OPINIÃO
08/07/2015 19:32 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

A escola precisa de liberdade, diversidade e ética

Para Paulo Freire, a resposta começa com o rigor ético do educador. Aquela ética que condena o cinismo, os preconceitos e que não admite as práticas de denunciar por ouvir dizer; de acusar alguém de ter dito algo que ele não disse; e de cometer falso testemunho para induzir o outro a acreditar em uma determinada opinião.

mangostock via Getty Images

No post anterior explico em que medida toda educação é política e de que modo a comunidade escolar pode transformar uma escola autoritária a partir de um projeto político-pedagógico democrático.

Nesse post prosseguimos o questionamento: qual a solução pedagógica para a questão dos condicionamentos ideológicos nas práticas educativas, presentes sobretudo naquelas que se dizem neutras?

Para Paulo Freire, a resposta começa com o rigor ético do educador. Aquela ética que condena o cinismo, os preconceitos e que não admite as práticas de denunciar por ouvir dizer; de acusar alguém de ter dito algo que ele não disse; e de cometer falso testemunho para induzir o outro a acreditar em uma determinada opinião.

"Posso não aceitar a concepção pedagógica deste ou daquela autora e devo inclusive expor aos alunos as razões por que me oponho a ela mas, o que não posso, na minha crítica, é mentir", escreve Paulo Freire.

E ao lado da ética, a solução está também na liberdade e na diversidade das abordagens que a escola deve promover.

De acordo com Paulo Freire, é não só interessante, mas profundamente importante que os estudantes percebam as diferenças de compreensão dos fatos. É necessário que eles tenham acesso às várias interpretações, nas mais diversas disciplinas, para que tenham condições de relacionar, refletir e formular as suas críticas com autonomia.

Veja mais no vídeo:

A série Pedagogia da Autonomia explica didaticamente os princípios da pedagogia freireana. Para acompanhar os vídeos, inscreva-se no canal do prof. André Azevedo da Fonseca no YouTube ou favorite este blog para receber as notificações.

Confira o primeiro post da série Pedagogia da Autonomia, de Paulo Freire