OPINIÃO
01/07/2015 15:21 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:34 -02

Todo conhecimento é inacabado

Paulo Freire deixou explícita a sua consciência de que todo conhecimento é inacabado, no sentido de que é um processo que se desenvolve continuamente, incorporando novos elementos e jamais deixando de questionar, sobretudo a si mesmo.

Getty Images
Concept about the modern life

No post anterior apresentei o prefácio de Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa, de Paulo Freire. Como o objetivo deste blog é explicar o livro detalhadamente, este e os próximos dois posts vão apresentar as ideias gerais da introdução, que Paulo Freire chamou de Primeiras Palavras.

Nesse capítulo introdutório, Paulo Freire faz um convite para que o leitor crítico interfira no seu texto e incorpore novos elementos na análise.

E ao justificar a retomada de temas que ele já havia analisado nos livros anteriores, ele explica, inclusive de forma coerente com a sua pedagogia, que o que ele faz não é simplesmente repetir o que já havia escrito; porque o seu próprio pensamento se transformou, as suas ideias se desenvolveram no decorrer dos anos e tudo isso o levou a rever as suas próprias reflexões, sob novos ângulos.

Ou seja, ele deixou explícita a sua consciência de que todo conhecimento é inacabado, no sentido de que é um processo que se desenvolve continuamente, incorporando novos elementos e jamais deixando de questionar, sobretudo a si mesmo.

Confira o vídeo.

A série de vídeos Pedagogia da Autonomia, de Paulo Freire, vai explicar didaticamente os princípios da pedagogia freireana. Para acompanhar os vídeos, inscreva-se no meu canal no YouTube ou favorite este blog para receber as notificações.