutas e vegetais crus. O caso da Maya pode parecer extremo e raro, mas não é. Muitas e muitas crianças são alérgicas.

"O número aumentou e muito deve-se ao fato de estarmos muito mais expostos a metais pesados, ingerirmos um volume grande de corantes e acidulantes, além do excesso de proteínas que consumimos", explica a Dra Vanderli Marchiori, nutricionista e vice presidente da Associação Paulista de Fitoterápicos. Alerta vermelho aqui: o maior consumo de industrializados têm sim contribuído para um crescimento absurdo de criança alérgicas no país (isso que nem vou falar da obesidade infantil que chega a 40%).

Por tanto, o cuidado com o que se põe a mesa hoje em dia deve ser tão essencial quanto o ar que se respira. Importante não só as mães como pais e todos familiares saberem o que a criança tem para poder alimentá-la da melhor forma possível. Não adianta só a mãe se preocupar e fazer das tripas coração se a avó dá um biscoito ou um leitinho escondido só porque "ela queria". Criança não quer.

Somos nós adultos que definimos o que é melhor pra ela. E é só cuidando para que ela tenha uma alimentação saudável e livre de proteínas alergênicas ou excessos de açucares que temos como garantir um desenvolvimento forte e sadio. E não sou eu jornalista que está falando (rs). A Dra Vanderli endossa dizendo que "quem tem filho alérgico precisa ter vida saudável e ir pra cozinha em casa preparar o alimento do seu filho", aconselha. É só obedecer a natureza.