ENTRETENIMENTO
02/01/2019 08:39 -02 | Atualizado 02/01/2019 12:05 -02

14 ótimas parcerias da música brasileira para você lembrar de 2018 com carinho

Artistas de universos distintos uniram forças em 2018 e entregaram pérolas que não merecem ser esquecidas.

Montagem/Divulgação/Instagram
Novos nomes e veteranos da cena nacional abraçaram parcerias prodigiosas em 2018.

Parceria musical é uma prática no mercado fonográfico que ajuda a ampliar a visibilidade de um artista para além de seu público e do gênero pelo qual seu trabalho é conhecido. Trata-se de uma união de talentos a fim de alcançar um número maior de ouvintes. Nessa empreitada, ganham artistas e também os fãs - que acabam descobrindo novas facetas de seus ídolos.

O ano de 2018 foi positivo nesse cenário. Bambas da cena nacional entraram em estúdio com jovens promessas, veteranos gravaram juntos pela primeira vez, rappers e estrelas do pop e do funk se aliaram a talentos da nova MPB...

O resultado desses experiências? Músicas que combinam de forma singular criatividade e técnica – e que são, por fim, amostras do potencial da música popular brasileira.

A seguir, o HuffPost Brasil elenca 14 parcerias lançadas ao longo do ano – acompanhadas de curiosidades - que merecem ser ouvidas uma vez mais.

1. Eu Te Avisei - Alice Caymmi e Pabllo Vittar

Alice Caymmi lançou no começo de 2018 seu terceiro álbum de estúdio, que leva seu primeiro nome, firmando-se definitivamente na cena pop nacional. Uma das agradáveis surpresas do disco é o encontro da cantora carioca com a diva drag Pabllo Vittar. Em Eu Te Avisei, as artistas usam toda a potência de suas vozes marcantes para cantar sobre a superação de um relacionamento frustrado.

2. Cuidando de Longe - Gal Costa e Marília Mendonça

Gal Costa queria juntar o subgênero sofrência com a sonoridade da black music dos anos 1970. E deu certo. O inusitado encontro da veterana da MPB com a hitmaker do sertanejo Marília Mendonça em Cuidando de Longe – composição da artista de 23 anos - é um dos pontos altos do mais recente álbum de Gal, A Pele do Futuro. A música conta ainda com backing vocal de Maria Gadú, Céu e Felipe Catto.

3. Mantra - Rubel e Emicida

Fã da discografia de Emicida, o carioca Rubel enviou uma música para o rapper propondo uma parceria. O carioca não sabia se receberia sinal positivo, mas Emicida se encantou com o refrão do que ouviu e decidiu participar da faixa. O final dessa história é a bela Mantra, uma espécie de oração por uma trajetória sã em meio ao caos contemporâneo, cantada pela dupla sobre um som envolvente de tambores africanos.

4. Ginga - Iza e Rincon Sapiência

O ano de 2018 foi de plena ascensão para Iza na cena pop. Ginga, parceria da artista carioca com o rapper paulistano Rincon Sapiência, foi o segundo single de seu álbum de estreia, Dona de Mim, e sucesso absoluto nas rádios e pistas de dança do Brasil. Dirigido por Felipe Sassi, o clipe desse R&B contemporâneo mostrou ainda que, além de cantora notável, Iza é também excelente dançarina.

5. Sol da Barra - Erasmo Carlos e Marcelo Camelo

De Portugal, onde reside, Marcelo Camelo enviou uma música que havia feito especialmente para o amigo Erasmo Carlos. Sol da Barra entrou rapidamente para o elogiado disco do Tremendão Amor É Isso, lançado em maio passado. Com letra que transita entre o reflexivo, nostálgico e romântico, a música chama a atenção também pela presença de um assovio leve, gravado a distância pelo mesmo Camelo.

6. Raízes - Negra Li e Rael

"Da Brasilândia pro Brasil inteiro / Hoje sirvo de modelo". Esse é um dos versos do rap que também intitula o mais recente álbum de Negra Li. Na parceria com Rael, a cantora revelada no grupo de rap RZO retorna ao universo do hip-hop, exaltando sua ancestralidade e declarando sem meias palavras o orgulho de ser negra. A música ganhou ainda mais profundidade com o clipe de forte apelo estético dirigido por Gabriel Duarte.

