OPINIÃO
14/07/2015 18:31 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:40 -02

Professores e alunos não se reduzem à condição de objetos um do outro

Getty Images/Blend Images

Um dos saberes indispensáveis que o educador deve incorporar desde o princípio de sua própria formação docente, assumindo-se também como sujeito, é a noção de que ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou construção.

É preciso ficar claro que, ainda que diferentes entre si, professores ensinam e aprendem com os alunos; e alunos aprendem e ensinam com os professores. A sala de aula pode se tornar um espaço para que o próprio professor, junto com os estudantes, também aprenda mais sobre o conteúdo da disciplina.

É claro que o professor conhece o objeto de estudo melhor do que os alunos quando o curso começa; mas ele reaprende através dos processos de reestudá-lo e discuti-lo nas aulas, revisar e corrigir os trabalhos dos estudantes e incorporar as novas referências que eles trazem.

É nesse sentido que ensinar não é transferir informação de modo unilateral, encher a cabeça dos alunos de conteúdos, como se eles fossem uma vasilha. Não há docência sem discência: as duas se explicam e seus sujeitos, apesar das diferenças, não se reduzem à condição de objetos um do outro.

Veja mais no vídeo

A série Pedagogia da Autonomia explica didaticamente os princípios da pedagogia freireana. Para acompanhar os vídeos, inscreva-se no canal do prof. André Azevedo da Fonseca no YouTube ou favorite este blog para receber as notificações.

Confira o primeiro post da série Pedagogia da Autonomia, de Paulo Freire