OPINIÃO
10/05/2014 09:15 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:28 -02

Brasil deve receber ficha criminal de torcedores argentinos para a Copa

Se por um lado o direito de ir e vir não pode ser negado a um cidadão em dia com a justiça, a rivalidade entre Brasil e Argentina no futebol reforçaria a probabilidade de comportamento agressivo.

Reprodução

Desde que cheguei na Argentina, há três meses, ouço o povo dizer, muy entredente, que o Brasil teria pedido ao país vizinho a folha corrida dos torcedores hermanos que iriam ao Mundial. A fama e o retrospecto de violência nos estádios e arredores entre as torcidas organizadas - barrabravas, por aqui - chegam a superar o grau de agressividade dos torcedores ingleses, avalia meu colega antropólogo, Javier Bundio, que faz sua pesquisa de doutorado justamente analisando o comportamento dos "hinchas" organizados. Ele também conta que, em média, 6 torcedores são mortos a cada ano em episódios de violência protagonizados pelos barrabravas.

Esse pedido de informações sobre torcedores violentos, que resultaria num possível bloqueio de ingresso ao Brasil, sempre me soou folclórico. Até que, na última terça (6), cerca de 300 torcedores da Hinchadas Unidas Argentinas (HUA - como uma entidade de classe das torcidas organizadas) protestaram em frente à sede da AFA (Asociación de Fútbol Argentino) pedindo que as autoridades brasileiras não tivessem acesso aos antecedentes criminais dos torcedores.

A advogada da HUA chegou a entrar com um recurso para evitar o envio dessas informações à Polícia Federal brasileira, mas a juíza do caso decidiu que o Estado Nacional da Argentina leve adiante o fornecimento dos dados. Há torcedores que dizem, inclusive, já haver comprado passagem e reservado estadia no Brasil para o período da Copa. Conseguirão passar pela fronteira?

O assunto foi amplamente comentado em vários meios locais e divide as opiniões. Se por um lado o direito de ir e vir não pode ser negado a um cidadão em dia com a justiça, mesmo que tenha cumprido alguma pena, a rivalidade entre Brasil e Argentina no futebol reforçaria a probabilidade de o comportamento agressivo desses torcedores se repetir durante a Copa, colocando em risco a segurança do evento.

Pode se tornar uma questão de diplomacia?