OPINIÃO
26/09/2015 13:52 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02

Metas de desenvolvimento sustentável para o mundo

Conseguir melhorias tão dramáticas em 15 anos será um feito e tanto. Mas já sabemos que o estabelecimento de metas globais funciona.

Pacific Press via Getty Images
UNITED NATIONS, NEW YORK CITY, NY, UNITED STATES - 2015/09/18: Secretary General Ban Ki-moon attends a Press briefing on the launch of the Millennium Development Goal (MDG) Gap Task Force Report 2015 today at the United Nations Headquarters in New York City. (Photo by Luiz Rampelotto/Pacific Press/LightRocket via Getty Images)

Em um mundo cercado de tantos desafios, problemas e disputas, é um sinal de esperança que mais de 150 líderes globais estejam reunidos esta semana na Organização das Nações Unidas com o objetivo de adotar uma nova visão para o bem-estar futuro de toda a humanidade.

Os líderes globais vêm a Nova York porque entendem ser necessário colocar o mundo numa trajetória mais segura, igualitária e sustentável. No coração dessa nova agenda estão as Metas de Desenvolvimento Sustentável (MDS): 17 metas ousadas, mas atingíveis, que visam acabar com a pobreza, lutar contra a desigualdade, combater a mudança climática e construir sociedades pacíficas até o ano 2030.

Também conhecidas como "Metas Globais para o Desenvolvimento Sustentável", as MDS são resultado do processo de consultas mais aberto e transparente da história das Nações Unidas, no qual indivíduos, organizações comunitárias, empresas, cientistas, acadêmicos e outros parceiros trabalharam com governos. Milhões de pessoas compartilharam suas visões para um mundo melhor e o que é necessário para alcançá-lo. As metas são universais; elas se aplicam a todos os países, já que sabemos que até mesmo as nações mais ricas ainda enfrentam a pobreza e a desigualdade entre os gêneros. Não há metas mais importantes que outras; elas são integradas e reforçam umas às outras. Por exemplo, o acesso à energia elétrica permite que crianças estudem à noite. Essa energia pode vir de fonte solar e, portanto, pode estar ajudando na luta contra a mudança climática. A indústria de paineis solares, por sua vez, pode impulsionar a economia de um país em desenvolvimento. Mais oportunidades de estudo, por sua vez, levam a mais oportunidades de trabalho, inovação e instituições nacionais mais fortes.

As metas também têm fortes ligações com nossos esforços para incentivar a paz e a segurança. Muitas das necessidades humanas se encontram em países afetados por conflitos. Não alcançaremos as MDS sem uma determinação renovada para acabar com os conflitos e com a violência. Quando começam as hostilidades, muitas outras coisas são paralisadas: escolas, campanhas de vacinação, crescimento econômico, o desenvolvimento em si. Ao mesmo tempo, atingir as metas ajudaria a evitar a instabilidade e a violência. As novas metas, portanto, têm por objetivo promover sociedades justas, pacíficas e inclusivas, assim como o acesso à Justiça e a promoção de instituições efetivas, inclusivas e responsáveis. Um mundo mais sustentável será um mundo mais seguro.

Conseguir melhorias tão dramáticas em 15 anos será um feito e tanto. Mas já sabemos que o estabelecimento de metas globais funciona. As Metas de Desenvolvimento do Milênio, adotadas em 2000, melhoraram as vidas de milhões de pessoas. A pobreza continua a diminuir em todo o mundo; mais pessoas têm acesso a fontes de água de melhor qualidade; nunca houve tantas crianças na escola; e investimentos focados no combate à malária, à Aids e à tuberculose salvaram milhões de vidas.

Mas ainda há muito a fazer, especialmente para atingirmos os mais marginalizados e vulneráveis e para entrarmos na rota do desenvolvimento sustentável. A nova agenda e as novas metas significam um compromisso de não deixar ninguém para trás. Elas são dedicadas à geração do milênio e aos seus avós, a moradores das cidades e do campo, empregadores e empregados, países desenvolvidos e em desenvolvimento.

Muita gente participou da articulação das MDS, e um envolvimento global será necessário para alcançá-las. As Nações Unidas e eu esperamos trabalhar com pessoas do mundo inteiro para trazer essas metas à vida e para transformar nosso mundo. Esse é o plano; essa é a promessa; mãos à obra!

O autor é secretário-geral das Nações Unidas.

Este post é parte de uma série produzida pelo The Huffington Post, "Tem Jeito: Metas de Desenvolvimento Sustentável", em conjunto com as Metas de Desenvolvimento Sustentável (MDS) das Nações Unidas. Os marcos propostos serão objeto de discussão na Assembleia Geral da ONU, entre 25 e 27 de setembro, em Nova York. As metas, que vão substituir as Metas de Desenvolvimento do Milênio (2000-2015), cobrem 17 áreas-chave do desenvolvimento - incluindo pobreza, fome, saúde, educação e igualdade de gêneros, entre várias outras. Como parte do compromisso do The Huffington Post com um jornalismo orientado a soluções, essa série de posts sobre as MDS se concentrou em uma meta por semana durante o mês de setembro. Este post, publicado no primeiro dia da Assembleia Geral da ONU, lida com todas as metas.

Para saber como você pode contribuir, visite este e este site.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: