OPINIÃO
28/03/2016 17:10 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02

Somos produtos, somos produtores

Nós acostumamos, inclusive, a nova geração desde a infância a entender que é um órgão com funcionamento involuntário, que não podemos controlar ou gerir. Apresentamo-nos passivos a tecnologia até acreditar no ideal que somos guerreiros num local democrático. Onde treinamos a mente arduamente a desenvolver ideologias e manter o pensamento crítico. Guerreiros.

visualspace via Getty Images
People crossing the road in famous Shibuya crossroad, Minato Ward, Tokyo, Japan.

É a labuta do tão temido sol. A incessante abertura das chancelas a outra jornada. A rotina massante do cíclico. É o tom acalorado do verão aprisionando o sono remediado a uma noite de essências diferentes, relativas.

A luz proferindo feixes ao olhar preguiçoso se assemelhando a enxurrada de conteúdos midiáticos, que somos submetidos dia-a-dia numa teia de aranha ramificada aos sabores do cotidiano. Uma teia interativa prezando a troca de informações para manter uma constante.

Somos produtos. Somos produtores. Somos materiais brutos. Moldamo-nos ao relativizar filtros, construindo a - talvez perigosa - protecionista redoma, porém, nos libertamos de elos ao encontrar na divergência a básica forma de aprendizagem. Lapidados numa terra supostamente sem dono. E tão menos sem piedade.

Vivemos a geração do compartilhamento desenfreado como a maratona de automóveis - buzinando por atenção - na Avenida Fernandes Lima ao meio dia. Uma humanidade sem controle das rédeas da própria história. Tornamos-nos livros abertos para consumo de qualquer assíduo leitor. Sem gênero específico, para esclarecer, há sinopses de amor, de ódio, de momentos, de solidão. E assim vai.

Há quem encontre a especificidade na rede. Para acompanhar ou vivenciar. Alguns tratam a rede como psicólogo aos sofrimentos. Outros tantos encontram seus companheiros, seus pares, sua metade da laranja. Uma porção deposita o estresse em algo absurdo, numa notícia caluniosa. Há aquele grupo que busca o tratamento a doença. E quem copia e cola para complementar um trabalho? Google tornou-se doutor. É médico, é professor, é salva vidas. Haveria cátedras por tamanha especialização em anexar informações. Imagina só.

Ah, a internet! O espaço de essências inexploradas até profundamente na deep web. Algo chama atenção nessa perfumaria. Nessa chuvarada (ou tempestade) de numerosos aplicativos. O molde provocado pela segmentação de atividades. O Instagram é uma amostra prática dessa função ao capacitar os olhares, entre as pequeninas lentes, a enxergar detalhes despercebidos ao redor e provocar impacto ao impor - num formato 1x1, tradicionalmente - a beleza ao menosprezado pelos seres.

Desde tomates desperdiçados no CEASA a pichação de algo inteligente ou carregado emocionalmente na rua. O cotidiano virá arte contemporânea. Enquadrou, fotografou, editou e Instagram. O que renderá importância a fotografia para colecionar num reservatório de tantas memórias e recordações efêmeras.

Ou manterá esquecida num serviço de nuvem até ser revisitada como casa de adoção. Aparentemente bobo, tão bobo, que nos cegamos a acreditar no documental. É o registro do passado, do acontecido, do espaço. Uma vitrine luminosa aos amadores absorvidos a mobilidade.

Apropriando-se de gírias arcaicas e supostamente esdrúxulas em meados dos anos 70, a rede mundial de computadores sempre será pra "frentex". Florescia a curiosidade ao questionar dúvidas a sua complexa adaptação num terceiro mundo lapidando (ou escalando) a montanha do desenvolvimento. Agora somos emergentes.

A economia promissora onde a internet é realidade, porém, pagamos caro por serviços duvidosos oferecidos por gigantes. É a mutação da sociedade. Somos humanos, quase máquinas, por tamanho processamento de efemeridades. Prestamo-nos pela importância - e endeusamento - que criamos a esse "órgão" aderido a nossa massa como parte integrante ao corpo.

Nós acostumamos, inclusive, a nova geração desde a infância a entender que é um órgão com funcionamento involuntário, que não podemos controlar ou gerir. Apresentamo-nos passivos a tecnologia até acreditar no ideal que somos guerreiros num local democrático. Onde treinamos a mente arduamente a desenvolver ideologias e manter o pensamento crítico. Guerreiros.

LEIA MAIS:

- Para ser um bom líder, esqueça o tal do 'carisma

- O que fazer para não odiar seus problemas?

Também no HuffPost Brasil:

  • Vamos navegar?
    Vamos navegar?
    Reprodução
  • Alguém viu meus CDs da AOL?
    Alguém viu meus CDs da AOL?
  • UM BILHÃO DE HORAS NA INTERNET
    UM BILHÃO DE HORAS NA INTERNET
  • 10 horas de internet GRÁTIS!
    10 horas de internet GRÁTIS!
    Reprodução
    Já instalou?
  • Carregando...
    Carregando...
    Ouça:
  • Conectando...
    Conectando...
  • PRONTO! Agora é só navegar!
    PRONTO! Agora é só navegar!
  • Que tal uma busca no Yahoo?
    Que tal uma busca no Yahoo?
    Reprodução
  • Escolha seu GIF
    Escolha seu GIF
  • SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM
    SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM
    Reprodução
    SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAMSPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAMSPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAMSPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAMSPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAMSPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAMSPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM SPAM
  • E que tal uma busca no Alta Vista?
    E que tal uma busca no Alta Vista?
  • Quem nunca?
    Quem nunca?
  • Deixa só eu fazer uma busca aqui...
    Deixa só eu fazer uma busca aqui...
    Reprodução
  • O Google não era uma gracinha?
    O Google não era uma gracinha?
  • 'H+Teenha' entra na sala...
    'H+Teenha' entra na sala...
    AdvoGATO fala para TODOS: Alguém quer TC?
  • Ainda lembra do seu 'número' do ICQ?
    Ainda lembra do seu 'número' do ICQ?
    Reprodução
  • mIRC... Quantas frustrações...
    mIRC... Quantas frustrações...
  • Space Jam!
    Space Jam!
    Ele continua no ar. Acesse!
  • Você tem um novo email!
    Você tem um novo email!
  • DIS-CA-DOR
    DIS-CA-DOR
  • E que tal o Facebook... OPS! 'The' Facebook
    E que tal o Facebook... OPS! 'The' Facebook
  • Orkut ❤
    Orkut ❤
  • Vai se despedindo, amiguinho...
    Vai se despedindo, amiguinho...