OPINIÃO
03/08/2018 12:34 -03 | Atualizado 03/08/2018 13:34 -03

James Hetfield, 55 anos: 5 curiosidades que talvez você não saiba sobre o líder do Metallica

Estreia como ator no cinema, gosto por chimarrão, apresentação de música de Adele e mais.

WireImage
Hetfield completa 55 anos nesta sexta-feira (3).

O frontman do Metallica, James Hetfield, completa 55 anos nesta sexta (3).

Para celebrar a vida e a obra de um dos caras mais importantes do rock mundial, contamos algumas curiosidades que talvez você não saiba (ou não se lembre, dependendo da sua idade).

1. Fraturas e incidentes

Hetfield costumava andar de skate, especialmente no começo da banda. No entanto, dois pequenos acidentes do vocalista com o "carrinho", um em 1986 e outro em 1987, o impossibilitaram de tocar por algum tempo.

Mas o incidente mais grave aconteceu em 1992 - justamente no anivesário dele! - , quando o cara se queimou com a pirotecnia do palco, durante a turnê do Black Album.

Nas duas ocasiões, Hetfield se limitou a cantar sendo substituído na guitarra por John Marshall (Metal Church e ex-roadie da banda). O guitarrista do Sepultura, Andreas Kisser, conta aqui que fez alguns testes e quase tocou com o Metallica na época. Imagina que bacana seria!

2. "Rehab" e o quase (triste) fim do Metallica

Os fãs mais fervorosos da banda lembram bem quando, após a saída do baixista Jason Newsted e dos contestados ábuns Load e Reload, a banda entrou numa maré bem ruim, que culminou com a ida de Hetfield para a reabilitação e as constantes brigas entre os integrantes. Tudo isso em meio as gravações de um novo álbum - o mais contestado ainda St. Anger e do documentário Some Kind of Monster.

Depois de voltar da "rehab", a equipe que tratou Hetfield estipulou um limite de horas para que o frontman pudesse gravar o álbum - o restante do dia seria dedicado à família.

Na cena abaixo, retirada de Some Kind, dá para notar bem o clima de insatisfação do baterista Lars Ulrich.

3. James e suas "puladas de cerca" - Country e Adele?

Um dos motivos da saída de Jason Newsted do Metallica foi o desejo do cara de explorar outras coisas fora da banda - eu sei que existem outros vários, mas fica para outro texto -, algo "proibido" no grupo. Hetfield parece não se importar muito com essa "regra".

O cara já participou do tributo ao Freddie Mercury, tocando com os remanescentes do Queen e o guitarrista do Black Sabbath, Tony Iommia faixa Stone Cold Crazy, como você vê no vídeo abaixo.

Hetfield é pai de três filhos, e a mais velha, Cali Hetfield, tem um vozeirão e é acompanhada pelo pai nos eventos do Acoustic for a Cure, idealizado pelo músico junto com Sammy Hagar a fim de colaborar com o programa de Oncologia Pediátrica da UCSF Benioff Children's, nos Estados Unidos.

Nestas apresentações, Hetfield toca várias músicas de outros artistas, mas no vídeo abaixo você verá ele tocando (pasme!) Adele, em 2014.

Além disso, o cara já gravou uma canção country no disco I've Always Been Crazy, tributo ao cantor Waylon Jennings, de quem James é muito fã.

4. Estreia no cinema com diretor de Some Kind of Monster

Dos tempos do conturbado documentário Some Kind (citado acima), ficou a amizade com Joe Berlinger, um dos diretores. Por conta isso, Hetfield fará sua estreia no cinema em um filme do diretor, chamado Extremely Wicked, Shockingly Evil, And Vile, que mostra a história de Ted Bundy, famoso serial killer norte-americano, e sua namorada, Lily Collins, que não sabia dos crimes do companheiro.

O vocalista do Metallica vai interpretar o policial Bob Hayward, de Utah, primeiro a prender o Ted em 1975. Zac Efron será o protagonista. Veja a imagem dos personagens - e de Hatfield - no vídeo abaixo.

O longa ainda não tem previsão de estreia nos cinemas.

5. Gosto por chimarrão?

Depois de se internar e abolir o consumo de álcool, Hetfield pegou gosto pelo mate argentino e foi "flagrado" no clipe da música Atlas, Rise!, do disco Hardwired... To Self-Destruct, lançado em 2016, se deliciando com um chimarrão ao som de Engenheiros do Hawaii (ok, essa última parte é mentira).

Reprodução/YouTube

Na verdade, o gosto pelo mate foi adquirido graças a esposa Francesca, que é argentina. No país dos "hermanos", o chimarrão é chamado de mate e, geralmente, sorvido em cuias menores que no Rio Grande do Sul.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.