POLÍTICA
04/01/2019 19:04 -02 | Atualizado 04/01/2019 19:04 -02

Bolsonaro se 'equivoca' ao falar sobre alterações no IOF e imposto de renda

Presidente tinha afirmado que aumentaria IOF e que poderia reduzir imposto de renda, mas secretário da Receita negou informação.

ASSOCIATED PRESS

O presidente "se equivocou". Assim o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, justificou as informações desencontradas dadas pelo governo em poucas horas sobre o possível aumento do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e redução do imposto de renda.

Entenda a confusão:

1. Avaliação

Tudo começou quando a Folha de S. Paulo publicou uma reportagem dizendo que Jair Bolsonaro avaliava elevar a alíquota do IOF para crédito pessoal, hoje em 0,38%, para compensar a prorrogação até 2023 dos incentivos fiscais para a Sudam (Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia) e a Sudene (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste). A decisão sobre os incentivos ao Norte e ao Nordeste pode aumentar os custos do governo em R$ 3,5 bilhões por ano.

2. Confirmação

Pela manhã, jornalistas questionaram Bolsonaro sobre a possibilidade do aumento no imposto e o presidente disse que "infelizmente foi obrigado a tomar essa decisão". Ele não chegou a dar o valor do aumento, mas disse que o percentual era "mínimo".

3. E tem mais...

Só que Bolsonaro foi além e disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, também anunciaria nesta sexta (4) a possibilidade de diminuir a alíquota do imposto de renda.

"É uma ideia inicial agora, ele acabou de anunciar, a mora líquida nossa é 27,5% passaria para 25%", afirmou o presidente.

4. Veja bem

À tarde, após uma reunião com Bolsonaro, o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, afirmou que não haveria aumento do IOF e nem seria alterado o imposto de renda.

Questionado sobre as declarações de Bolsonaro, ele afirmou que deve ter ocorrido "alguma confusão". "Ele não assinou nada. Ele sancionou o benefício e assinou um decreto limitando o usufruto desse benefício à existência de recursos orçamentários."

EVARISTO SA via Getty Images

5. "Equívoco"

No fim do dia, Lorenzoni tentou explicar o que aconteceu aos jornalistas. Culpou primeiro o vazamento da informação à imprensa, já que as modificações ainda estavam sendo estudadas. Mas confrontado com as declarações do próprio presidente, o ministro da Casa Civil soltou: "Ele se equivocou, ele assinou a continuidade do projeto da Sudam e da Sudene".

"Quando nós verificamos que entre as soluções esta era inaceitável pelo ministro da Economia e por nós, porque havia um compromisso de não aumentar impostos, nós colocamos toda a equipe, que encontrou uma solução que dá tranquilidade ao presidente e que não traz nenhum aumento de impostos", disse Onyx.

6. Como ficamos

É isso aí. Por enquanto, sem aumento no IOF e sem redução no imposto de renda.