profile image

Olavo Barros

Jornalista-cinéfilo. Arte e política em prol dos Direitos Humanos

Jornalista, cinéfilo, LGBT, andreense e palmeirense. Escrevo sobre arte, política e me arrisco na ficção de vez em quando. Tudo isso em prol dos Direitos Humanos.
Orgulho crespo: como foi a marcha que gritou contra o racismo em

Orgulho crespo: como foi a marcha que gritou contra o racismo em SP

Absolutamente tudo o que os presentes fazem ou falam é um ato político: cabelos, roupas, gestos, publicações nas redes sociais, abraços, beijos, sorrisos. Cada detalhe parece gritar: "Ei, escutem: eu existo, por favor, me respeitem!". E convenhamos: clamar por dignidade não pode ser exigir demais.
30/07/2015 10:26 -03
A Cunha, falta coragem (e

A Cunha, falta coragem (e vergonha)

Como esperar um ambiente efetivamente democrático e republicano num Congresso em que o presidente claramente preza pela rapidez e pelo atropelamento de assuntos em detrimento ao debate amplo e, mais importante, com participação social sobre o tema?
20/07/2015 12:11 -03
O efeito Tropa de

O efeito Tropa de Elite

No mesmo instante em que "sentam o dedo" para agredir, torturar e/ou matar um bandido, pela lei, tornam-se iguais a ele. Afinal, a regra é clara: tanto no caso de Tropa de Elite quanto, por exemplo, do rapaz morto e amarrado ao poste como um animal no Maranhão, não se trata de legítima defesa da vida e, sim, de vingança, tortura, crueldade.
13/07/2015 12:18 -03
Nina resistiu: Por mais que a rejeitassem, ninguém conseguiu lhe usurpar o

Nina resistiu: Por mais que a rejeitassem, ninguém conseguiu lhe usurpar o talento

Negra, pobre, mulher, nascida numa sociedade extremamente conservadora e segregada, Nina tinha todos os precedentes para ser alguém que, como sua mãe, empregada de famílias brancas, estaria destinada a se casar, ter filhos e construir, com muito esforço, o mínimo de dignidade para si e seus familiares. Isso sendo otimista.
03/07/2015 15:38 -03
Traço e fúria: a arte política de Vitor

Traço e fúria: a arte política de Vitor Teixeira

Ele rejeita o título de "artista", embora eu insista em chamá-lo assim. Prefere cartunista. "Ou até jornalista, por que não?", diz ele enquanto sorri como quem pede aprovação pelo que acabou de dizer. Mais que isso: Vitor Teixeira é um guerrilheiro do traço.
22/06/2015 16:15 -03
Dilma no Jô e o 'complexo de

Dilma no Jô e o 'complexo de vira-latas'

Afinal, o que devemos exigir de uma chefe de Estado? Que se cale porque não estamos dispostos a ouvir o que alguém como ela - "Petista", "Corrupta", "Comunista", "Má gestora" - tem a dizer, ou então que esclareça ao povo - e não só a seus eleitores - aonde exatamente quer chegar na condução de seu governo? Como avaliar sua figura enquanto estadista se não a escutamos?
15/06/2015 14:49 -03
Horrorizar-se é

Horrorizar-se é preciso

As reações negativas à performance da artista me dão esperança. O poder aterrorizador da arte gera repulsa, incômodo e afastamento desde muito antes da pintura de Goya ou da primeira Parada Gay realizada. Entretanto, esse arrepio na espinha é força motriz de reflexão e, a longo prazo, de mudança.
09/06/2015 18:47 -03