7. Escalafobética - Anelis Assumpção e Thalma de Freitas

Cascavelhice. Cozinhadorives. Docevocrata. Verdadeirização. Anelis Assumpção inventa palavras, questiona definições e amplia significados de questões do universo feminino na inventiva Escalafobética, potente parceria com a também paulistana Thalma de Freitas. A música integra o repertório do disco Taurina, no qual a filha do compositor Itamar Assumpção (1949-2003) faz as pazes com a própria história e cria um universo particular cheio de cores, sabores e texturas.

8. Vai Embora - Pabllo Vittar e Ludmilla

Curto e frenético. Pode-se definir assim o segundo álbum de Pabllo Vittar, Não Para Não, lançado em outubro passado. No caldeirão de estilos musicais em que a drag cantora mergulha, um destaques é a excelente Vai Embora, parceria com a funkeira Ludmila. Trata-se de uma mistura de trap com pagodão baiano que reflete toda a potência da música pop brasileira contemporânea.

9. Fica Tudo Bem - Silva e Anitta

Fica Tudo Bem foi uma bem-sucedida via de mão dupla. Apresentou o cantor e compositor Silva para o gigante séquito de fãs de Anitta e mostrou também uma nova faceta romântica da funkeira que é hoje a maior popstar do Brasil. Cheia de otimismo, a música tem clipe com mais de 25 milhões de visualizações no YouTube e integra o repertório de Brasileiro, quinto e elogiado disco do músico capixaba.

10. Afogamento - Gilberto Gil e Roberta Sá

Poesia e um violão em ritmo de bossa se combinam em Afogamento, pérola de OK OK OK, disco com 11 músicas inéditas que Gilberto Gil lançou em 2018. O veterano da MPB divide os vocais com Roberta Sá, cantora potiguar radicada no Rio de Janeiro e dona de timbre vigoroso. Difícil não se deixar levar pela delicadeza da composição assinada por Gil em parceria com o jornalista Jorge Bastos Moreno (1954-2017).

11. Exú nas Escolas - Elza Soares e Edgar

Propositiva, Exu nas Escolas veio de encontro ao cenário de intolerância religiosa e ao movimento Escola Sem Partido que protagonizaram intensas discussões no Brasil em 2018. Nessa música que integra seu recente álbum, Deus é Mulher, a incansável Elza Soares recorre à entidade da Umbanda para falar sobre a laicidade do Estado e conta com a ajuda do rapper paulistano Edgar para trazer à tona a corrupção enraizada na política e história do País.

12. O Girassol da Caverna - Elba Ramalho e Ney Matogrosso

Colegas de longa data, Elba Ramalho e Ney Matogrosso já dividiram os palcos inúmeras vezes nas últimas décadas, mas até 2018 não tinham gravado uma parceria sequer juntos. Essa lacuna foi deixada pra trás com O Girassol da Caverna, composição de 1983 assinada por Lula Queiroga - que integra o 38º álbum da cantora paraibana. Um belíssimo encontro de vozes icônicas da música brasileira em uma faixa festiva e de tom filosófico.

13. Estouro - Djonga e Karol Conka

No primeiro semestre de 2018, o rapper mineiro Djonga lançou seu segundo álbum , o elogiado O Menino Que Queria Ser Deus. Estouro, parceria com curitibana Karol Conka, é um dos destaques absolutos do disco. Na faixa provocativa, de atmosfera futurista e flow eletrizante, os artistas abordam o passado, a ascensão e as críticas ao trabalho do rapper, além de questões de raça inerentes a sua trajetória - tudo isso sem um pingo de falsa modéstia.

14. Queima Minha Pele - Baco Exu do Blues e Tim Bernardes

Queima a Minha Pele transita entre a delicadeza e ferocidade ao discorrer sobre os excessos do amor e é fruto de uma robusta parceria do rapper baiano Baco Exu do Blues com o cantor, compositor e multi-instrumentista paulistano Tim Bernardes (duas figuras em ascensão na cena nacional). Presente no segundo e badalado disco de Baco, Bluesman, a composição explora cenários de dor, contradições e de alta conotação sexual – todas bem presentes na obra do artista.