OPINIÃO
07/02/2017 18:05 -02 | Atualizado 07/03/2017 15:48 -03

Ensinar exige a convicção de que a mudança é possível

Neste vídeo sobre 'Pedagogia da Autonomia', de Paulo Freire, mostro a ideologia que sustenta as políticas de distribuição desigual de oportunidades.

Em vídeo, colunista explica as bases da 'Pedagogia da Autonomia', de Paulo Freire.
Divulgação
Em vídeo, colunista explica as bases da 'Pedagogia da Autonomia', de Paulo Freire.

Um dos princípios pedagógicos mais importantes, principalmente para o professor que trabalha com alunos de famílias de baixa renda, é a consciência de que a História é uma possibilidade e que nenhuma realidade social é imutável. É por isso que o papel do estudante não é apenas o de quem observa como as coisas são, mas o de quem participa ativamente da construção do conhecimento e da História.

Não tem sentido uma pedagogia que faz o elogio da resignação e ensina alunos de famílias de baixa renda a simplesmente aceitarem a se manter no seu lugar, como se o seu destino já estivesse sido decretado por alguma ordem social imutável. Não tem sentido instruir os alunos a simplesmente se adaptarem à sua condição e aceitarem, calados, a negação de sua vida.

Sabe quando ouvimos por aí que alunos de baixa renda deveriam fazer cursos técnicos e profissionalizantes, tornando-se mão-de-obra eficiente, enquanto alunos de escolas particulares devem fazer ensino superior, pós-graduação e MBA para se tornarem líderes, empresários e empreendedores?

É claro que não há nada indigno no ensino técnico, assim como não há garantia de que o ensino superior assegura para todos uma carreira dos sonhos.

O que está em questão, neste capítulo de Pedagogia da Autonomia, de Paulo Freire, é a ideologia que sustenta as políticas de distribuição desigual de oportunidades.

Veja mais no vídeo

Conheça a série de vídeo Pedagogia da Autonomia, de Paulo Freire.

*Este artigo é de autoria de colaboradores do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o Huffington Post é um espaço que tem como objetivo ampliar vozes e garantir a pluralidade do debate sobre temas importantes para a agenda pública.

Ideb: Como está a educação no seu Estado?