OPINIÃO
19/03/2014 10:11 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:12 -02

Existe amor em SP

É improvável que você se apaixone à primeira vista por SP, mas você acaba cedendo depois de um tempo... É um amor difícil.

"Não existe amor em SP", canta Criolo nessa linda canção. Devo admitir que estava inclinado a concordar com ele quando me mudei de Londres para São Paulo com a minha esposa há pouco mais de dois anos.

Nos primeiros meses na cidade me senti como se estivesse vivendo em uma selva de pedra impenetrável e feia; densa e recheada de arranha-céus sem graça. Além disso, havia o trânsito, os rios fedorentos e as catracas dos ônibus, que me intrigam até hoje.

Grande parte das minhas experiências está no meu blog, o the book is on the table, que comecei a escrever depois que a minha esposa e a minha cunhada disseram que minhas observações meio rabugentas e tipicamente britânicas apresentavam uma perspectiva divertida da vida de um estrangeiro em São Paulo.

Mas seis meses depois algo estranho começou a acontecer: eu comecei a ficar mais na defensiva e parecia que eu estava mesmo gostando do meu novo lar.

Em primeiro lugar, comecei a perceber que grande parte das minhas queixas sobre a vida em São Paulo tinha mais a ver com as minhas próprias dificuldades de adaptação do que com a cidade em si. Concluí que comparar a vida em Sampa com a que eu tinha em Londres não era bom para a saúde mental. Você acaba se tornando amargo e infeliz, e esse também é o caminho mais rápido para fazer você sentir ainda mais saudades de casa.

Então um amigo meu do Reino Unido veio para o Brasil e viajamos do Rio até Buenos Aires. No caminho encontramos uma porção de viajantes do mundo inteiro e quando eu dizia que morava em São Paulo, a primeira reação geralmente era: "Mas por que você está morando lá?". Logo em seguida vinham as observações negativas de que Sampa era uma cidade terrível e triste; uma versão moderna de Sodoma e Gomorra:

"Eu não moraria lá"

"Lá tem [trânsito / poluição /carros / pessoas] demais"

"Não é uma cidade turística, não há nada para ver e nada legal para fazer."

"É apenas uma cidade grande e feia".

"É muito perigoso".

E foi aí que eu comecei a defender Sampa, apresentando uma lista com tudo o que São Paulo tinha a oferecer para mostrar que ela era de fato uma cidade muito legal. Meu principal argumento era que Sampa talvez não fosse uma cidade para visitar, mas sim para morar.

Acho que o maior problema é que SP não é uma cidade que te cativa imediatamente como o Rio, por exemplo. Infelizmente, poucos querem (ou podem) desbravar a cidade (até mesmo os próprios paulistanos são culpados disso). Se o fizessem as pessoas perceberiam a verdadeira beleza do lugar. Em São Paulo a beleza definitivamente não está na superfície.

Descobri isso ao explorar Sampa a pé, algo que nem sempre é fácil em uma cidade que é tão viciada em carros e tão hostil com os pedestres. No entanto, 'andar', como observa o psicogeógrafo e escritor britânico Iain Sinclair, 'é a melhor maneira de explorar (nas duas acepções da palavra) a cidade, permitindo que um padrão subjacente se revele'.

Para pessoas como Sinclair e, suponho, eu mesmo, andar não é apenas ir de A até B, mas redescobrir o que está entre A e B.

E foi a pé que a minha indiferença tornou-se afeto genuíno. Passear no nível da rua me mostrou as maravilhas do vasto horizonte de São Paulo, algo que muitas vezes domina e assusta quem a visita pela primeira vez.

Passeando uma vez ao longo da Avenida Paulista com a minha cunhada, eu me lembro dela dizendo que morar e trabalhar em São Paulo faz você se sentir um "cidadão do mundo" -- uma pequena parte de algo grande e importante.

E é verdade. Eu adoro me aventurar no campo, mas as cidades me fascinam por serem artificiais e simbolizarem a complexidade da condição humana. Em seu livro 'A arte de viajar', Alain de Botton fala do conceito de sublimidade em relação aos lugares que, 'suavemente nos fazem reconhecer as limitações que em outros casos poderíamos encarar com ansiedade ou raiva em um fluxo normal de eventos'. Em outras palavras, um lugar que faz você se sentir pequeno e que faz você relativizar suas aflições diárias. Enquanto a maioria das pessoas pensaria em um desfiladeiro, um deserto, ou uma floresta tropical, para mim foi a complexidade de uma megalópole como São Paulo que fez com que eu me sentisse assim.

Não é só a cidade em si que é sublime. Sampa é caldeirão de cultura e entretenimento - vários museus e galerias, teatro e balé no Municipal ou o fato de que, musicalmente falando, a cidade está sempre na lista de qualquer artista na América do Sul. São Paulo às vezes me lembra Londres. E, claro, aqui é um paraíso para quem gosta de comer - minha opção favorita é a coxinha (com catupiry).

As ruas são como uma tela viva: o vazio deixado pela ausência dos outdoors foi preenchido pela raiva expressa na pichação, mas também na arte de rua, cuja qualidade e quantidade colocam a cidade entre as melhores, se não a melhor do mundo para o graffiti. E não nos esqueçamos das calçadas, que mesmo sendo uma parte negligenciada e fragmentada da topografia da cidade, muitas vezes apresentam orgulhosamente a forma geográfica do estado.

E o mais incrível: até críquete eu posso jogar aqui.

Então, existe amor em SP? Talvez não para os iniciantes, que podem se sentir intimidados pela cidade. E para aqueles que vivem aqui: bem, acho que a vida pode ser bastante frustrante também. No entanto, encontre um tempinho para explorá-la e você vai encontrar sua verdadeira beleza.

É improvável que você se apaixone à primeira vista por SP, mas você acaba cedendo depois de um tempo... É um amor difícil.