OPINIÃO
18/07/2014 10:59 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Por que abraçamos a luta contra a Aids

Divulgação

Todo mundo sempre diz que jornalista tem vontade mudar o mundo e na Abril isso não é diferente. Temos isso no nosso DNA e batalhamos muito pelas causas que acreditamos. Criamos o Planeta Sustentável, para falar de sustentabilidade e o Educar para Crescer, para abordar os temas relacionados a educação. E com esse espírito, vimos que havia um assunto importante sendo deixado de lado: a luta contra a Aids.

O assunto não é mais destaque e, ao contrário do que muita gente pensa, os números da doença estão fora de controle no país. A linha do tempo abaixo ilustra um resumo da história da doença e da atuação da Abril, alguns desses exemplos nos dão muito orgulho:

Veja fez a primeira reportagem brasileira sobre Aids em 1982, assim como a primeira capa no país sobre a doença em 85. A revista Saúde, logo na sua primeira edição trouxe uma chamada de capa sobre "A misteriosa doença que você precisa conhecer", Claudia foi a primeira revista feminina na América Latina a trazer o tema para as mulheres, sendo reconhecida com premiações internacionais pelo seu pioneirismo. A atuação da Playboy, incluindo a maior pesquisa sobre Aids já feita até então no Brasil, uma matéria de 14 páginas. A campanha "Camisinha Tem Que Usar" da Capricho em 1993 e 2003, que contou com o apoio de artistas para trazer a questão da necessidade do sexo seguro sempre.

Em meados dos anos 2000, devido aos antirretrovirais, a taxa de mortalidade caiu e a Aids passou a ser uma doença invisível, um assunto que ninguém que falar. Este processo não ocorreu somente na Editora Abril, mas na mídia como um todo. O senso comum era escrever sobre Aids no carnaval e no Dia Mundial da Luta contra Aids (1º de dezembro). Talvez por isso, fala-se menos no assunto, as pessoas baixam a guarda, e os números aumentam.

E o que a realidade brasileira nos mostra é: Mais de 718 mil pessoas são portadoras de HIV no Brasil, e cerca de 20% delas não sabem que possuem a doença. A falta de prevenção gera 39 mil novos infectados por ano e a falta do diagnóstico prévio, 12 mil óbitos.

O quadro mais preocupante é no público jovem (16 a 24 anos), com um aumento da taxa de incidência desde 2006, principalmente puxada pelos meninos. É uma geração que está se descobrindo sexualmente, mas não viu o a explosão da Aids nas décadas anteriores, nem seus amigos, familiares e ídolos morrerem pela doença.

Os números também estão aumentando nas pessoas acima dos 50 anos. Os casos mais que dobraram nos últimos 10 anos. As razões também são conhecidas: Longevidade, volta da vida sexual ativa, remédios de disfunção erétil. Fatos positivos para quem está aproveitando mais essa fase da vida, mas perigosos para quem não se identifica como alvo da doença.

Assim, tendo em vista a realidade da doença no país e da importante atuação que tivemos no passado, percebemos que tínhamos uma oportunidade para auxiliar as autoridades e os médicos no combate a essa doença. Mas como? Através do nosso bem mais valioso: A INFORMAÇÃO!

Lançamos no início deste ano o Atitute Abril - Aids, uma grande campanha de conscientização que usa revistas, sites, tablets e redes sociais para falar sobre tudo o que envolve o tema: sexo, ciência, medicina, comportamento, preconceito etc. De lá para cá, já foram lançados mais de 80 conteúdos editoriais nas diferentes plataformas da Editora abril, que falam tanto da prevenção quanto das questões que podem afetar a qualidade de vida de quem já é portador do HIV. Muitos outros conteúdos serão produzidos até o final do ano quando o Atitude Abril dará espaço para outras causas.

Também faz parte do projeto a campanha publicitária "Desinformação tem cura", chamando a atenção da população para o assunto. A campanha conta com o apoio de celebridades como Neymar, Anderson Silva, Maria Casadevall, Ney Latorraca, entre outras personalidades que conheceram o projeto e também abraçaram a nossa luta!

E agora para ajudar ainda mais as autoridades envolvidas na saúde pública, os médicos e o meio acadêmico, estamos no ar com uma grande pesquisa, cujo objetivo é fazer o maior retrato do país sobre o conhecimento a respeito de HIV/Aids, o comportamento sexual dos brasileiros e as barreiras que ainda precisamos ultrapassar para aumentar o controle sobre o problema. Todos podem participar respondendo ao questionário em www.atitudeabril.com.br/pesquisa

Esse movimento acontecerá por todo o ano de 2014. Este foi apenas o primeiro post desde canal, que reunirá outras vozes para puxar as diferentes discussões que envolvem o tema.

Todos estão convidados a participar! =)

Podemos fazer a diferença nessa luta, pois desinformação tem cura!

www.atitudeabril.com.br

www.facebook.com.br/atitudeabril