Opinião

Comunidades de mulheres: Ambientes férteis para o crescimento conjunto

Só em uma comunidade de mulheres é que você entende se consegue mesmo ter a tal sororidade. É ali que você precisa discordar com argumentos e sem agressividade. É ali que você nota que não quer machucar aquela outra pessoa só porque vocês pensam diferente. Só um ambiente tão acolhedor pode tirar de nós o melhor que há. E quando aprendemos a ser generosas com as outras passamos a pensar se não poderíamos ser mais generosas com nós mesmas. E nós podemos.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

A primeira vez que ouvi falar de comunidades de mulheres foi no Facebook. Mentira, já conhecia algumas que eram fóruns por e-mail, mas nunca consegui lidar muito bem e me perdia nos papos. O Facebook colocou tudo em uma única página, com uma navegabilidade simples e a possibilidade de se conectar com a outra. Mas nem tudo o que pode ser, é. Com o tempo, as comunidades passavam por brigas, mudanças, julgamento ou silêncio - um like já era suficiente para que a outra soubesse que eu sinto sua dor, então não preciso falar sobre isso. Além da chuva de prints: falou algo que alguém não gostou, um print vazava magicamente para o mundo exterior. O Facebook é um mundo sem regras e com muitas distrações.

Mesmo com essa experiência dúbia, a necessidade de criar laços com outras mulheres não desapareceu. Segui usando meu perfil da rede social para fazer isso. E deu certo. Mas a exposição era grande e decidir até que ponto se abrir acaba sempre sendo a escolha pelo menos. A sensação de que não era ali o espaço para isso só crescia.

No fim do ano passado minha família foi passar o Natal e Ano Novo na minha casa. Como para grande parte das pessoas, tanto tempo junto não é fácil. Não por falta de amor, mas por falta de prática. Conviver é sobre prática e a gente não tem isso há alguns vários anos.

No meio da coisa toda o clima ficou estranho. Cada um queria a sua independência sem magoar o outro. Cada um queria ver uma coisa na TV mas não queria se fechar no quarto. Cada um queria um pouco do outro, mas não queria tanto. E então eles resolveram antecipar a viagem de volta. Foi um alívio para todo mundo, de adultos à crianças, passando pelo cachorros.

Quando tudo isso acabou eu precisava conversar sobre essas relações familiares. Minhas melhores amigas conhecem minha vida e eu conheço as delas. Tinha que ser um grupo de pessoas que não soubessem tanto sobre mim e eu não soubesse sobre elas. Foi assim que escrevi meu primeiro relato na Comum.

A Comum, nessa época, era um fórum exclusivo para mulheres. Um espaço em que a gente conseguia ajudar uma à outra em todo tipo de assunto: de dicas para congelar alimentos sem estragar, passando por relacionamentos abusivos, dúvidas sobre carreira até chegar a discussões sobre a indústria alimentícia ou homens que só transam com o pênis.

Foi lá que mulheres que nunca tinham me visto me acolheram e me ajudaram a entender que nem sempre estar junto é a melhor saída. Falamos sobre espaço, sobre toda a bagagem que as relações familiares carregam e trocamos segredos, histórias íntimas, percepções sobre as relações e dicas práticas de como lidar com tudo isso. Me senti abraçada. Me senti vista. E quem não quer ser vista?

No começo desse mês a Comum entrou em uma nova fase: um site. Conteúdo produzido totalmente por mulheres, tentando ter apenas mulheres como referência, e focando no que mulheres querem saber. Isso vai de conserto do carro a como instalar um chuveiro, passa por hortas urbanas e como cuidar do dinheiro, e chega a relatos que nos unem e mostram que todas nós passamos por certas coisas iguais. Tem texto, tem vídeo e tem encontros.

Tudo o que a gente constrói online é levado para a vida. O primeiro encontro foi sobre contracepção natural, tópico que bombava no fórum porque muitas mulheres cansaram de se encher de bombas hormonais - e as que precisavam do medicamento por indicação médica ou escolha foram totalmente respeitadas -, o próximo é sobre beleza natural, afinal não adianta se alimentar bem e passar cosméticos cheios de substância tóxicas das quais sua pele vai se alimentar também.

E tem os vídeos. Mulheres incríveis falando sobre coisas que a gente quer aprender e que elas manjam. A gente é tão acostumada a buscar homens para se inspirar ou comprovar ideias, né? E aí vamos mantendo a sensação de que para tudo é necessário ter a aprovação ou a chancela masculina. Não é.

Na Comum aprendi a me inspirar em outras mulheres. Nas mulheres do dia a dia, naquelas que vivem como eu, se parecem comigo, não estão em outdoors, capas de revista ou na TV. Mulheres de carne e osso que têm tantas coisas maravilhosas para ensinar e tão poucos ouvidos aptos a receber.

Só em uma comunidade de mulheres é que você entende se consegue mesmo ter a tal sororidade. É ali que você precisa discordar com argumentos e sem agressividade. É ali que você nota que não quer machucar aquela outra pessoa só porque vocês pensam diferente. Só um ambiente tão acolhedor pode tirar de nós o melhor que há. E quando aprendemos a ser generosas com as outras passamos a pensar se não poderíamos ser mais generosas com nós mesmas. E nós podemos.

A construção de uma nova realidade passa pela criação de pontes e fortalecimento de laços. Parte da minha relação com isso foi construída na Comum. Mulheres podem ser amigas, podem se ajudar, podem crescer juntas. A gente só precisa de um ambiente que permita isso. A Comum é esse lugar para mim.

Também no HuffPost Brasil: