Lucas Pretti

Multimedia journalist, Actor, Cultural Manager

Jornalista, artista multimídia e pesquisador. É diretor da Change.org no Brasil, a maior plataforma de abaixo-assinados do mundo. <br> <br> Foi editor dos jornais <a href="http://www.estadao.com.br/cultura/" rel="nofollow">O Estado de S. Paulo</a>, Jornal da Tarde e <a href="http://brasilpost.com.br" rel="nofollow">Huff Post Brasil</a>. Colaborou com dezenas de publicações, como Superinteressante, Galileu, Le Monde Diplomatique, Época e Catraca Livre. <br> <br> Foi membro da <a href="https://www.facebook.com/pages/Casa-da-Cultura-Digital/207295212649581" rel="nofollow">Casa da Cultura Digital</a> e idealizou o <a href="http://www.youtube.com/watch?v=NcWl1f9OPeE" rel="nofollow">Festival BaixoCentro</a>. <br> <br> Pesquisa arte e tecnologia no <a href="http://www.ia.unesp.br/" rel="nofollow">Instituto de Artes da Unesp</a>. Co-idealizou o <a href="http://pretocafe.com.br/" rel="nofollow">Preto Café</a>. Também é consultor de inovação no <a href="http://mezclador.com.br/" rel="nofollow">Estúdio Mezclador</a>.
O que os mil e um manifestos espalhados pela rede dizem sobre a democracia no

O que os mil e um manifestos espalhados pela rede dizem sobre a democracia no Brasil

Pessoas empoderadas pedindo e construindo mudanças todos os dias é no que conceitualmente acredito e estimulo, na coordenação da Change.org, na minha prática artística, na academia. Mas o que vem acontecendo no Brasil levantou nuances inéditas sobre mobilização e luta em contexto digital que tendem ao esgotamento. Minha geração nunca tinha visto uma ameaça conservadora tão grande (não é só no Brasil, vide Trump, Estado Islâmico, todas as questões imigratórias), que, explodida nas redes, torna tudo monotemático, melancólico e estafante.
30/03/2016 14:59 -03
Viva a ciclovia de São

Viva a ciclovia de São Paulo!

Não vejo, portanto, como demonizar as ciclovias. A não ser que... impere a cretinice. No império da cretinice não há direito à cidade.
07/08/2014 18:00 -03

"Teatro nunca será popular no Brasil. Popular é o Corinthians"

O Brasil profundo inunda, afoga, desnorteia, sufoca, estoura a bolha de quem vive no centrinho descolado de São Paulo. Analisando os hábitos de quem consome cultura no Brasil, deve-se perguntar: estamos por quem? As obras retumbantes que se deve fazer retumbam em quem, para quê?
09/04/2014 10:16 -03

"Não me peça para gostar de trabalhar"

O artigo de Francis Wolff compara filosoficamente o trabalho na sociedade contemporânea com a morte. Nascemos com a certeza melancólica de que morreremos -- o mesmo vale para o trabalho.
10/03/2014 10:03 -03