Michele Müller

Journalist specializing in neuroscience and neuropsychology

Michele Müller é jornalista com especialização em neurociências e neuropsicologia. Escreve para publicações nacionais das áreas de saúde mental e psicologia. Pesquisa e desenvolve estratégias de fluência na leitura e compreensão de textos.
Crianças precisam de mais jogos e brincadeiras e menos tempo em sala de

Crianças precisam de mais jogos e brincadeiras e menos tempo em sala de aula

Mais que receber informações, crianças precisam aprender a controlar seus impulsos e sua atenção. Precisam dividir e esperar a vez do outro; resolver conflitos sociais; lidar com frustrações e derrotas; sentir-se valorizadas e parte de uma equipe; praticar o equilíbrio, coordenação motora e agilidade física. Não é na carteira escolar que essas habilidades se desenvolvem. É na quadra esportiva, na sala de dança e nas salas de arte.
17/02/2016 11:20 -02
Quando o cérebro da criança está fora do

Quando o cérebro da criança está fora do ritmo

Nesse relógio da mente, que trabalha em milissegundos, a precisão é fundamental. Qualquer desorganização que provoque um atraso no processamento da informação pode representar um desajuste na percepção do mundo - e até de nós mesmos.
22/01/2016 11:09 -02
Como a música colabora para uma mente muito mais

Como a música colabora para uma mente muito mais saudável

É que para dar um sentido a qualquer estímulo que recebemos e integrar as informações que nos chegam por diversas vias, o cérebro precisa de tempo. Nesse relógio da mente, que trabalha em milissegundos, a precisão é fundamental.
21/08/2015 15:36 -03
A morte e a busca por

A morte e a busca por sentido

Se os pacientes fossem mais escutados e orientados, o prolongamento da vida se mostraria, muitas vezes, menos importante que o bem estar, garantido pelo simples cuidado e suporte emocional.
22/06/2015 18:02 -03
Caminhar faz bem para o

Caminhar faz bem para o cérebro

Esse ato tão simples e natural é uma das mais eficazes formas de evitar danos físicos e cognitivos trazidos pelo Parkinson e outras doenças mentais.
09/06/2015 17:58 -03
Como a maternidade modifica o

Como a maternidade modifica o cérebro

Sob o ponto de vista neurocientífico, a maternidade se parece muito com a paixão romântica e com o vício em drogas. Os receptores de ocitocina estão espalhados no cérebro, em regiões também ricas em dopamina - o neurotransmissor ligado ao prazer e recompensa. Assim, a atividade cerebral de uma mãe quando cuida de seu bebê é semelhante a de alguém em contato com o objeto de seu vício ou de um apaixonando ao ver o rosto de seu companheiro. Para garantir a sobrevivência da espécie, a natureza criou esses circuitos de recompensa que fazem com as exigências vindas com o bebê sejam supridas com prazer.
04/05/2015 19:57 -03
Alfabetização precoce é perda de

Alfabetização precoce é perda de tempo

Em vez de forçar um cérebro ainda imaturo a relacionar letras a sons, poderiam estar exercitando a linguagem oral e suas habilidades metalinguísticas e, assim, familiarizando-se com a complexidade das construções sintáticas que seu idioma oferece. Muito mais importante que começar cedo é relacionar a leitura a algo agradável e prazeroso e não a um desafio penoso.
07/04/2015 19:37 -03
Ansiedade: o alto custo da

Ansiedade: o alto custo da liberdade

Inseridos em uma cultura que insiste que somos quem quisermos ser, que passou a chamar de "losers" aqueles que não se enquadram no conceito moderno de sucesso, crescemos com a responsabilidade das escolhas - uma liberdade que pode pesar na mente.
12/03/2015 19:05 -03
Quando o corpo é a prisão da

Quando o corpo é a prisão da mente

Histórias de superação mostram que a capacidade de transformação do cérebro é fantástica, mas não acontece como um milagre: depende de muita persistência e repetição.
19/02/2015 15:36 -02
'Crianças atarefadas, jovens

'Crianças atarefadas, jovens deprimidos'

Não existe nenhum brinquedo, nenhuma atividade e nenhum 'tempo de qualidade' que compense a liberdade para brincar que estamos tirando das crianças. Privadas de praticar o autocontrole e resolução de conflitos por meio de brincadeiras, entram na adolescência ansiosas e imaturas.
09/12/2014 13:02 -02
'Pagamos um preço alto por um cérebro tão

'Pagamos um preço alto por um cérebro tão complexo'

Mesmo tão fantasticamente equipado para se adaptar e reagir a qualquer situação de risco, o cérebro humano é capaz de desafiar o instinto mais básico e fundamental da natureza, que é a própria sobrevivência.
20/11/2014 16:03 -02