04/01/2019 00:00 -02 | Atualizado 04/01/2019 00:00 -02

Amanda Brito, a dona da ferramenta que constrói destinos acessíveis

“As pessoas precisam ver que o outro também tem o direito de estar ali e viver uma vida tão boa quanto qualquer um."

Valda Nogueira/Especial para o HuffPost Brasil
Amanda Brito é a 303ª entrevistada do

Quando Amanda Brito nasceu em Feira de Santana (BA) os médicos disseram que sua expectativa de vida era de dois meses de idade. Portadora da doença Osteogenesis Imperfecta, conhecida popularmente como "ossos de vidro", ela rompeu várias barreiras graças a tratamentos e suporte familiar. Hoje, aos 31 anos, é uma referência para outras pessoas portadoras da patologia ou que, de alguma forma, têm mobilidade reduzida. Dona do blog "Destinos Acessíveis", Amanda também é administradora concursada em uma empresa pública e ministra palestras sobre gestão de carreira e desenvolvimento humano. Um exemplo e uma referência, alcunhas que ela não vê problemas em carregar.

O concurso público nunca foi a via principal de estabilidade profissional de Amanda. Ainda na faculdade, ela conta que passou por vários processos seletivos em empresas privadas, mas que era reprovada em todos eles. No currículo, o mesmo nível de inglês, e presença em cursos e seminários que seus colegas, mas eles sempre eram aprovados -- diferente dela. No último semestre da graduação, decidiu que teria que fazer concursos públicos caso quisesse exercer a profissão que havia escolhido, e elegeu a Petrobras como empresa que se dedicaria a ingressar -- objetivo que alcançou há dois anos.

Não é um problema ser referência, porque é uma forma de fortalecer essas pessoas como eu.

Valda Nogueira/Especial para o HuffPost Brasil
Filha caçula e única delas com deficiência, Amanda também conta que sua mãe sempre foi "mega protetora".

Dos três aos 18 anos, Amanda e a mãe moraram em Catú, também na Bahia, com os avós maternos dela. Naquela casa, ela relembra, era superprotegida a todo o tempo. Alguns elementos dessa criação foram um pequeno entrave quando, aos 18 anos, as duas tiveram de deixar a casa cheia e se mudarem para a capital, Salvador, para que Amanda pudesse cursar a faculdade de administração. "Era um nível de dependência máximo, eu não sabia fazer nem meu café sozinha. Eu vivia rodeada de pessoas, e eu achava super legal. As pessoas me carregavam para a escola, para o curso. De manhã, tarde e noite tinha gente na rua. Quando fui para Salvador, tive que me acostumar a ficar sem isso", relembra.

Filha caçula e única delas com deficiência, Amanda também conta que sua mãe sempre foi "mega protetora", e que antes de se mudar para o Rio, há dois anos, elas enfrentaram momentos difíceis, da mãe ter de se acostumar com a filha morando sozinha, em um primeiro momento, e depois morando sozinha em outro estado. Apesar de entender que a superproteção tem aspectos negativos, Amanda reconhece que sua rede de apoio foi fundamental na construção e fortalecimento da sua personalidade.

Fortaleci a minha auto-imagem como alguém que poderia, sim, conquistar o que quisesse.

Valda Nogueira/Especial para o HuffPost Brasil
Fortalecimento emocional foi fundamental para Amanda enfrentar um mundo ainda rodeado de preconceitos.

"Quando criança, eu não entendia que havia uma diferença entre mim e outras pessoas, porque todos em volta de mim queriam estar comigo, então quando alguém me olhava de forma diferente, eu achava que estranha era a pessoa. Quando cheguei na adolescência, comecei a ver que era realmente mais difícil, e que existia de fato alguma coisa que me separava muito dos outros", relembra a administradora.

Com as questões que surgiram na adolescência, Amanda entrou em depressão e fez durante um ano e meio acompanhamento psicológico, inclusive com a ajuda de medicamentos, para lidar com toda essa situação. Mas hoje, ela reconhece que vencer essa etapa foi fundamental, também: "Fortaleci a minha auto-imagem como alguém que poderia, sim, conquistar o que quisesse".

