OPINIÃO
16/04/2014 09:49 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:23 -02

Briga no TUF pode manchar o MMA (VÍDEO)

Mesmo anunciada há tempos, a briga surpreendeu a todos pela repercussão negativa, pois as cenas exibidas mostraram atitudes impensadas por parte de atletas profissionais.

Reprodução/YouTube

No domingo passado (13 de abril), a Rede Globo finalmente levou ao ar, no seu reality show TUF - The Ultimate Fighter, a esperada briga do brasileiro Wanderlei Silva com o estadunidense Chael Sonnen, treinadores da terceira temporada. Mesmo anunciada há tempos, a briga surpreendeu a todos pela repercussão negativa, pois as cenas exibidas mostraram atitudes impensadas por parte de atletas profissionais.

No ponto alto de tensão da discussão, ambos lutadores foram para 'vias de fato' no chão do ginásio. Sonnen empurrou Wanderlei, que partiu para cima e disparou um cruzado, mas o norte-americano se esquivou e deu um takedown no brasileiro. Com os dois agarrados, o primeiro a entrar na confusão foi o assistente técnico de Wanderlei, André Dida, que aproveitou para socar Sonnen pelas costas ao invés de apartar os treinadores. Os dois times, então, entraram para dar fim ao confronto no estilo do 'deixa disso'. Dida ainda rasgou a camiseta de Sonnen e a exibiu como troféu no vestiário. O bafafá durou o tempo suficiente para arranhar a imagem do esporte, que tanto luta para se desvencilhar do estigma do vale-tudo, das pancadarias nas areias das praias ou nas portas de boates que foram notícia nas décadas passadas.

"Achei totalmente negativo (a briga). Uma coisa que não precisava ter acontecido, sei que rivalidade acontece entre os dois e houve uma provação mútua, e acabou acontecendo isso. Não pode ser aceitável de jeito nenhum e ficou feio os comentários que a gente acabou vendo. Acho que foi uma atitude bem errada", respondeu Júnior Cigano, ex-campeão dos pesados do UFC, ao questionamento do blog durante coletiva de imprensa que anunciou a sua luta contra o norte-americano Stipe Miocic como evento principal da noite de finais do TUF, dia 31 de maio, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

Em conversa com o blogueiro e especialista em MMA Jorge Corrêa, do UOL, fica evidente que o pega de Wanderlei e Sonnen prejudicou o esporte. "Na verdade, já manchou (o esporte). Agora, temos de pensar em como limpar essa mancha. O MMA não pode se dar ao luxo de um tropeço como este. São anos trabalhando para acabar com o ranço da época do vale-tudo e dos pitboys para dar esse passo para trás. Mas sou um otimista. É um passo para trás para dar cinco para frente. Escancarou que é preciso mudar muita coisa ainda e os mais jovens que viram aquilo vão mudar o panorama daqui para frente. Ainda há uma mentalidade de violência por trás do esporte. É pouca, mas ainda existe. É isso que precisamos atacar", pregou o blogueiro.

Por meio de um vídeo, em que faz um tour pelo ginásio do TUF, Chael Sonnen disse que "foram mais do que palavras. Quando eu e Wanderlei olharmos para trás, de todos os lugares que poderíamos ter tido a discussão, decidimos ter esta discussão no único lugar que não faz sentido, sobre o concreto. Estamos bravos um com o outro neste momento, mas algum dia vamos ver que atuamos como idiotas".

O blog tentou contato com Wanderlei Silva por telefone, mas ele não atendeu. Pelo twitter, o lutador argumentou que Sonnen "só fala mal de mim o tempo todo, mas na frente das câmeras ele se faz de bom moço, educado. Não consigo fazer o mesmo, não sou falso". Já André Dida, em entrevista ao site americano MMA Fighting, justificou sua incursão na briga: "Sou um treinador, tenho minha própria academia e sempre falo para as pessoas não fazerem algo desse tipo. Minha intenção era separá-los, mas tinha que fazer algo. Foi por instinto. Sonnen tem uma reputação ruim no Brasil, ele falou besteiras sobre todo mundo, então é complicado me arrepender. Queria separá-los, mas vi Sonnen tentando socar (o Wand) e percebi que precisava tirá-lo dali o mais rápido possível. Nunca deixaria o Wanderlei numa situação ruim na minha frente. Soquei o Sonnen para fazê-lo parar, mas ele não parou. Tentaram me tirar dali, mas voltei e o soquei de novo. Muitas pessoas me chamaram de covarde, mas isso não é verdade. Eu seria um covarde se não tivesse feito nada."

No próximo episódio do reality (domingo, 20 de abril), o mandatário do UFC, Dana White, deve expulsar André Dida do programa para tentar minimizar as consequências do ocorrido. Já é tarde. A briga pode abrir chance para que autoridades contrárias ao MMA fortaleçam seus discursos de que não se trata de esporte e que ele incentiva a violência. Motivo eles ganharam com a imprudência que Wanderlei e Sonnen cometeram. É triste, sou amante do esporte e praticante de taekwondo. Sei que a filosofia do respeito e disciplina prevalece, mas basta uma fagulha do impulso briguento para colocar tudo por água abaixo.

Obs.: A luta entre Wanderlei Silva e Chael Sonnen foi transferida para o UFC 175, dia 5 de julho, em Las Vegas (EUA).