OPINIÃO
25/05/2015 18:45 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

O que Berlim em julho de 1945 tem a nos ensinar?

Como os cidadãos desses países em guerra civil conseguem tocar a vida? Como alguém sobrevive depois de uma dessas tragédias que chocam o país? Como conseguimos encarar a violência como algo normal?

ww2gallery/Flickr

Depois que Hitler se suicidou em 30 de abril de 1945, o que restou do governo alemão nazista se rendeu cerca de uma semana depois, no dia 7 de maio. Era o fim da Segunda Guerra Mundial, pelo menos na frente européia.

No Pacífico ainda demorariam alguns meses para que os Estados Unidos usassem as bombas atômicas e o Japão se rendesse. Mas esse post é sobre o que aconteceu na Alemanha.

O vídeo abaixo mostra filmagens feitas em Berlim, em julho de 1945. Em outras palavras, estamos falando de dois meses após o final da guerra naquele país.

Vocês viram o que eu vi?

Pessoas andando pra lá e pra cá de bicicleta. Mães empurrando carrinhos de bebês. Guardas de trânsito fazendo seu trabalho. Um cenário aparentemente normal, só que no meio dos escombros de uma cidade destruída.

Não tem como assistir esse vídeo e não ficar pensando sobre a vida. Mais especificamente, na capacidade do ser humano de se adaptar em meio ao caos.

Acho que isso responde àquelas perguntas incômodas que vivemos nos fazendo:

- Como os cidadãos desses países em guerra civil conseguem tocar a vida?

- Como alguém sobrevive depois de uma dessas tragédias que chocam o país?

- Como conseguimos encarar a violência do nosso país como algo normal?

Simplesmente vivendo. Um dia após o outro.

Mais do que um registro histórico interessante, achei legal postar esse vídeo aqui para servir de lembrete para todos nós.

É claro que não devemos achar nenhuma guerra, violência ou desgraça coisas normais. Pelo contrário. O ideal é continuarmos batalhando para que essas coisas sejam cada vez mais a exceção. Mas, ainda assim, a vida é feita de perrengues e acidentes. Ainda assim, por mais que tomemos cuidado, uma hora seremos pegos de surpresa. A vida é assim.

Mas esse vídeo nos ensina que nada é o fim do mundo, ou que, pelo menos, não precisa ser. É claro que cada um de nós tem seus próprios fantasmas e demônios, e podemos demorar tempos diferentes para entendê-los. Mas, mais dia menos dia, você vai dar um jeito de enterrá-los, ou pelo menos jogá-los para debaixo do tapete, e a vida vai continuar.

Essa é uma mensagem especialmente poderosa em tempos de crise. Lembre-se de Berlim em julho de 1945.

A dica do vídeo foi do Pedro Daltro.