Fortalecimento foi fundamental para enfrentar um mundo ainda rodeado de preconceitos. Amanda explica ao HuffPost Brasil que, em geral, a sociedade coloca a mulher cadeirante em um dos seguintes extremos: o da infantilização, onde o interlocutor a trata como uma criança e fala palavras no diminutivo, ou o da marginalização, onde ela é excluída de espaços.

Acho que para além das questões arquitetônicas, o maior problema são as pessoas.

Valda Nogueira/Especial para o HuffPost Brasil
Há cerca de três meses, Amanda casou-se com Fabiano, que conheceu em Salvador e topou ir com ela para o Rio de Janeiro.

"Acho que para além das questões arquitetônicas, o maior problema são as pessoas. Em termos de inclusão, hoje eu vivo o melhor dos mundos, mas antes, em outros empregos, foi uma luta, porque eu estava sempre nesses extremos de infantilizar ou marginalizar. Até eu desconstruir aquele pós-conceito, porque já estava formado a partir de uma ideia, era uma luta. Foi uma luta", afirma.

Há cerca de três meses, Amanda casou-se com Fabiano, que conheceu em Salvador e topou ir com ela para o Rio de Janeiro quando ela foi convocada pelo concurso público. Com tantos objetivos profissionais e pessoais alcançados, a administradora gosta de ressaltar, entretanto, que sua vida não é só sobre discussão de acessibilidade. No seu próprio blog, por exemplo, ela já começa a discutir questões sobre carreira e negócios, mas não rechaça a ideia de ser uma referência.

"Não é um problema ser referência, porque é uma forma de fortalecer essas pessoas como eu. São muitas dificuldades quando as mães, por exemplo, veem pelo que seus filhos passam, de não poder brincar com outras crianças porque os pais não permitem. Sei o quanto poderia ser diferente para a minha mãe se ela tivesse encontrado alguém como eu, que tivesse conseguido realizar seus objetivos profissionais, de vida. Isso é muito bacana", contextualiza a administradora.

Eu não gosto de falar em tolerância porque quando você fala de tolerância parece que está suportando o outro.

Valda Nogueira/Especial para o HuffPost Brasil
"As pessoas precisam ver mesmo, porque assim veem que o outro também tem o direito de viver uma vida tão boa quanto qualquer um."

Profissionalmente, hoje Amanda atua com educação corporativa. Uma espécie de extensão do que ela deseja para o mundo, já que o trabalho consiste em lidar diretamente com a evolução dos profissionais: "Transformar o outro por meio da educação é fantástico. É fantástico ver a evolução do outro e o que ele se torna quando começa aplicar o conhecimento adquirido".

Em relação aos preconceitos, Amanda é firme ao apontar que ainda temos muito a avançar, e que o cerne da desconstrução de preconceitos é entender que todos os seres humanos são diferentes. E que é primordial lidar com tais diferenças.

"Eu não gosto de falar em tolerância porque quando você fala de tolerância parece que está suportando o outro. Eu acho que simplesmente devemos respeitar a existência do outro e entender que ele também tem o direito de existir e estar ali", define. E completa: "Não importa para mim que meus objetivos alcançados sejam vistos como dignos de admiração, esse não é um problema. As pessoas precisam ver mesmo, porque assim veem que o outro também tem o direito de viver uma vida tão boa quanto qualquer um", finaliza.

Ficha Técnica #TodoDiaDelas

Texto:Lola Ferreira

Imagem: Valda Nogueira

Edição: Andréa Martinelli

Figurino: C&A

Realização: RYOT Studio Brasil e CUBOCC

O HuffPost Brasil lançou o projeto Todo Dia Delas para celebrar 365 mulheres durante o ano todo. Se você quiser compartilhar sua história com a gente, envie um e-mail para editor@huffpostbrasil.com com assunto "Todo Dia Delas" ou fale por inbox na nossa página no Facebook.

Todo Dia Delas: Uma parceria C&A, Oath Brasil, HuffPost Brasil, Elemidia e CUBOCC.