Opinião

O fim do casal Bonner & Fátima e do mito do amor eterno

No último mês, testemunhei ao menos três separações. Duas grandes amigas minhas se divorciaram - ambas na faixa dos 40, com filho pequeno -, além do casal global Fátima Bernardes e William Bonner. Mas nada foi tão trágico quanto a reação da população brasileira ao rompimento da dupla televisiva.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

No último mês, testemunhei ao menos três separações. Duas grandes amigas minhas se divorciaram - ambas na faixa dos 40, com filho pequeno -, além do casal global Fátima Bernardes e William Bonner. Mas nada foi tão trágico quanto a reação da população brasileira ao rompimento da dupla televisiva.

O que mais me surpreendeu foi a imposição do significado de "drama" e "tragédia" ao divórcio, em pleno século XXI. O "abalo sísmico" e a frustração das massas com a separação de Bonner e Bernardes revela a ilusão, ainda tão difundida na sociedade, de que a "eternidade" possa existir, como nos contos de fadas, e a resistência em aceitar que a única coisa eterna nesta vida é a mudança e a transformação constantes.

Me surpreende ver pessoas esclarecidas tentando adivinhar "o motivo" da separação de Bonner e Fátima Bernardes: "é que ela começou a ganhar bem mais do que ele"; "foi a Maju"; "foi uma médica"; "foi uma produtora". Como se houvesse apenas um motivo e este fosse algo pontual e recente. Ao menos quem é casado sabe quantos motivos e insatisfações vão se acumulando ao longo de um casamento... ainda mais em 26 anos, como no caso de Bonner e Bernardes! Quanto equívoco! Quanta ingenuidade! Quanta simplificação da complexidade da vida, do ser humano e das relações.

Me pergunto quantas separações ainda serão necessárias para que as pessoas se certifiquem, e aceitem com naturalidade, que "o pra sempre sempre acaba" -- seja por causa da morte biológica de um dos entes envolvidos, seja pela morte simbólica da relação. E quanto chão as pessoas terão de trilhar para se tocar que a mudança de estado civil não é algo necessariamente triste, melancólico, nostálgico, penoso?

O que noto como fato é que as pessoas mais felizes que conheço são as que aceitam e abraçam as mudanças como algo positivo, e embarcam nelas. Mais do que isso, as promovem!

Num certo dia de agosto, me vi entre duas abas de WhatApp: uma com a amiga X, que havia saído de casa porque - apesar de ter um marido espetacular, ótimo pai, que a amava e com quem tinha uma relação de muita paz e harmonia - se sentia infeliz e resolveu ser sincera consigo mesma e ir atrás de descobrir o que de fato queria. Na outra aba, eu conversava com a amiga Y, que havia saído de casa porque não se sentia amada, tinha uma relação de desrespeito mútuo com o marido e via seu relacionamento como um fracasso total. A amiga X estava leve, tranquila, em busca de sua felicidade, cheia de vitalidade e ânsia de vivenciar novas experiências. A relação com a filha havia ganhado mais tons cor-de-rosa com a nova dinâmica que ganhou sem o pai em casa, com momentos novos e gostosos. A amiga Y estava deprê, se sentindo a última das mulheres por não ter conseguido ser bem sucedida no relacionamento com o pai de sua filha. Se culpava, se cobrava e se autopunia.

As visões opostas sobre o divórcio têm a ver com duas premissas básicas: a da que acreditava que casamento era um troféu, que ela não conseguiu conquistar. E a da que acreditava que casamento era uma passagem da vida, um percurso feito com a melhor das intenções, mas que passou, e agora era hora de seguir a caminhada. Uma visão de que tudo tem início, meio e fim, e de que é preciso tirar o melhor do que se constrói, e seguir em frente. E que nada é estático nem desperdiçável. Tudo é um acúmulo de experiências que vão se sobrepondo e servem de trampolim para a próxima, que não foi previamente delimitada.

O problema está exatamente aí: em se agarrar em paradigmas que se tornam obrigatórios em nossas vidas e que precisamos provar para nós mesmos que conseguimos alcança-los, por mais irreais que sejam. E aí torcemos e retorcemos a realidade para que ela se encaixe em nossos moldes e, quando não se encaixa, nos sentimos fracassadas. O fracasso está em ter "comprado" o molde, e não em não ter se encaixado nele.

Espero que o fim da união do casal global, em vez de quebrar os corações da gente, nos liberte do mito do amor eterno e nos libere para vivenciar com alegria a era dos amores líquidos. Que sirva de exemplo e força para casais insatisfeitos se darem o direito de também se separarem. "Se até eles, por que não eu?", em vez de terem tirado a esperança de casais jovens que se unem com a esperança de que "serão felizes para sempre". O que importa é se estão felizes agora. Quando não mais estiverem, que mudem as perspectivas, sem medo de seguir em frente.

Também no HuffPost Brasil:

Atletas olímpicos comemoram com seus filhos