POLÍTICA
24/12/2018 20:55 -02 | Atualizado 24/12/2018 21:12 -02

Michel Temer diz que gostaria de ter deixado Brasil 'ainda melhor'

Em pronunciamento nesta segunda-feira (24), Temer ainda disse que vê 'dever cumprido' na presidência.

Antonio Cruz/ Agência Brasil
Mandato de Michel Temer termina no próximo dia 31.

O presidente Michel Temer afirmou em pronunciamento de Natal, nesta segunda-feira (24), que "entregou um Brasil muito melhor" do que aquele que recebeu e que termina o seu mandato com "a consciência do dever cumprido". O mandato do presidente termina no próximo dia 31. Em 1º de janeiro, o presidente eleito Jair Bolsonaro toma posse.

"Tenham certeza: gostaria de ter dado um Brasil ainda melhor a todos vocês. Mas também podem estar certos de que não poupei esforços nem energia e sei que entrego um Brasil muito melhor do que aquele que recebi", afirmou.

O presidente agradeceu o suporte de familiares e ministros e não comentou os feitos em seu governo nem de como viveu nos últimos anos. Apenas comentou que, a partir de agora, "ficam as reformas e os avanços, que já colocaram o nosso país em um novo tempo. Saio com a alma leve e a consciência do dever cumprido."

"E, é claro, agradecer a todos os brasileiros. Indistintamente. Aos que me apoiaram e também aos que não me apoiaram. Porque democracia é isso. É poder pensar e provar que é possível fazer mais pelo Brasil e pela vida de todos, independentemente das dificuldades, das barreiras impostas", afirmou.

Temer também agradeceu os brasileiros, tantos os que o apoiaram quanto aqueles que o criticaram. Apenas 3% dos brasileiros avaliaram a gestão do presidente como boa ou ótima, de acordo com pesquisa CNI/Ibope de outubro de 2017.

"Agradecer à minha família, por ter me ajudado a vencer os desafios que se apresentaram pelo caminho. Agradecer aos meus ministros, a toda a minha equipe, homens e mulheres de valor, que estiveram em todos os momentos ao meu lado e sempre me ajudaram a dar a volta por cima."

Como Temer chegou à presidência

NurPhoto via Getty Images
Movimentos sociais protestam contra o presidente Michel Temer.

Michel Temer (MDB) assumiu a presidência da república de forma interina em 12 de maio de 2016, no momento em que Dilma Rousseff (PT), presidente à época, foi afastada do cargo quando o processo de impeachment foi aprovado pela Câmara dos Deputados. Em agosto, no momento em que Dilma teve o mandato caçado, Temer ocupou o cargo em definitivo.

Com um governo de caráter reformista, Temer conseguiu aprovar no Congresso -- entre discussões e polêmicas -- o teto de gastos públicos, a reforma do ensino médio e a reforma trabalhista. Em maio de 2017, sofreu um forte desgaste político quando delações e gravações feitas por Joesley Batista, executivo da JBS, vieram à tona.

Na última quarta-feira (19), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou o presidente e outras 5 pessoas por corrupção e lavagem de dinheiro no chamado inquérito dos portos.

A denúncia é resultado de uma investigação instaurada para apurar irregularidades na edição de decreto, em maio de 2017, que beneficiou empresas do setor portuário, com destaque para o Grupo Rodrimar, que opera no Porto de Santos, de acordo com comunicado da Procuradoria-Geral da República.

O Palácio do Planalto informou que Temer "provará, nos autos judiciais, que não houve nenhuma irregularidade no decreto dos portos, nem benefício ilícito a nenhuma empresa".