OPINIÃO
06/02/2015 15:48 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:11 -02

Internet do futuro será orientada para conteúdos e usuários

2015-02-06-16457315145_a230fb63b8_z.jpg

Por Abner Contaldo Ferreira Martins

"A internet está obsoleta desde a década de 80". Foi com essa afirmação que o professor da Unicamp, Samuel Brito, especialista em redes, chamou a atenção da plateia presente no palco Netuno para um questionamento sobre a falta de inovação existente na arquitetura da internet. Você provavelmente já ouviu falar do protocolo TCP\IP. Esse protocolo foi desenvolvido nos Estados Unidos, em meados da década de 60. Ele forma, até hoje, a base da arquitetura da internet que utilizamos diariamente em nossos computadores, smartphones e outros dispositivos inteligentes.

Segundo Brito, o protocolo IP foi desenvolvido para resolver um problema de telefonia, e, telefonia nada mais é do que a conexão de um ponto final até outro ponto final. Apesar de funcionar bem para a internet, o objetivo hoje não é mais conectar um terminal ao outro. Não importa o dispositivo utilizado, o que importa é o perfil na rede social, as preferências, os conteúdos vistos. Em sua palestra, o professor apresentou novas arquiteturas possíveis para uma internet voltada primariamente para o conteúdo, os pesquisadores generalizam as possíveis arquiteturas nesse formato como ICN.

De forma simplificada, hoje quando vamos buscar um vídeo no Youtube, nossa conexão é redirecionada até a fonte, os servidores do Youtube. Cada pessoa que deseja acessar aquele vídeo precisa realizar o mesmo caminho, gerando enorme consumo de banda. Uma arquitetura de internet voltada para o conteúdo por sua vez, busca aproximar o conteúdo do usuário. Ele estaria disponibilizado em camadas, quanto mais popular, mais fácil o acesso. Isso visa maximizar a eficiência de utilização da banda e a eficiência de transmissão para os usuários finais.

- O ICN alteraria drasticamente a forma como utilizamos a internet, os usuários finais seriam os maiores beneficiários disso. - afirma o professor.

Os estudos e testes já estão sendo realizados. Contudo, o ICN ainda é uma questão sem consenso entre os especialistas da área. Brito concluiu a palestra dizendo que essa inovação na internet pode acontecer dentro de uma década, o usuário final não perceberia muito as mudanças a princípio, contudo, os profissionais da área teriam que revisar muitos conceitos e paradigmas para continuarem atuantes.

Curta a gente no Facebook |
Siga a gente no Twitter

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.


Para saber mais rápido ainda, clique aqui.