Opinião

7 motivos para não saber o sexo do bebê

O grande dia do nascimento dos meus dois filhos se aproximava e eu estava ficando louco com a empolgação de aumentar a família e de me tornar um pai, mas também porque finalmente teria a resposta para uma pergunta muito importante - vamos ter um menino ou uma menina?

O grande dia do nascimento dos meus dois filhos se aproximava e eu estava ficando louco com a expectativa e a empolgação. Empolgação de aumentar a família e de me tornar um pai, com certeza, mas também porque finalmente teria a resposta para uma pergunta muito importante - vamos ter um menino ou uma menina?

Sim, é isso mesmo. Não quisemos saber antes. Foi uma decisão que gerou reações e opiniões divididas, para dizer o mínimo, mas é algo que eu e minha esposa defendemos 100%.

Nem sempre pensei assim. Na verdade, isso foi motivo de muitos conflitos no nosso casamento quando, seis anos atrás, tivemos nosso primeiro filho. Eu queria saber o sexo, e minha mulher, não. No começo eu fiquei ridiculamente bravo, mas ela me dizia que a supresa incrível seria e que valeria a pena. Sendo bem claro, achei que ela estava falando merda. Mas, como sempre, ela estava certa. Descobrir ali na hora foi absolutamente fantástico.

Mas, de todas as perguntas que as pessoas nos fizeram, as principais, de longe, foram:

"Como vocês podem não querer saber?"

Ou:

"Por que diabos vocês não querem saber assim que possível?"

Bem, aqui vão sete respostas:

As lendas das antigas mulheres

Na ausência de um ultrassom conclusivo, as pessoas nunca deixam de me surpreender com seus métodos para determinar se vão ter menino ou menina. As pessoas dizem que se a barriga está para cima é menina e para baixo, menino. Elas perguntam à MJ de que comidas ela tem desejo e, se a resposta é um doce, automaticamente dizem menina, enquanto algo azedo significa menino. É realmente interessante ouvir as teorias lançadas por aí por esses adivinhadores, todas elas herdadas de avós e bisavós e nunca erradas. Na verdade, em 50% das vezes eles chutam certo toda vez.

Atrasando os estereótipos burros

Se descobríssemos o sexo com 18 semanas, eu teria 22 semanas para ouvir os idiotas balbuciando sobre o significado de ter um menino ou uma menina. Especialmente quando minha mulher estava grávida do nosso segundo. Se as pessoas soubessem que seria um outro menino, seria: "Rapaz, a MJ vai ficar em minoria" e "Ah... bem, quando vocês vão tentar ter uma menina?" Se fosse uma menina, um constante: "Sei que você odeia armas, mas você vai precisar de uma quando ela começar a sair com meninos". De um jeito ou de outro, menino ou menina, odeio isso tudo. É chato, velho e muitas vezes um insulto. Não saber o sexo corta esse tipo de discussão pela raiz.

Diminui as decepções

Com certeza você pode estar torcendo por um menino ou uma menina, e o argumento costumeiro é: se você descobrir com 18 semanas, vai se livrar da decepção e terá tempo para se conformar com a realidade. Mas eu discordo. Mesmo que você torcesse por uma menina, mas vá ter um menino, e não descubra até a hora da chegada dele/dela, vai ficar tão embasbacado com o que aconteceu, tão empolgado com a felicidade do momento, que não vai estar nem aí se o sexo foi aquele que você esperava. Você vai estar só grato pela nova vida que está segurando em suas mãos. O mesmo vale para os parentes. É muito mais difícil para a sua sogra expressar decepção quando você coloca o novo neto nos braços dela.

Mais motivação na sala de parto

Essa é especialmente para as mulheres. Ouvi de fontes confiáveis que o parto é um negócio bem doloroso, como se você estivesse tentando enfiar um objeto grande num espaço bem pequeno. Mas minha mulher me disse que ficou empurrando sem parar em grande parte porque ela estava a fim de saber qual era o sexo do bebê. Quem sabe se esse grama extra de motivação não é o que falta para aquele empurrão final.

Nem rosa nem azul

Se você vai ter um menino, as pessoas compram um monte de merda azul com desenhos de bolas de futebol. Se vai ter uma menina, te garanto que vai parecer que a Barbie esquartejou a Pantera Cor-de-Rosa, e o quarto do bebê vai estar coberto de sangue rosa. E, se você é parecido comigo, vai odiar a ideia de ser rotulado. Não sabendo o sexo você força as pessoas a pensar um pouco e a considerar presentes neutros. Muitos verdes, amarelos e vermelhos - tudo sem os estereótipos de gênero de que pais como eu e MJ estamos tentando nos afastar.

As pessoas ficam irritadas

Já escrevi sobre isso, mas vale a pena repetir. Tem gente - especialmente os obcecados por controle, planejadores fanáticos desse mundo - que precisa do máximo de informação possível, em todos os momentos. E descobri que eles precisam disso não só para si mesmos - eles querem que os outros também sejam assim. Estou falando sério. Falei com gente que tem urticária quando contamos que estamos esperando para descobrir o sexo na hora do nascimento. A mera ideia de não saber os deixava em pânico. Já ouvimos que estávamos errados e que éramos ridículos por não querer saber. Deixar as pessoas pouco à vontade e ir contra as normas sociais é basicamente um emprego temporário para mim. Esse meu lado "do contra" adora quando as pessoas ficam irritadas. Experimente. Eu recomendo.

É uma surpresa incomparável

Algumas pessoas dizem que é uma surpresa sempre, não importa quando você descobrir. É verdade. Mas, para mim, nunca houve uma surpresa mais feliz, mais empolgante, mais legal que tentar achar uma posição na sala de parto para descobrir se tive um filho ou uma filha. Já é mágico assistir uma vida vindo ao mundo, e o fato de que estou descobrindo ali se tenho um novo filho ou uma nova filha só amplifica o momento exponencialmente. E depois você ainda pode anunciar para amigos e parentes que estão morrendo de curiosidade para saber e para comemorar com você. Nada se compara a essa sensação, e, se tivermos um terceiro, não vamos saber o sexo com antecedência de jeito nenhum.

É claro que todos esses conselhos não valem nada porque eu tinha 100% de certeza que a gente teria menino nas duas vezes. Eu sabia porque a barriga da MJ estava baixa.

MAIS CRIANÇAS NO BRASIL POST:

Crianças experimentando coisas pela primeira vez