ENTRETENIMENTO
24/12/2018 08:47 -02 | Atualizado 24/12/2018 08:47 -02

As 10 melhores séries de 2018

O HuffPost Brasil selecionou 10 séries que marcaram 2018 para você maratonar neste final de ano.

Divulgação

Com a popularização dos serviços de streaming, as séries viraram uma parte bem importante de nossas vidas. O ato de maratonar já mudou os hábitos como sociedade, e as séries passaram a ser parâmetro na hora de escolher um novo crush.

Já que estamos no final do ano e já fizemos nossa lista dos 10 melhores filmes de 2018, não vamos perder a oportunidade de indicar também as 10 melhores séries de 2018.

Acompanhe aqui nossas escolhas e use a caixa de comentários para dizer quais são as suas séries preferidas e se você achou justo o nosso ranking.

10 - Better Call Saul (4ª temporada)

Divulgação
Better Call Saul

Não tão boa quando a anterior, a 4ª temporada de Better Call Saul tem como grande atração a sua cada vez maior aproximação com a linha de tempo de Breaking Bad, mostrando mais personagens que participaram da narrativa da série em que se baseia BCS. Além disso, nos apresenta o exato momento em que Jimmy McGill (Bob Odenkirk) assume de vez a persona de Saul Goodman, em uma reveladora e triste conclusão de temporada.

9 - The Handmaid's Tale (2ª temporada)

Divulgação
The Handmaid's Tale

A expectativa para a segunda temporada de The Handmaid's Tale era gigantesca. Todas as referências ao livro em que a série se baseia (O Conto da Aia) terminaram no último episódio da primeira temporada. Ou seja, o material da segunda seria totalmente inédito. Porém, a escritora Margaret Atwood serviu como uma conselheira para os roteiristas, que mantiveram a pegada da história. A recepção foi mista. Enquanto alguns seguiam embarcando nas desventuras de June (Elisabeth Moss), outros acusaram a série de ser excessivamente sádica.

8 - Legion (2ª temporada)

Divulgação
Legion

A série da Fox aproveita todas as possibilidades que um personagem com poderes psíquicos traz e as multiplica à enésima potência. O tom psicodélico da 1ª temporada é ainda mais acentuado na 2ª. Fato que pode afastar um público menos afeito a esquisitices, mas que é um sopro de criatividade necessário a um gênero já saturado como o das histórias de super-heróis. As viagens lisérgicas do criador Noah Hawley (roteirista da versão televisiva de Fargo) são uma atração à parte.

7 - Kidding (1ª temporada)

Divulgação
Kidding

Ainda pouco falada pelo público brasileiro, Kidding marca o reencontro do diretor francês Michel Gondry e do ator Jim Carrey 14 anos depois do cult Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças. Aqui, Carrey é Jeff, um apresentador de programas infantis conhecido como Mr. Pickles, que passa por uma fase complicada em sua vida familiar e começa a questionar seu papel como exemplo às crianças. A série é cheia de humor negro e traz todo aquele estilo fofinho e estranho que é marca registrada de Gondry.

6 - Homecoming (1ª temporada)

Divulgação
Homecoming

Uma das maiores estrelas do cinema na passagem da década de 1990 para 2000, Julia Roberts finalmente se rendeu à TV. O esperto thriller Homecoming é a primeira série protagonizada por ela, que não esteve tão bem em um papel desde quando conquistou o Oscar de Melhor Atriz por Erin Brockovich em 2001. Todos os episódios - que não passam dos 30 minutos cada - são dirigidos por Sam Esmail, criador da premiada série Mr. Robot. Envolvente e surpreendente, a trama tem nos diálogos precisos e na estilosa direção de Esmail seus pontos fortes.

5 - Counterpart (1ª temporada)

Divulgação
Counterpart

Outra grande surpresa do ano é a ainda pouco conhecida Counterpart, um thriller de espionagem com toques de ficção científica estrelado pelo ótimo J.K. Simmons, vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por Whiplash. O ator, alias, é um dos grandes destaques da série, em que interpreta o mesmo personagem, só que de duas dimensões diferentes. Uma alternativa bem mais palatável à pedante e confusa Westworld.

4 - The Good Fight (2ª temporada)

Divulgação
The Good Fight

Pouquíssimas vezes um spin off foi considerado melhor do que a série em que se originou. Algo que se aplica a The Good Fight. Derivada do drama de advogados The Good Wife, o spin off apostou na única personagem que rivalizava em charisma com Alicia Florrick (Julianna Margulies): Diane Lockhart (Christine Baranski). Além dela, alguns nomes da série que acabou em 2016 voltam a dar as caras, como Lucca Quinn (Cush Jumbo). Isso sem falar na excelente adição da talentosa atriz escocesa Rose Leslie (a Ygritte de Game of Thrones).

3 - BoJack Horseman (5ª temporada)

Divulgação
BoJack Horseman

Não se engane com o fato de BoJack Horseman ser uma animação. E também com o fato de ser uma comédia. Sua versão satírica de uma Hollywood povoada por animais antropomorfizados traz reflexões bem profundas — e tristes — sobre a vida vazia de significados das celebridades que reverenciamos.

2 - A Maldição da Residência Hill (1ª temporada)

Divulgação
A Maldição da Residência Hill

Dirigida por Mike Flanagan, um dos principais nomes da nova onda de terror que está tomando de assalto o cinema americano, A Maldição da Residência Hill apareceu sem muito alarde na Netflix e vem ganhando cada vez mais destaque. A grande sacada da série é unir drama familiar com histórias de fantasmas. Um de seus maiores fãs é "apenas" Stephen King, um dos grandes mestres da literatura de terror.

1 - The Americans (6ª temporada)

Divulgação
The Americans

The Americans é muito mais que um thriller de espionagem com sequências de ação de tirar o fôlego. O casal de espiões soviéticos Elizabeth e Philip Jennings (Keri Russell e Matthew Rhys, em excelente forma) são, ao mesmo tempo, os heróis e vilões dessa trama que se passa na Washington da década de 1980. Ao mesmo tempo que simpatizamos com seus dramas, reprovamos muitas de suas atitudes, causando um dilema moral no público tão profundo que não se via desde de Família Soprano. Em sua última temporada, a série traz um tom de desesperança que se compara apenas com o fato de que nunca mais assistiremos a um episódio de The Americans.