Opinião

A divisão da sociedade brasileira: de que lado vocês estão?

No primeiro bloco do programa 'Na Moral', foram convidados o pastor Silas Malafaia, o dramaturgista Sílvio de Abreu, Jô Soares e a desembargadora Maria Berenice Dias. No sofá do BBB, havia uma família considerada média e representativa da família brasileira, presente em três gerações - avó, filhos e netos -, dessas que respondem questionário do IBGE. Ou seja, havia o lado da lei, o lado da religião, o lado artístico e o lado do espectador. O que vi ali foi incrível - para o bem e para o mal.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

Ontem, depois de muito tempo, assisti a mais de alguns minutos de televisão aberta. O que eu vi me deixou esperançoso de um lado e temeroso de outro.

Com o início da novela das 21h, Babilônia, vi o casamento entre duas senhoras, tão sonhado e planejado quanto odiado e menosprezado. Se eu direciono meu olhar para achar beleza e ternura naquela troca de olhares, muita gente acha o contrário. O que mais chama a atenção no entanto foi um fato curioso e que, por acontecer rapidamente, não permite a todos perceberem: não houve beijo que selasse o casamento entre duas mulheres. Esse deve ser, sem sombra de dúvidas o ÚNICO casamento interpretado em uma novela das 21h onde não houve o beijo entre noivos - ou no caso, noivas.

É a partir disso que começa meu espanto. Poucas horas depois, começa o programa "Na Moral", onde o apresentador e mediador Pedro Bial convida algumas pessoas para debaterem um tópico na moral, ou seja, sem papas na língua. "Quer falar, então fala", é assim que funciona. No primeiro bloco, foram convidados o pastor Silas Malafaia, o dramaturgista Sílvio de Abreu, Jô Soares (que dispensa apresentações) e a desembargadora Maria Berenice Dias. Além deles, foram convidados os maiores e melhores convidados da televisão: os telespectadores. No sofá do BBB, havia uma família considerada média e representativa da família brasileira, presente em três gerações - avó, filhos e netos -, dessas que respondem questionário do IBGE. Ou seja, havia o lado da lei, o lado da religião, o lado artístico e o lado do espectador.

O que vi ali foi incrível - para o bem e para o mal.

(Para não alongar o texto, sugiro assistir ao programa )

Sob o tópico "Mudanças no padrão do telespectador", debateram-se basicamente dois assuntos: sexo e homossexualidade na televisão. Embora fosse de se esperar que a presença de Silas Malafaia apimentasse a discussão com pontos de vista distoantes aos dos outros convidados, o que destaca aos olhos são as reações da família Carvalho. É inegável que cumpriram seu papel perfeitamente: foram a típica família brasileira. E exatamente por isso que temo o que está por vir.

O pastor foi convidado para causar confusão, Sílvio de Abreu era esperado que defendesse a liberdade artística de criação e Jô Soares fez as melhores piadas (embora contundentes) que poderiam ser feitas. Enquanto isso, a família observava e comentava sobre a presença de bundas nas novelas, o sexo - explícito onde? - nas programações e a presença de personagens LGBT.

Termos errados para cá, homofobia disfarçada de "não tenho problema com gay, inclusive tenho uns na família MAS..." para lá, o saldo da conversa é: temos uma sociedade dividida.

Não é uma divisão entre PT ou PSDB, Corinthians ou Flamengo, católico ou evangélico. A divisão acontece entre dois modelos antagonistas de sociedade, de um lado a que estimula a diferença e de outro a que condena. Ou seja: enquanto uns dizem "Vá em frente, seja você mesmo", outros dizem "Calma lá, não é bem assim, meu filho está vendo. O que vou dizer a ele?"

Essa é uma ótima pergunta. Você deve dizer a verdade, que existe homem que gosta de homem, existe mulher que gosta de mulher, que tem gente que não gosta de nada e outros que, pelo contrário, querem um pouco de tudo. No fundo, percebemos uma coisa: dá medo empoderar as pessoas a tomar as próprias escolhas. Elas ficam fora do nosso controle, começam a fazer coisas por conta própria. Tem coisa mais perigosa do que ter a liberdade de fazer suas escolhas de maneira autônoma?

Tem sim. Não poder fazê-las. Ao mesmo tempo que pode-se escolher ensinar como o mundo é de verdade, tem muita gente que finge que o outro não existe, que é inferior ou errado. E ao não ensinar o que acontece na realidade, a família brasileira tem deixado de lado gays, lésbicas, travestis, transsexuais, negros, mulheres, idosos, crianças, índios, hippies, comunistas, anarquistas, liberais, capitalistas, homens, brancos, pardos...

Por isso, não digo fim à família brasileira. Digo acorde.