OPINIÃO
22/06/2015 15:11 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:31 -02

Amazon vai pagar escritores por número de páginas lidas. E isso é uma má notícia

tripu/Flickr
<b>13 April 2013, 15:47 Sunny weather, a stroll in the park together, lunch on the grass, time to relax and <a href="https://kindle.amazon.com/work/principles-economics-edition-gregory-mankiw/B0052L643E/1426634544" rel="nofollow">an interesting reading</a> ^_^</b> <a href="http://www.madrid.es/portales/munimadrid/es/Inicio/Ayuntamiento/Barajas/Parque-Juan-Carlos-I?vgnextfmt=default&amp;vgnextoid=8d9a78a0dea9e210VgnVCM1000000b205a0aRCRD&amp;vgnextchannel=4952ca5d5fb96010VgnVCM100000dc0ca8c0RCRD" rel="nofollow"><i>Juan Carlos I Park</i></a> truly is a hidden gem in Madrid: 36% larger than <i>El Retiro</i>, it's further away from the city centre and therefore further away from all the buzz and the traffic. There is more water, lots of interesting monuments, several auditoria and surprising concrete structures to be found along its many winding paths… It's only 21 years old, and very often much less crowded than <i>El Retiro</i>. Plus, it's closer to my place. I just love it!

A partir do dia 1 de julho, a Amazon vai adotar um novo modelo de remuneração. Os autores não serão mais pagos de acordo com a quantidade de livros vendidos - mas conforme o número de páginas que tiverem sido lidas, de cada livro, ao todo, no Kindle. É uma experiência, e por enquanto só valerá para os livros publicados pela própria Amazon (no esquema Kindle Direct Publishing) e baixados por meio do Kindle Unlimited - um serviço que permite baixar livros à vontade por US$ 10 mensais. Mas não é impossível que, a depender do resultado, o novo esquema venha a ser adotado com os demais ebooks.

Segundo a Amazon, a ideia é remunerar os escritores de forma mais justa: quem escreve mais, e é mais lido, ganha mais. À primeira vista, é difícil argumentar contra essa lógica. De certa forma, só reproduz digitalmente algo que já acontece no mundo offline (livros de papel com mais páginas tendem a custar mais caro). Mas também abre espaço para distorções preocupantes. Com o pagamento por página, os escritores passam a ter um estímulo fortíssimo para enrolar, 'encher linguiça'. Mas o pior é que, na prática, receberão muito menos. Por um motivo simples.

As pessoas dificilmente leem 100%, de cabo a rabo, todos os livros que compram. Todo mundo para no meio, desiste às vezes. É normal. Como é normal ir ao cinema, não gostar do filme e sair na metade, ou ir a um restaurante e deixar comida no prato. Acontece. Mas, nesses casos, paga-se o preço inteiro - porque o trabalho que outras pessoas tiveram para fazer aquilo não muda por você não ter gostado.

Se a Amazon quiser ir adiante com o pagamento por página, e adotá-lo em todos os ebooks, certamente enfrentará resistência de editoras e escritores. A dúvida é quão forte, ou eficaz, ela poderá ser. Porque a Amazon é muito grande, controla mais da metade do mercado de livros na internet e tem força para impor preços e condições. Talvez o mercado de livros vá passar pelo que aconteceu com a música - onde os artistas recebem menos de US$ 0,01 a cada vez que uma de suas faixas é tocada.

VEJA TAMBÉM:

13 livros infantis sobre direitos humanos