NOTÍCIAS
28/12/2018 17:10 -02 | Atualizado 28/12/2018 17:10 -02

Com Netanyahu, Bolsonaro diz que Brasil e Israel devem ser 'irmãos'

"Israel é a Terra Prometida, e o Brasil é a terra da promessa, do futuro", disse o primeiro-ministro israelense.

ASSOCIATED PRESS
O encontro entre Jair Bolsonaro (PSL) e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

No Brasil para a posse de Jair Bolsonaro (PSL), o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, se reuniu nesta sexta-feira (28) com o presidente eleito no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro, chamou Bolsonaro de "amigo" e declarou que o Brasil é a "terra do futuro".

"Israel é a Terra Prometida, e o Brasil é a terra da promessa, do futuro", disse Netanyahu.

No encontro, os dois reafirmaram as intenções de estreitar os laços dos países em negociações de diversos setores, como tecnologia, segurança, militar e agricultura. Participaram do encontro os futuros ministros de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Defesa, Fernando Azevedo.

Bolsonaro, por sua vez, disse que Brasil e Israel devem ser "irmãos no futuro" e aceitou um convite de Netanyahu para visitar Israel em março. "Aprofundamos mais um pouco as nossas intenções. Mais do que parcerias, sermos irmãos no futuro, na economia, em tecnologia, em tudo aquilo que possa trazer benefícios para os dois países", disse.

A aproximação com Israel se intensificou depois que Bolsonaro prometeu, ainda durante a campanha, mudar a embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém - decisão polêmica que atende a um pleito israelense.

Esta é, inclusive, a primeira visita oficial de um primeiro-ministro israelense ao Brasil desde 1948, quando foi fundado o Estado judaico.

As relações entre os dois países azedaram especialmente durante o governo Dilma Rousseff. Em 2014, a chancelaria israelense chegou a chamar o Brasil de "anão diplomático" após o governo brasileiro criticar a escalada de violência na Faixa de Gaza.

À época, o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Yigal Palmor, declarou que a decisão brasileira de chamar para consultas seu embaixador em Tel Aviv não refletia "o nível de relação entre os países" e ignorava "o direito de Israel defender-se". "É uma demonstração lamentável de como o Brasil, um gigante econômico e cultural, continua a ser um anão diplomático", disse.

A visita de Netanyahu

Durante o evento de boas-vindas, Bolsonaro ofereceu uma medalha e uma faixa ao primeiro-ministro israelense. Antes da cerimônia, os líderes políticos trocaram mensagens no Twitter.

Netanyahu afirmou que Bolsonaro "lidera uma grande mudança" e que está feliz em abrir uma "nova era entre Israel e essa superpotência chamada Brasil".

Após o almoço com Bolsonaro no Forte de Copacabana, Netanyahu irá à sinagoga Beit Yaakov para a cerimônia religiosa do shabat.

No domingo (30), ele se reúne com jornalistas, líderes da comunidade judaica e Amigos Cristãos de Israel.

Na segunda-feira (31), ele segue para Brasília, onde acompanhará a posse de Bolsonaro no dia 1º de janeiro. O premiê retorna para Israel na noite do dia 1º.

*Com informações da Agência Brasil.