OPINIÃO
21/07/2015 17:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02

Sala de aula deve ser um ambiente de ensino e pesquisa

teacher student class

Não há ensino sem pesquisa e nem pesquisa sem ensino. O questionamento, a busca e a aprendizagem fazem parte da natureza da prática docente.

Nas instituições de ensino superior é comum a presença do professor pesquisador, aquele que atua nas atividades de produção científica, ensino e extensão. Contudo, Paulo Freire argumenta que não é só na pós-graduação que a pesquisa é realizada. Na verdade, o ato de pesquisar não é algo a ser acrescentado ao ensino, porque a pesquisa faz parte da própria definição de ensinar.

Da preparação da aula à orientação dos seminários em que os alunos apresentam os seus trabalhos, o professor está sempre descobrindo coisas novas e aprendendo. Seja qual for a disciplina, os avanços científicos e as novas interpretações sobre os fenômenos da realidade transformam os conhecimentos ano a ano.

É nesse sentido que o saber não pode ser entendido como uma questão meramente cumulativa - ou, nas palavras de Paulo Freire: bancária. O conhecimento é dinâmico, os saberes são constantemente superados e, por isso, por mais que saiba, o educador está sempre aprendendo.

O professor pode aprender muito mais sobre os conteúdos de sua própria disciplina no decorrer do ano. Mas é necessário que, em sua formação permanente, ele se perceba como pesquisador e assuma a dimensão da pesquisa com os estudantes.

Veja mais no vídeo

A série Pedagogia da Autonomia apresenta didaticamente cada um dos capítulos e subcapítulos do livro de Paulo Freire. Para acompanhar os vídeos, inscreva-se no canal do prof. André Azevedo da Fonseca no YouTube ou favorite este blog para receber as notificações.

Confira a lista completa dos vídeos sobre Paulo Freire