OPINIÃO
25/07/2014 00:10 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

As pessoas morrem!

Algumas pessoas, sabendo que a morte vem, fazem o possível e o impossível para evitá-la ou retardá-la.

CLAYTON DE SOUZA/ESTADAO CONTEUDO

Todas? Sim. Até as que eu amo? Sim. Eu também vou morrer? Sim.

Quantas homenagens lindas e merecidas recebeu Ariano Suassuna nos últimas dias. Bonito de ver. Mas o choque de algumas pessoas e a lamentação de outras são surpreendentes, afinal, ele tinha 87 anos, muito bem vividos por ele e por todo o legado que deixou. Agradeçamos e desfrutemos. Mas... surpresa?

A gente passa a vida sabendo que vai morrer. Mas a maior parte de nós não aceita essa realidade. E sempre é surpreendido com a morte de alguém, mesmo que a pessoa tenha 87 anos. Aceitar o vazio, a tristeza, o fim, o luto, a saudade faz bem! Permite crescer e viver melhor cada dia. Porque a gente aproveita o tempo que tem aqui e o tempo que as pessoas amadas vivem. Aprendi isso com dor. Depois da morte prematura do meu pai, quando ele tinha 42 anos e eu 11, entendi que todo mundo morria mesmo. Que era terrível meu pai ter morrido cedo. Mas que eu devia aproveitar muito bem cada dia, porque a vida é curta e frágil.

Algumas pessoas, sabendo que a morte vem, fazem o possível e o impossível para evitá-la ou retardá-la. Mesmo que isso signifique mais sofrimento ou, em última instância, seja inútil. Entendo e sou solidária com cada uma delas. E não quero, de forma alguma, ser ofensiva ou desrespeitosa. Mas gostaria de fazer uma pergunta (retórica, confesso): a quem interessa que tenhamos tanto medo da morte? E façamos de tudo para evitá-la?

Um trecho de reportagem da Folha de S.Paulo de ontem, sobre o fechamento da Maternidade Santa Catarina, pode ajudar a responder:

O médico e administrador hospitalar Walter Cintra Ferreira Júnior diz que a tendência é que mais hospitais gerais localizados em grandes metrópoles optem em fechar as suas maternidades.

O especialista diz que esses espaços são poucos rentáveis pois, se tudo corre bem, mãe e bebê ficam poucos dias internados e necessitam de poucos medicamentos, independente se o parto é normal ou cesárea.

"Boa parte das receitas dos hospitais vem de materiais e de medicamentos. Um paciente de oncologia que faz quimioterapia, cirurgias, que precisa de UTI repassa um valor muito maior para o hospital do que uma parturiente", comenta.

Precisamos saber que a morte chega para todas e todos. Viver bem, com saúde e intensamente. E ter a certeza de que nem sempre o principal objetivo da ciência, da medicina e dos hospitais é a nossa vida.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para ver as atualizações mais rápido ainda, clique aqui.

MAIS SUASSUNA NO BRASIL POST:

Galeria de Fotos Vida e obra de Ariano Suassuna Veja Fotos