OPINIÃO
24/02/2015 15:40 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:03 -02

Fãs de Carnaval. Só que não.

Um dos muitos jogadores lendários do meu clube preferido do Reino Unido foi alvo de um comentário que pegou: "goste ou não goste dele, você não pode ignorá-lo". Lembrei-me dessa alcunha depois do regresso de amigos e colegas do feriado prolongado do Carnaval.

dougmino/Flickr

Um dos muitos jogadores lendários do meu clube preferido do Reino Unido foi alvo de um comentário que pegou: "goste ou não goste dele, você não pode ignorá-lo". Lembrei-me dessa alcunha depois do regresso de amigos e colegas do feriado prolongado do Carnaval. Esperava uma onda de entusiasmo sobre as paradas, as festas, a loucura. Mas percebi duas correntes: uma desse gênero, de empolgação, mas outra de alívio que o Carnaval havia passado. "Corro o mais longe possível de Carnaval" foi uma frase que ouvi mais de uma vez.

Isto me surpreendeu. Como estrangeiro ignorante, a minha impressão era que o Carnaval é um tipo de passatempo nacional, como futebol ou comer pão de queijo, até mesmo uma certa forma uma obrigação nacional, como coxinhas em festas ou ver filmes de caminhoneiros loucos no Fantástico no domingo à noite. Mas, de fato, há um grupo, silencioso mas determinado, que evita Carnaval a todo o preço, cuja ideia de inferno na terra é ficar no sambódromo até as 07h da manhã.

Acho esta minoria maior que o grupo de brasileiros que arrisca a dizer que não gostam de futebol. Tenho certeza que essas pessoas existem, mas não encontrei muitos deles durante a Copa (com exceção do dia depois daquela noite de infâmia sobre qual nunca falaremos mais). Talvez haja um grupo, ainda menor, de anticarnavalistas e antifutebolistas ao mesmo tempo, que tem de existir no subsolo a risco de perder a nacionalidade brasileira.

Sobre a questão do Carnaval, ninguém fica sem opinião. Ou você gosta, ou você não gosta. É muito raro encontrar alguém indiferente. Por quê? Carnaval deixa marcas, de música, de roupa (ou falta de roupa), de emoção. É uma festa vibrante, provocadora, barulhenta, energética que domina as ruas de algumas cidades. Ame-a ou deixe-a. Mas você não pode ignorá-la.